Nas Bancas

Alexandra Borges revela ser uma mulher de família e de grandes causas

"O meu marido é um grande companheiro nesta viagem que é a nossa vida." (A.B.)

Melissa Tavanez
4 de outubro de 2009, 12:17

A vida de Alexandra Borges, de 40 anos, divide-se entre dois mundos. Num desses mundos estão os filhos, os gémeos Vicente e Tomás, de seis anos, e o marido, Luís Almeida, de 46. No outro, existe o jornalismo e as crianças escravas no Lago Volta, no Gana. E Alexandra não consegue abdicar de nenhum deles. Entre as viagens de trabalho e a intenção de se dedicar aos filhos, a jornalista tem encontrado o equilíbrio e a felicidade. Ao longo dos últimos dois anos, Alexandra partilhou com os portugueses a realidade no Gana e promoveu várias acções de solidariedade para angariar fundos e resgatar crianças.

Ao seu lado nesta que diz ser a missão da sua vida, a jornalista tem tido o apoio incondicional do marido, economista, o seu "braço direito e esquerdo", como diz. Foi durante um fim-de-semana na Amieira, Alentejo, em que se dedicou em exclusivo ao marido e aos filhos, que Alexandra partilhou com a CARAS como tem vivido entre a dureza do Gana e o carinho de uma família feliz.

- Recentemente, descobriu que gosta da vida no mar...
Alexandra Borges - Nós já vimos para cá há algum tempo e costumo dizer que dois dias aqui correspondem a um mês e meio de férias. É muito relaxante ter este contacto com a Natureza, dormir ao som dos grilos, acordar de manhã e ir comprar pão ainda a sair do forno.

- E toda a família gosta...
- Sim, os meus filhos adoram. Quando tivemos de voltar para casa, depois da primeira vez que cá viemos, os meus filhos só diziam: "Ó mãe, vamos pedir aos avós para nos darem muitas notas para podermos vir para aqui muitas vezes!", aqui somos mesmo uma família, temos de funcionar em conjunto. E é óptimo poder passar este tempo de qualidade com eles, longe de televisões e telemóveis, e vivermos uns para os outros, com os nossos defeitos e virtudes. O melhor que posso dar aos meus filhos é comer mundo, como eles dizem.

Alexandra Borges com o marido e os filhos
Alexandra Borges com o marido e os filhos
Mike Sergeant

- A Alexandra acabou de regressar de uma outra viagem ao Gana. Como consegue conciliar o jornalismo com o papel de mãe?
- Consigo com a ajuda do meu marido, sem dúvida. O Luís é o meu braço direito e esquerdo. E temos a sorte de agora ele estar a trabalhar em casa e poder acompanhar os miúdos. Há pouco tempo, os meus filhos disseram-me que a mãe gosta mais do jornalismo do que da família. É complicado ouvir os nossos filhos dizerem isto. Mas eu respondi-lhes que esperava que um dia eles gostassem tanto de fazer alguma coisa e que fossem tão felizes como a mãe é. Neste momento, ainda lhes faço muita falta, mas o pai consegue explicar-lhes o que é que a mãe está a fazer, indo à internet e mostrando-lhes onde é o Gana e o que eu estou a fazer.

- Nunca se culpabiliza por estas ausências?
- Não me culpabilizo e tenho a consciência tranquila. É importante eu ser uma pessoa feliz para poder fazer os meus filhos igualmente felizes. Não é egoísmo. A mãe é insubstituível e eu também não quero que ninguém me substitua. E acho que eles um dia vão olhar para trás e ver que nos momentos em que a mãe faltou estava a fazer aquilo que era importante. Eu explico-lhes que não os estou a trocar e que não estou a viajar de férias.

- Então o Luís é essencial para manter o equilíbrio familiar...
- O meu marido é um grande companheiro nesta viagem que é a nossa vida, um excelente pai e acompanha-me muito. A minha felicidade é ver que somos felizes. Os meus filhos costumam dizer: "Ó mãe, não troco esta família por outra!" O que mais me agrada é ver que os nossos filhos olham para os pais como exemplos.

A família
A família
Mike Sergeant

- Depois de dois anos, voltou ao Gana. Como foi esse regresso?
- Eu queria ter ido mais cedo, porque dois anos é muito tempo.Desta vez já sabia ao que ia e, sinceramente, não encontrámos nada assim muito diferente. O que mudou realmente foi a vida daqueles meninos que salvámos. E ver a evolução deles é extraor­dinário. Adquiriram brilho no olhar, brincam, são crianças, vão à escola... Mas fico sempre com a sensação de missão não cumprida, porque ainda há tanto para fazer... E isso dói. Levei dinheiro, sei que vamos conseguir manter mais crianças livres, mas ainda falta muito. Não há missões cumpridas, apenas algumas pequenas batalhas ganhas.

- Neste cenário que apela muito ao coração, é difícil separar a Alexandra jornalista do seu papel de mãe e de mulher?
- Misturam-se muito, porque olho para aquelas crianças e vejo que não tiveram as oportunidades que os meus filhos tiveram. Mas sei que estou lá para retratar aquela realidade e, se não conseguir fazer isso, também não estou a ajudar aqueles miúdos. No terreno, sou muito jornalista. Mas também choro, muitas vezes às escondidas.

- Pode dizer-se que é a reportagem da sua vida?
- É uma reportagem que marcou a minha vida e vou estar ligada a esta realidade para sempre, porque não me vou conseguir desligar de tudo o que vi. Eu tenho a obrigação de denunciar. Quando eu perguntei a um dos miúdos quem é que se preocupava com ele, fez um silêncio e respondeu: 'Deus preocupa-se comigo.' Foi um soco no estômago.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras