Nas Bancas

Lavínia Vlasak em Lisboa: "A receita para manter o meu casamento é: beijo na boca, respeito e muitas gargalhadas"

A actriz brasileira, que foi mãe há nove meses, revela o que o filho, Felipe, veio mudar na sua vida, principalmente no seu casamento com o economista Celso Neto.

Melissa Tavanez
11 de outubro de 2009, 17:50

Já esteve várias vezes em Portugal e sempre em trabalho. Desta vez não foi diferente. Lavínia Vlasak foi convidada para ser embaixadora do concurso Cabelo Pantene 2009 e foi nesse papel que regressou ao nosso país. Com a actriz brasileira, de 33 anos, viajou o marido, o economista Celso Neto, de 32, com quem vive um amor sólido há quase nove anos e com quem subiu ao altar em Setembro de 2007. Na bagagem, Lavínia carrega as saudades do filho, Felipe, que nasceu há nove meses, e de quem nunca se tinha separado. Uma estreia pacífica, no entanto, já que, como nos disse, "o bebé ficou bem entregue, tem amor e carinho". Desta forma, a actriz, que pode ser vista na novela Mulheres Apaixonadas, em reposição na SIC, aproveitou os três dias não só para dar entrevistas como também para namorar e passear por Lisboa. Por conhecer ficou, mais uma vez, Sintra, Mafra e Coimbra, locais que Lavínia gostaria de visitar. Um desejo que poderá cumprir, quem sabe, em Novembro, quando regressar ao nosso país para a final do Concurso Cabelo Pantene 2009, onde serão seleccionados o rapaz e a rapariga com os cabelos mais saudáveis e bonitos. À boleia da sua estada em Portugal, a CARAS foi ao encontro da actriz, que se deixou fotografar em plena Avenida da Liberdade. A conversa não começou pelo motivo que a trouxe até nós, mas foi aí que culminou.

- Esta foi a primeira viagem que fez sem o seu filho?

Lavínia Vlasak - Foi, aliás, foi a primeira vez que me separei dele. Mas eu sei que ele está a ter uma boa assessoria. [risos] Ficou com as avós, o avô e as babás.

- Ainda assim, esta separação não está a criar-lhe alguma ansiedade?

- Ele é uma criança, não tem noção do tempo. Está a receber amor, carinho, tem hora certa para dormir e comer. O problema não é o bebé, somos nós, mães, que quando largamos os nossos filhos ficamos com o coração nas mãos.

- Disse há uns tempos, numa entrevista à CARAS, que só teria um filho quando se sentisse preparada. Acha mesmo que estava preparada para ser mãe?

- Acredito que nunca estamos plenamente preparados seja para o que for. Eu não estava preparada a 100%, mas estava a 90%. A condição mais importante é a vontade e saber que a nossa vida nunca mais será a mesma. Abrir mão de algumas coisas, mas fazê-lo com prazer, sem sofrimento nem traumas. Não tenho qualquer problema em recusar um convite para ir a uma festa para ficar com o meu filho.

- Antes do Felipe nascer, viveu sete anos só com o Celso, o que, provavelmente, vos levou a ganhar alguns 'vícios' de casal. O que é que o bebé veio alterar na vossa vida a dois?

- Estávamos habituados a viajar sem ter regresso marcado, pôr uma mochila às costas e rumar para onde queríamos... Agora isso tudo mudou, mas com grande prazer. O Felipe foi um bebé pensado, querido, desejado. Veio no momento certo. A gente já curtiu muito a nossa vida, só os dois. Agora é hora de parar e cuidar do nosso bebé, o que fazemos com muito amor, muita vontade. Pôr um filho no mundo é fácil, difícil é cuidar. Por isso, quando se resolve ter um filho, há que ter noção de que temos de abrir mão de várias coisas, sem pesar. Eu tenho abdicado de algumas coisas e sou feliz.

A actriz
A actriz
Nuno Miguel Sousa
- Esta primeira experiência enquanto mãe suscita-lhe vontade de ter mais filhos?

- Um filho é um amor avassalador, incondicional. A experiên­cia é tão boa que eu e o Celso queremos ter mais um filho.

- Também é preciso estar preparada para ter outro filho...

- Sim, e eu ainda estou a aprender a lição da maternidade. Mas dizem que o melhor presente que se pode dar a um filho é um irmão, que é um companheiro para o resto da vida.

- Esta viagem serve também para repor energias, para namorarem, refrescar a vida a dois?

- Acho muito importante antes de se ser pai e mãe viver muito bem a vida de casal e, antes disso, viver a vida como indivíduo para, quando se entra na maternidade, estar de coração aberto, sem problemas nenhuns em abrir mão de determinadas coisas, como dormir, comer a horas, tomar banho à hora que queremos, sair... Eu aceitei todas estas mudanças com um supersorriso.

- Acredita que um filho pode fazer tremer um casamento caso este não seja sólido?

- Sim. Há muitas mulheres que engravidam para segurar o namorado ou o casamento, e isso é uma ilusão. O que acontece é justamente o contrário. Se a relação não estiver sólida, um filho pode acabar com essa relação. Temos de estar numa boa fase da união para poder em­barcar nesse novo estágio, senão, há realmente uma ruptura.

- Qual é a sua receita para manter o seu casamento?

- Beijo na boca, respeito e muitas gargalhadas. O Celso é o meu marido, meu amigo, meu companheiro. Apoiamo-nos mutuamente, amamo-nos, divertimo-nos...

Lavínia Vlasak
Lavínia Vlasak
Nuno Miguel Sousa
- E como mãe, tem alguma receita para desempenhar esse papel o melhor possível?

- Eu quero criar o meu filho para a rea­lidade, quero que ele seja uma pessoa forte, feliz, saudável, em paz consigo próprio e preparado para o que der e vier. Não tenho como proteger o meu filho de todas as frustrações. Se eu fizer isso, vou estar a ser injusta, não vou estar a ser uma boa mãe, vou estar a impedir que ele descubra que a vida é feita de coisas boas e más.

- Passaram nove meses desde o nascimento do Felipe. Já se sente com vontade de regressar ao trabalho?

- Já fiz um filme, que se chama Fantástico Mistério da Feiurinha, mas fazer um filme é bem mais tranquilo do que fazer televisão. Ainda não entrei nessa roda-viva, mas já tenho vontade de voltar ao ritmo alucinante das gravações de uma novela, embora, ao mesmo tempo, me dê um aperto no coração. Mas também quero que o Felipe entenda que as pessoas precisam de trabalhar para terem o que querem, que nada na vida é de graça.

- E entre o papel de mãe e esse filme, ainda tem tempo para cuidar da sua imagem...

- Entre o sonho e a realização, há uma ponte chamada disciplina. Para termos o que queremos, temos de lutar. O meu corpo é a minha ferramenta de trabalho, por isso tenho de fazer ginástica, não só para estar bem visualmente, como para fazer algumas cenas que requerem esforço físico, como correr e falar ao mesmo tempo...

- Outra das suas ferramentas de trabalho são os seus cabelos. Presumo que tenham grande importância na sua profissão...

- Sim, o cabelo é, sem dúvida, uma ferramenta imprescindível para qualquer actriz. Não posso fazer uma plástica no rosto cada vez que interpreto um papel, tenho, sim, de alterar o penteado. Posso usar o cabelo curto, comprido, liso, encaracolado, posso mudar a cor... Mas não consigo fazer nada disso se ele não estiver saudável, por isso tenho imensos cuidados com o cabelo.

- Terá sido por ser tão cuidadosa com o cabelo que foi escolhida para ser embaixadora da Pantene?

- Já recusei muitos trabalhos porque não sou capaz de dar a cara por um produto no qual não acredito. Este convite aceitei de imediato, pois não só acredito como uso. Aliás, durante a gravidez, altura em que se diz que o cabelo fica péssimo, o meu ficou incrível.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras