Nas Bancas

Humberto Barbosa: Um homem dedicado à família

"Sou um pai absolutamente orgulhoso"

Andreia Guerreiro
6 de outubro de 2009, 10:21
Humberto Barbosa
não tem problemas em mostrar que vive bem, que tem uma casa grande ou que é dono de um dos maiores barcos da Marina de Vilamoura. Isto porque tudo o que tem e conseguiu até hoje saiu-lhe do "
pêlo
", como o próprio diz. Mas a sua maior riqueza, garante, é a família: a mulher,
Gabriela
, e os três filhos,
Sofia
, de 31 anos,
Augusto
, de 26, e
Tomás
, de 21.

Do rapaz madeirense que teve de lavar pratos para se licenciar em Londres já quase não há vestígios, mas a humildade, essa, manteve-se. E em 26 anos de carreira nunca esqueceu de onde veio. Trabalha 12 horas por dia, 11 meses por ano, na Clínica do Tempo, mas chega a Agosto e faz questão de dedicar o seu tempo à família, no seu refúgio no Algarve. E foi precisamente aí, na sua casa de férias, que a CARAS foi ao encontro do nutricionista.


- É para aqui que 'fogem' nas férias?

Humberto Barbosa -
Sim, para o nosso porto de abrigo. Normalmente, trabalho
non stop
durante 11 meses e, em Agosto, que é o meu mês de férias, faço questão de tirar os 31 dias para estar com a minha família. Nestes dias, gostamos de estar longe da confusão. Tínhamos uma casa na Quinta do Lago, que decidimos vender há três anos, porque já se estava a tornar um pouco pequena para albergar a família, os amigos, os genros, as noras, os amigos dos filhos...


- Esta é bastante grande...

-
Tem quatro mil metros quadrados de terreno e cerca de 700 metros quadrados de área de construção. Para mim, era essencial que tivesse muito jardim e um ginásio, porque eu gosto de praticar exercício físico e faço-o diariamente. Nos 11 meses em que estou a trabalhar, chego a casa por volta das 21h30, e até cerca das 23h00 tenho o meu
personal trainer
, que me dá uma 'tareia' de ginásio durante hora e meia. Para que isto não fosse interrompido durante as férias, construiu-se aqui um ginásio bastante bem equipado e trouxe o professor. A única diferença são os horários de treino: aqui treinamos às 10h00 da manhã todos os dias.


- Todos treinam cá em casa? Mulher e filhos?

-
Todos, mas em horários diferentes. Eu e a Gabriela, normalmente, treinamos às 10h00 e, depois, a partir das 11h30, são os restantes membros da família, consoante se a noitada foi longa ou não. [risos]


Humberto Barbosa com a mulher, Gabriela
Humberto Barbosa com a mulher, Gabriela
Nuno Miguel Sousa
- Não tem problemas em mostrar ostentar que vive bem...

-
Já trabalho há 26 anos. Muitas vezes as pessoas interrogam-se e podem comentar que vivo bem, que passeio de barco, que tenho uma grande casa... mas não sabem o que já trabalhei, o que trabalho e como foi a minha vida de estudante, em que estudava de dia e trabalhava à noite a lavar pratos. Tive uma vida complicada para poder atingir determinados patamares. Posso dizer que não sou oriundo de famílias ricas, não herdei nenhuma fortuna nem me saiu nunca o totoloto ou totobola, porque não jogo. Saiu-me é tudo do pêlo, com muito trabalho.


- Assim as coisas têm também outro sabor...

-
É verdade.


- Como disse, o trabalho ocupa-lhe muito tempo, cerca de 12 horas por dia. Ainda assim, consegue ser um pai e marido presentes?

-
Tento sempre, dentro do possível. Mas não é tanto a quantidade da presença, mas a qualidade dela. Tomo sempre o pequeno-almoço em casa, em família, pelo menos com o meu filho mais novo e a minha mulher, porque os meus filhos mais velhos já não moram comigo. E ao fim-de-semana há sempre uma saída, um almoço ou jantar com todos, para contarmos como foi a nossa semana, se existem questões que têm de ser partilhadas...


- São uma família assim tão unida?

-
Sim, sempre funcionámos como uma equipa, quando um de nós tem um problema, esse problema é partilhado por todos. E eu orgulho-me de ter essa relação com a minha família. Orgulho-me de os meus filhos falarem comigo sobre todos os assuntos e de também terem prazer em sair comigo. E sinto que não me convidam só para pagar a conta. É sinal que cumpri minimamente o meu papel enquanto pai.


- Ajuda também o facto dos seus filhos trabalharem consigo. É assim por opção deles ou porque o Humberto assim o quis?

-
Sempre lhes dei as opções todas. Mas não escondo que lhes disse que achava que este era o caminho mais fácil para a felicidade a nível profissional. Mas o Tomás, desde os três anos que dizia que queria ser nutricionista. E isto mostra um bocadinho como desde muito cedo eles já sabiam mais ou menos o caminho que queriam seguir, porque, fundamentalmente, o que queriam era estar por perto e prolongar este espírito da família. Sou um pai absolutamente orgulhoso.


- E a sua mulher, também trabalha na clínica?

-
Indirectamente. Primeiro, porque me inspira em tudo aquilo que faço. E, depois, é artista plástica, e todos os quadros da clínica são pintados por ela. Além disso, sendo mulher, e como 70% dos clientes da clínica também o são, é sempre a minha maior crítica, é sempre a primeira pessoa que opina sobre as novas metodologias. E aquilo que eu sei é que, se agradar à Gabriela, agradará com certeza a todas as clientes, porque ela é, sem sombra de dúvida, a mulher mais exigente que alguma vez conheci.


Humberto Barbosa com os filhos, Augusto e Tomás
Humberto Barbosa com os filhos, Augusto e Tomás
Nuno Miguel Sousa
- Aquilo que recomenda na clínica (exercício físico, alimentação saudável, viver sem stresse...) é aplicado em sua casa?

-
Em nossa casa fazemos sempre aquilo que prescrevemos às pessoas que nos procuram na clínica. Por exemplo, comemos com regras durante seis dias e há apenas um dia em que as esquecemos.


- Se consegue pôr tudo isso em prática, considera-se um homem realizado? Não precisa de mais nada?

-
Sou completamente feliz e realizado. Mas ainda há uma coisa que preciso, porque no dia em que acharmos que não precisamos de mais nada, se calhar falta-nos um bocadinho daquele combustível para podermos trabalhar e fazermos algo mais. Por isso, ainda há um bocadinho que me falta atingir, que é ter um pouco mais de tempo, que é o bem mais precioso. Daí, também, o nome de Clínica do Tempo.


- Esse culto pela vida saudável, pelo corpo... não faz disso uma obsessão?

-
Sou tudo menos obsessivo. Não temos de ser escravos de nada e é importante desfrutarmos dos prazeres da vida.


- Na sua clínica, tenta prolongar a vida das pessoas. Espera viver até que idade?
-
Não sei, mas gostava de viver até aos 150 anos! Porque os 100 anos já foram atingidos tal como os 114, portanto, para ser assim alguma coisa de determinante e ficar na História, 150 anos arrumava todas as estatísticas. Mas a idade com que vou morrer não é importante, mas sim a qualidade de vida que vou ter. E espero e gostava - é esse o objectivo pelo qual luto - de morrer saudável. Se eu morresse hoje, morria feliz, tranquilo, saudável e com a consciência de já ter realizado 99% dos meus desejos.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras