Nas Bancas

Madalena e Luís Ahrens Teixeira: Um casal que vive sem medo de mudanças

Depois de 12 anos dedicados ao remo, o antigo atleta mudou-se para o Alentejo para realizar um sonho antigo na área hoteleira. Ao seu lado tem tido sempre a mulher, o seu principal apoio.

Melissa Tavanez
17 de agosto de 2009, 19:00

Luís Ahrens Teixeira, de 35 anos, sempre viveu em função dos seus sonhos. Apaixonado pelo remo, o antigo atleta dedicou mais de uma década da sua vida aos horários e ritmos rigorosos que a alta-competição exige. Depois dos campeonatos, Luís continuou ligado a esta modalidade, mas de outra maneira. Actualmente gere a Herdade da Cortesia Hotel, em Avis, uma unidade hoteleira que acolhe várias equipas internacionais de remo durante os seus estágios. Entregando-se totalmente a este novo projecto, o empresário deixou a sua vida em Lisboa e mudou-se para o Alentejo. De sonho em sonho, Luís tem contado sempre com o apoio incondicional da mulher, Madalena, de 27 anos. Desde os tempos de namoro que a advogada tem vivido também as aventuras do marido, abdicando, por vezes, dos seus projectos profissionais. Foi sobre uma vida em que os sacrifícios e alegrias são sempre vividos a dois que falámos com este casal, para quem o casamento continua a ser o projecto mais importante de todos.

- A sua vida tem sido dedicada aos seus projectos profissionais. Como concilia isso com o casamento?
Luís - Tenho conciliado com algum desequilíbrio. O que me tem valido tem sido o apoio inacreditável da minha mulher. Mas agora chegou a minha vez de suportar os sonhos da Madalena, que acabam também por ser os meus sonhos.

- Durante 12 anos foi atleta de alta-competição. Nunca se sentiu sufocado por uma vida tão rígida?
- Não, porque aquele estilo de vida é viciante. Era uma vida muito metódica e disciplinada, e eu gosto disso. Gosto de ter uma vida com objectivos e, para os cumprir, temos de ter regras. E acontece o mesmo hoje em dia com o hotel. É preciso fazermos sacrifícios.

O casal
O casal
Catarina Larcher

- Desde que começou a namorar com o Luís, aos 17 anos, que os sacrifícios dele também têm sido um bocadinho seus...
Madalena - Sim... Os sacrifícios dele acabaram por ser os meus. Aprendi a ceder e a adaptar as minhas expectativas. Quando o Luís praticava remo, tinha de perceber as ausências dele e tivemos de construir um namoro à distância. Vivíamos em função da vida do meu marido. E agora acaba por ser um bocadinho a mesma coisa. Sempre vivi em Lisboa e agora deixei tudo para vir para o campo. É difícil, mas também dá muito gozo tentar conciliar os nossos dois mundos.

- Não será um bocadinho egoís­ta estarem a construir uma vida em fun­ção dos seus sonhos?
Luís - Sim, tenho sido egoísta. Por isso é que sinto necessidade de mudarmos de atitude e de ser eu a ajudar a Madalena a realizar os seus projectos.

- E por que quer mudar de atitude?
- Os projectos têm sido tão exigentes em termos de tempo que às vezes esquecemo-nos de olhar para quem está connosco. E quando trabalhamos muito, sentimos necessidade de voltar a apreciar as coisas simples da vida, que são, muitas vezes, as mais importantes. E o meu casamento é a minha prioridade.

- Pode dizer-se que a dedicação da Madalena à sua vida é uma prova de amor...
- É uma grande prova de amor e é também um mistério, não sei como é que a minha mulher tem aguentado viver há onze anos em função dos meus projectos.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras