Nas Bancas

José Maria Calheiros, sobrinho-bisneto do general Norton de Matos partilha com a CARAS as memórias de família

O advogado e a pintora partilharam com a CARAS a sua história de vida.

Melissa Tavanez
5 de outubro de 2009, 12:35

José Maria Calheiros, de 43 anos, e Sofia Pidwell, de 38, são um casal que consegue conciliar na perfeição a preservação dos valores tradicionais com a necessária adaptação ao ritmo e às exigências dos dias de hoje. Casados há 11 anos e pais de três filhos, José Maria, de dez anos, Maria da Piedade, de nove, e António Maria, de seis, o advogado e a pintora têm como base a harmonia familiar, que nunca foi abalada pelas constantes solicitações que José Maria tem. Fundador do escritório de advogados José Maria Calheiros e Associados e presidente da Fundação Portuguesa de Ténis, o antigo professor universitário consegue ser um pai e um marido presentes. O segredo, diz, está na sua capacidade de organização. Mas a vida deste homem de sucesso não é apenas trabalho. Sobrinho-bisneto do general Norton de Matos, o advogado faz questão de todos os anos passar férias na casa que pertenceu ao tio-avô da sua mãe, em Ponte de Lima.Foi durante este período, em que o tempo parece parar e em que a família é a única distracção do casal, que a CARAS falou com José Maria e com a mulher sobre uma vida que dizem ter como lema "Juntos, tudo é possível".

- Qual é a sua relação com Ponte de Lima?
José Maria Calheiros - Sempre passei férias aqui, com os meus primos, em Setembro. E é uma tradição que se mantém, mas agora vimos em Agosto. Venho com a minha mulher e com os meus filhos e juntamo-nos ao meu pai. Temos família aqui perto e, por isso, é óptimo vir cá.

- Sente que é quase uma missão preservar a história da sua família?
- Não diria que é uma missão. É mais o gosto de não perder a tradição e de querer preservar esta casa, mantendo as coisas como o meu tio-bisavô as tinha. A minha irmã também teve um papel muito importante, porque organizou todo o arquivo do general e, neste momento, já está tudo informatizado.

- E que memórias tinha a sua mãe do general?
- O general Norton de Matos era tio-avô e padrinho da minha mãe. E como ele só teve uma filha, que morreu sem filhos, a descendente que herdou todas estas memórias foi a minha mãe. Ela sempre falou dele com um grande orgulho e com muitas saudades. Foi uma pessoa que marcou a nossa vida e que teve, na altura, muita importância no País. E, por isso, para nós, foi sempre um exemplo. A minha mãe conviveu de perto com ele e, por isso, era muito importante manter essas memórias o mais acesas possíveis.

- E tenta transmitir este passado familiar aos seus filhos?
- Sim, na medida do possível. Os tempos já são outros, mas para nós é muito importante que eles venham para cá e que gostem de cá estar. E como gostam, o contacto com isto tudo acontece de forma natural.

- Cresceu no Porto, mas mudou-se para Lisboa...
- Nasci no Porto e estive lá até aos 22 anos. Formei-me na Católica, em Direito. Mas, mal acabei o curso, decidi ir para Lisboa. Fiz o estágio e comecei a advogar e abri a José Maria Calheiros e Associados, já lá vão 18 anos.

- Acredito que, na altura, essa mudança tenha sido uma aventura...
- Sim. A advocacia sempre foi uma paixão e achei que era natural ter o meu próprio projecto. Juntei algumas pessoas e hoje é uma sociedade de sucesso, que tem trabalhado bem e tem-se mantido sólida.

- Como é que surge o Direito na sua vida?
- Escolhi muito cedo ir para Direito. Devia ter uns 14, 15 anos, e decidi que era isso que queria fazer. Gosto muito do tribunal, da barra, dos julgamentos, da estratégia das acções sociais... E sempre foi isso que me seduziu. Gosto do raciocínio jurídico. Também estive no ensino, fui assistente do professor Sousa Franco durante 12 anos. Gostava muito de dar aulas, a experiência académica permitiu-me conhecer muitas pessoas. Estive praticamente com três gerações de alunos. Depois, decidi parar.

- E foi já em Lisboa que conheceu a Sofia?
- Conheci-a quando tinha 25 anos, mas foi em Caminha, numas férias que ambos passámos cá. Conhecemo-nos por acaso. Depois começámos o namoro, que durou oito anos.

José Maria Calheiros
José Maria Calheiros
Joaquim Norte Sousa

- Sempre teve uma vida profissional muito preenchida. Como é que concilia isso com a sua vida familiar?
- Sempre conseguimos conciliar tudo, mas com algum sacrifício. O escritório, juntamente com as aulas em duas faculdades, tornou-se uma carga muito intensa. Mas sou muito organizado e, portanto, conseguia fazer tudo.

- O facto da Sofia ter decidido deixar de trabalhar para ficar em casa deve ter ajudado...
- Quando a Piedade fez um ano, a Sofia decidiu deixar de trabalhar, e isso ajudou imenso.
Sofia Pidwell - Acho que essa decisão foi uma consequência da própria vida. Sou uma mãe um bocadinho exagerada, porque gosto muito de os acompanhar. E foi uma escolha ir para casa. Tinha um filho com dois anos e outro com um e não estou nada arrependida de ter tomado essa decisão. Na altura não foi fácil, mas acabou por correr tudo bem.

- E agora tem mais uma ocupação, a presidência da Federação Portuguesa de Ténis...
José Maria - O ténis é outra das minhas grandes paixões. Comecei a jogar cedo. Joguei a um nível médio, sempre com muito gosto, e cheguei a participar em torneios internacionais, mas nada de especial. Há seis meses, desafiaram-me para me candidatar a presidente da federação. Pensei muito, porque é uma tarefa que exige algum tempo, mas eu adoro ténis e é muito interessante poder contribuir para o desenvolvimento desta modalidade em Portugal. Gosto de jogar e gosto do meio. É um segundo emprego, e esse repercute-se um pouco na família. Na prática, acaba por ocupar mais os fins-de-semana e tentamos, na medida do possível, conciliar isso com a nossa vida de família, levando a minha mulher e os meus filhos comigo, sobretudo para os sítios mais perto.

- E já passou essa paixão aos seus filhos...
- Sim, o meu filho mais velho já pratica. Gosto muito de desporto em geral e, no que me é possível, tento passar-lhes a mensagem de que praticar uma modalidade desportiva é fundamental. Para mim, o desporto é das coisas mais importantes na vida. Jogo ténis, futebol...

- E, entre tantas actividades, ainda consegue estar presente na vida dos seus filhos?
- Uma das preocupações que tenho é conciliar isto tudo com a família. Às vezes penso que podia ser um pai mais presente e tenho feito um esforço nesse sentido. Sofia - A nossa base é a família. E, por isso, o nosso principal objectivo é manter a família equilibrada e dar aos nossos filhos tudo aquilo de que eles precisam. O José Maria consegue, quase que por milagre, gerir muito bem o tempo que tem. É organizado, metódico e graças a isso consegue estar com a família. Os meus filhos não sentem a falta do pai, porque ele consegue estar presente. E o meu marido é um pai preocupado, empenhado. Não me posso queixar. Claro que agora, com o ténis, o José Maria tem muito mais coisas para fazer. E o que houve foi uma adaptação da família. Mas a ginástica maior é o meu marido que a faz.

- Consegue desfrutar do não fazer nada?
José Maria - Consigo aproveitar bem os momentos de lazer, porque são muito poucos. Mas é uma área em que tenho de aprender a desfrutar mais. Hoje em dia é muito difícil separarmos as coisas, porque temos a internet. Mas consigo parar e passar uma semana sem pensar nisso.

- E há tempo para vocês enquanto casal?
Sofia - Claro que sim. Conseguimos ter os nossos momentos. E isso é exigido pela própria vida. A certa altura, se nós nos distrairmos, a vida chama-nos a atenção e pensamos: 'Espera, agora este tempo tem de ser para nós.' E conseguimos fazer viagens só os dois várias vezes por ano. Gerimos isso dia a dia.

- Entretanto, anos depois de deixar de trabalhar, a Sofia descobriu uma nova vocação...
- Sim. Ia sempre ocupando o tempo que me sobrava, que era pouco, com a pintura de coisas pequenas, como molduras. E um dia comecei a interessar-me pela pintura de quadros. Quando o António já tinha dois anos, voltei a estudar, e agora todos os dias trabalho na pintura.

- É quando tem aquele momento só para si?
- É, totalmente! É algo que faço mesmo com paixão. Fiz a minha primeira exposição em Maio e as pessoas gostaram muito. E é óptimo fazer-se aquilo de que se gosta e ainda sermos reconhecidos por isso.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras