Nas Bancas

Andie MacDowell de visita ao Douro: "Sinto-me feliz por passar às outras mulheres uma imagem de confiança"

Aos 51 anos, a actriz e modelo americana continua a ser uma mulher de grande beleza. Numa conversa exclusiva com a CARAS, fez um balanço da sua vida e contou que ainda quer ser agricultora.

Andreia Guerreiro
26 de setembro de 2009, 11:35

Ícone de beleza em todo o mundo, Andie MacDowell esteve em Portugal pela primeira vez a convite do festival Douro Film Harvest e mostrou ser mais que uma cara bonita da moda, da televisão e do cinema. Plena de simpatia, amabilidade, humor, elegância, brilho e glamour, a actriz norte-americana, de 51 anos, conquistou todos os que tiveram oportunidade de falar com ela durante os cinco dias que passou no Norte. E a CARAS teve direito a alguns minutos do seu tempo. O profissionalismo de Andie mostrou-nos que estávamos perante uma estrela, mas, ao mesmo tempo, bastante perto da terra.Mãe de um rapaz e duas raparigas - Justin, de 23 anos, Rainey, de 20, e Sarah Margareth, de 14 -, do seu primeiro casamento, com Paul Qualley, um modelo que se tornou empreiteiro, a manequim, que ficou conhecida por vestir umas calças de ganga Calvin Klein muito sexy, dedica hoje a sua atenção à educação da filha mais nova, a única que ainda vive com ela. Mas, à CARAS, já adiantou o que pretende fazer quando Sarah Margareth sair de casa.

- Antes de vir para o Douro, passeou pelo Porto. O que é que conseguiu conhecer?
Andie MacDowell -
Fui a um jantar muito elegante [a convite da Sogrape e da Sandeman] e fiz várias provas de vinho do Porto. Gostei particularmente do vinho com 40 anos. A primeira impressão da cidade foi muito agradável e acho os portugueses muito simpáticos e charmosos.

- Veio para o Douro de helicóptero, mas antes ainda visitou os pilotos da Red Bull Air Race. É aventureira?
-
Aterrámos onde eles estavam por causa do mau tempo e, já que lá estava, fui conhecê-los. Aprendi muita coisa, mas aquilo não é para mim. Nunca experimentei andar naqueles aviões, nem irei fazê-lo, porque tenho medo das alturas. Voar de helicóptero ainda tolero, mas fazer aquelas acrobacias seria demasiado arrojado para mim.

Andie MacDowell
Andie MacDowell
Joaquim Norte de Sousa
- Já conhecia alguma coisa de Portugal?
-
Antes de vir, falei com um amigo que já tinha cá estado e ele disse-me para estar atenta aos azulejos. Durante o passeio que fiz de carro pelo Porto, consegui ver vários edifícios com azulejos e, de facto, são muito bonitos. É uma das recordações que levo. Assim como a beleza das margens do rio.


- Está habituada a receber prémios e no Douro Filme Harvest veio receber o CastaDouro Convidada Especial. Estas distinções são importantes para si?

-
É simpático receber prémios, mas relativizo a sua importância. Deram-me um César honorífico muito cedo, quando tinha apenas 39 anos, pelo conjunto da minha obra, e eu questionei-me se ficaria por ali. [risos] No caso do prémio que vim cá receber, vejo-o como uma distinção de carreira, não é relativo a nenhum momento específico. Portanto, agrada-me. Significa que já fiz filmes suficientes para ser reconhecida.


- Na sua idade, é um fardo muito pesado ser uma referência de beleza para as mulheres?

-
Sinto-me muito bem e feliz por poder passar às mulheres da minha idade uma imagem de confiança. Lá porque estamos a amadurecer, não quer dizer que descuremos a nossa imagem. Acima de tudo, temos de nos sentir bem. E o meu papel é encorajar as mulheres que, como eu, também amadurecem. Não estamos velhas! Temos valor, e o amadurecimento é positivo.


- Recuando 30 anos, quando se estreou no mundo da moda, era aqui que se imaginava hoje?

-
Conquistei mais do que alguma vez sonhei para mim. No outro dia dei por mim em casa do senador da Carolina do Norte a fazer um discurso. Em nenhum momento da minha vida me tinha imaginado naquela posição. Nunca pensei chegar tão longe, mas agora que aqui estou, tento dar o meu contributo a quem precisa. Estou muito ligada a acções de solidariedade, fazem todo o sentido na minha vida.


- Com três filhos, como é o seu dia-a-dia?

-
Só a minha filha mais nova, Sarah Margareth, é que ainda mora comigo, e é, neste momento, a minha grande preocupação. É nela que concentro as minhas atenções em casa. O meu filho mais velho, Justin, é licenciado em indústria de cinema, e a Rainey está a estudar representação.


Andie MacDowell
Andie MacDowell
Joaquim Norte de Sousa
- Herdaram de si o gosto pelas Artes? A Sarah Margareth também já demonstra vocação para o mundo artístico?

-
Eles saem a mim e ao pai, que também foi manequim e músico. Para além de estudar, a Sarah Margareth é uma bela bailarina. Dança muito bem e eu adoro ver os espectáculos dela. Também dancei quando era mais nova, mas nunca como ela.


- Em breve também a Sarah Margareth sairá de casa para continuar os estudos. Já pensou em como vai ocupar o tempo que agora lhe dedica?

-
Quero fazer agricultura biológica, meter as mãos na terra, dedicar-me à agricultura. Quem lida com a terra é mais feliz e tranquilo. Eu digo sempre isto a essas pessoas, mas elas continuam a achar que eu é que tenho uma vida boa. Elas são tranquilas e têm paz, e eu preciso desse equilíbrio na minha vida. Posso continuar a fazer filmes, claro, mas quando não tiver nada para gravar, quero concentrar-me na agricultura. Preciso desse equilíbrio para me sentir bem.


- Vive na Carolina do Norte, já está habituada ao campo...

-
Tenho um rancho e passo muito tempo rodeada de verde. Tenho lá cavalos e adoro estar em contacto com os animais. Quando criar a minha quinta, quero ter ainda mais animais e dedicar-me plenamente à terra. Plantar todo o tipo de alimentos e cuidar deles, vê-los crescer...


- É uma mulher feliz?

-
Sim, feliz e realizada!


- Já a vimos em filmes independentes e em blockbusters. O que gosta mais de fazer?

-
Filmes independentes que se transformam em
blockbusters
. [risos] E já tive a sorte de fazer dois,
Sexo, Mentiras e Vídeo
e
Quatro Casamentos e um Funeral
.


- Sexo, Mentiras e Vídeo ainda é um marco na sua carreira...
-
O filme mudou a minha vida. E a de muita gente que nele participou. Foi um sucesso incrível e inesperado!


- Já tem novos projectos?

-
Tenho dois filmes para estrear até ao final do ano nos EUA:
As Good as Dead
e
The 5th Quarter
. Interpreto personagens maquiavélicas e promíscuas, espero que as pessoas não me comparem! [risos] É curioso, mas o público quer sempre saber se há semelhanças entre o que somos e o que interpretamos.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras