Nas Bancas

Wanda Stuart: "Só posso voltar a ser mãe se tiver um contrato milionário"

Juntos há cinco anos, a cantora e o produtor continuam a dizer que é juntos que a vida faz mais sentido. Apesar de ambos terem vontade de voltar a passar pela experiência da paternidade, não fazem planos para que isso aconteça.

Melissa Tavanez
5 de setembro de 2009, 18:31

Actualmente, é no papel de Edith Piaf que sobe ao palco, dia sim dia não, no Teatro Politeama, mas é como Wanda Stuart, e junto do marido, Nélson Cabrita, e da filha, Eva, de três anos, que se sente realmente feliz e realizada. Foi sem o cabelo azul, sua imagem de marca durante anos, que a cantora conversou com a CARAS durante uma tarde passada no Estoril, visto que este ano as férias tiveram de ser adiadas, e explicou como tem sido esta nova fase da sua vida.

- Com esta peça, tem agora menos tempo para a família...
Wanda Stuart - É verdade. Este ano nem tenho férias, mas como só vou para o teatro à noite, dá para fazer praia durante o dia. Felizmente, tem dado para conciliar tudo.

- O papel de Piaf foi uma boa surpresa?
- Foi uma dádiva. Fui surpreendida com este papel, mas acho que a vida me foi preparando para ele. Estávamos com algum receio, por termos estreado em Lisboa nos meses de Verão, mas felizmente temos tido sempre casa cheia, o que para mim é muito gratificante.

- Para que esta fase corra ainda melhor, certamente tem de haver bastante equilíbrio na sua vida pessoal e compreensão do Nélson e da vossa filha em relação às suas ausências...
- Completamente, eles têm compreendido e incentivado este trabalho. Mesmo a minha filha, apesar da idade, compreendia perfeitamente quando estávamos em fase de ensaios e mal me via, pois trabalhávamos cerca de 15 horas por dia. Desejava-me sempre bom trabalho e mandava beijinhos para todos, que é algo que ela diz muitas vezes. [risos] Tudo isso foi fundamental na fase inicial.

- Aceita bem as críticas?
- Perfeitamente, desde que sejam construtivas e que venham de pessoas que saibam o que estão a dizer. Quando isso não acontece, filtro o que me dizem e guardo o que acho importante para evoluir no meu trabalho. Como meu produtor, além de meu marido, o Nélson é o meu maior crítico, e como tem uma grande sensibilidade e me conhece muito bem, percebe quando posso fazer melhor ou seguir outro caminho. É ele quem mais oiço.

Wanda Stuart com a filha, Eva
Wanda Stuart com a filha, Eva
Luís Coelho

- Quando está a preparar-se para um papel, consegue estar rodeada da família, ou tem de estar isolada?
- Treinei muito a minha memória, que é imediata, e basta-me ler um texto uma ou duas vezes. E como não tenho muita disponibilidade para estar com a Eva, gosto de aproveitar todos os momentos que posso para brincarmos juntas. Quando tenho uma parte do texto que é mais trabalhosa, estudo-o quando ela já está a dormir, para não roubar o tempo que é dela. É que sempre que estou longe deles, por menor que seja o tempo, morro de saudades.

- Sente que perdeu algumas das graças dela durante esta fase?
- Se isso acontece, o pai conta-me. E agora que a peça está em cena, já tenho mais tempo para ela, estamos juntas o dia todo.

- A Wanda parece ser uma mulher muito apaixonada e empenhada em tudo o que faz...

- [risos] É verdade, mas para isso também é importante fazer-se o que se gosta. Ajuda a manter a paixão. E a verdade é que me realizo sempre que subo a um palco.

- E tem vontade de ser mãe novamente?
- Vontade tenho, pois adorámos a fase da gravidez e queríamos muito ter outro filho, mas nesta profissão é complicado. Se acontecesse, adorava, e jamais abdicaria disso, mas nesta altura não dava jeito nenhum. Esta também é uma profissão incerta e insegura e, por isso, só poderia voltar a ser mãe se tivesse um contrato milionário.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras