Nas Bancas

António Costa revela que tem uma rotina familiar difícil de gerir

O autarca e a mulher, Fernanda Tadeu, passam a semana em casas diferentes, e encontram-se ao fim-de-semana.

Andreia Guerreiro
9 de outubro de 2009, 22:03

Presidente da Câmara Municipal de Lisboa e recandidato ao cargo nas próximas eleições autárquicas, a 11 de Outubro, António Costa nasceu em 1961, está casado há 22 anos com Fernanda Tadeu, educadora de infância numa escola na zona de Sintra, e tem dois filhos, Pedro, de 19 anos, e Catarina, de 16.
Numa sessão fotográfica que reuniu toda a família num dos miradouros emblemáticos da cidade, o Jardim de S. Pedro de Alcântara, António Costa revelou a logística difícil que rege o seu quotidiano familiar: durante a semana, vive em Lisboa com o filho, que frequenta o primeiro ano de faculdade, ao fim-de-semana, juntam-se os quatro, na capital ou em Sintra, onde a mulher e a filha passam a semana. "Não é fácil", desabafa, com os olhos postos na cidade que deseja aberta ao mundo.

- Por que escolheu este miradouro?
António Costa - Esta é a imagem da cidade de Lisboa que tenho desde miúdo, uma vez que cresci e vivi toda a minha vida entre a Avenida da Liberdade e a Praça das Flores. A única excepção foram os dois anos, logo após o casamento, em que vivi em Carnide. Este sempre foi o meu território. A minha avó e a minha mãe viveram nesta zona, e foi com esta vista que aprendi a conhecer Lisboa.

- Agora que se candidata a um segundo mandato à frente da CML, com que cidade sonha?
- Sonho, fundamentalmente, com a eternidade que Lisboa possa dar à beleza natural que tem e que consiga vencer as marcas de degradação e do envelhecimento que o tempo lhe foi deixando.

- Ao contrário do que diz a tradição política, Lisboa não foi, para já, uma passagem para outros voos... Aliás, fez o contrário: deixou o governo para se candidatar à Câmara de Lisboa.
- Candidatei-me a pensar num mandato de dois anos mais quatro. A primeira parte está a terminar e a certeza que quero expressar é que estou onde quero estar. Devemos sempre, a cada momento, fazer aquilo de que gostamos. A mim, neste momento, só me interessa a Câmara de Lisboa.

António Costa e Fernanda Tadeu
António Costa e Fernanda Tadeu
Mário Galiano
- Como descreve estes dois últimos anos? Como tem sido a experiência?

-
Governar uma cidade é muito mais complexo do que qualquer ministério, porque as questões são transversais. Aqui, temos um pouco de tudo. Desde questões relacionadas com os transportes, passando pela habitação, a educação ou as questões sociais. Acresce ainda o facto das pessoas olharem para o presidente da câmara como o seu representante e o seu provedor em todos os assuntos que lhes digam respeito, mesmo que não sejam da competência da câmara, como são, por exemplo, as questões de segurança. Mas é curioso, hoje as pessoas colocam-me mais questões relacionadas com a segurança do que durante o tempo em fui ministro da Administração Interna. Tudo isto confere ao cargo que desempenho uma dimensão muito, muito grande. É uma função que desempenho com enorme gosto e é também uma grande honra exercê-la mandatado pelos lisboetas.


- Foi acusado de não viver na cidade, mas sim na zona de Sintra...

-
Agora vivo em Lisboa...


- Mas é uma situação recente. Que razões o levaram a si e à sua família a fazer esta nova opção de vida?

-
Arrendei uma casa em Lisboa e, durante a semana, vivo aqui com o meu filho. Quando chegamos a sexta-feira, ou eu e o Pedro vamos para Sintra ter com a minha mulher e a minha filha, ou elas vêm ter connosco a Lisboa. Depende de cada fim-de-semana.


- E como tem corrido essa nova gestão da vida familiar?

-
Não é fácil. [risos] Esta decisão implicou uma grande alteração da nossa organização familiar e também da logística, mas coincidiu com a entrada do meu filho para o primeiro ano da faculdade e acabámos por fazer esta opção.


- E tem sido fácil?
-
Aprendemos os dois a viver cinco dias sozinhos e à sexta-feira lá nos reorganizamos.


- Deduzo que o seu filho, aos 19 anos, deve estar encantado com o facto de viver quase sozinho em Lisboa, uma vez que a agenda de um presidente de câmara o deve levar para casa tarde...

-
Digamos que não anda infeliz com essa situação. [risos]


- Tendo em conta a visão necessariamente diferente que o seu filho tem da cidade e dos seus problemas, esse é um tema abordado em casa?

-
Sim, claro. Até posso dizer que, por ocasião da decisão de reduzir os horários dos bares no Bairro Alto, o Pedro foi o maior porta-voz doméstico contra essa medida.


- Agora que tem essa experiência, já tem noção se o fim-de-semana ideal é em Lisboa ou em Sintra?

-
Esse é um novo problema. [risos] Por regra, a minha mulher prefere estar em Lisboa ao fim-de-semana, enquanto eu faço muito gosto em voltar para o campo sempre que tenho oportunidade. Tentamos, no entanto, repartir os fins-de-semana, até porque é raro conseguir ter o fim-de-semana completamente livre. Tenho sempre muito para fazer em Lisboa e a minha mulher acaba por aproveitar para fazer coisas que a cidade proporciona e o campo não tem.


- No seu tempo livre, o que mais gosta de fazer?
-
Dormir. [risos] O tempo livre não dá para muito mais. Estar com a família e tentar usufruir de uma das boas facetas do cargo, que é a representação. Ao representar a câmara em diversos eventos, estreias de peças de teatro e outros, acabo por usufruir muito do que a cidade proporciona em termos de cultura e tempos livres. É um dois em um que muito aprecio. [risos]

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras