Nas Bancas

Cláudia Chéu fala do amor feliz ao lado de Albano Jerónimo: "Já me sinto casada"

A actriz partilhou com a CARAS os seus projectos profissionais e os sonhos pessoais que quer realizar.

Andreia Guerreiro
14 de setembro de 2009, 11:37

Nas páginas das revistas, Cláudia Chéu, de 31 anos, tem aparecido, na maior parte das vezes, como a namorada do actor Albano Jerónimo, de 30. Mas a actriz é muito mais do que isso. No liceu descobriu a paixão pela representação. Como faz sempre, lutou por realizar esse sonho e entrou no Conservatório, onde, aliás, conheceu o actor, com quem namora há oito anos. Com a aprendizagem chegaram os trabalhos, sobretudo em teatro. Anos mais tarde, surgiu a oportunidade na televisão, em Morangos com Açúcar, onde vestiu a pele de um rapaz. Foi este papel que lhe trouxe o mediatismo. Discreta, Cláudia não procura protagonismos e admite que o mais importante é deixar a sua marca não enquanto pessoa, mas enquanto artista. Entre a encenação, a direcção de actores e a escrita - a actriz escreveu a peça Poltrona, que vai subir novamente ao palco no final do ano -, Cláudia sente-se uma mulher realizada.

- Encena, escreve, representa. Pode dizer-se que é uma artista completa...
Cláudia Chéu -
A minha escolha pela representação foi muito intuitiva. O que desde sempre me atraiu foi a parte da criação, da composição da personagem. Mas depois tive a oportunidade de experimentar a assistência de encenação e a direcção de actores, e fiquei fascinada. Sempre escrevi para a gaveta, mas quando surgiu a oportunidade, apresentei a Poltrona. Em Portugal, quase não há dramaturgia contemporânea... E o próximo passo é tentar publicar as peças que escrevo.

- Faz escolhas por intuição?
-
Não. Sou muito racional. Acho que sou assim em tudo na minha vida. Não sou nada aventureira. Quando dou um passo, gosto de ter a certeza de que as coisas vão andar para a frente.

- Viver tanto para o trabalho não cria desequilíbrios na sua vida pessoal?
-
Sei que sou um bocado workaholic, mas adoro o que faço. Às vezes sinto que tenho de parar, mas esses são os momentos de desemprego.

Cláudia Chéu
Cláudia Chéu
Mike Sergeant
- Para uma pessoa tão racional, não deve ser fácil lidar com a instabilidade desta área...
-
São momentos complicados para qualquer actor. Mas nunca pensei desistir ou mudar de rumo. Os resistentes ficam. Temos de ser persistentes e ter uma grande convicção em nós próprios.


- Tem optado por papéis sem grande projecção mediática. Não gostaria de ter mais protagonismo?
-
Não há nada de vaidade em mim. O protagonismo não me interessa. O que quero é ter alguma coisa para dizer enquanto artista, não como pessoa individual.


- O seu namorado é bastante conhecido. Lidam bem com a diferença de protagonismo que existe entre vocês?
-
Claro, isso nunca foi um problema. Apoiamos sempre os projectos um do outro.


- Parecem ser um casal harmonioso...
-
Somos um casal normal. Acima de tudo, somos amigos, e acho que a nossa relação vive muito dessa cumplicidade.


- O casamento já faz parte dos vossos planos?
-
Nós não temos nenhuma ideia de casamento. Já falámos sobre isso algumas vezes, mas não temos nenhuma data. É um projecto para concretizar... Casar não é nada importante. É apenas uma festa para viver com os familiares e amigos. Casados já nós somos. Já me sinto casada.


- E ter filhos também faz parte dos planos?
-
Quero ser mãe brevemente... Não tenho uma data para isso acontecer, é um projecto para concretizar a médio prazo.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras