Nas Bancas

Juntos há um ano e meio, Pedro Couceiro e Maria Ricciardi revelam que sonham casar-se e ter filhos

O piloto e a relações-públicas já fazem planos de futuro. Desta nova fase fazem também parte a filha de Pedro e os dois filhos de Maria, com quem estiveram no Zoomarine.

Andreia Guerreiro
16 de agosto de 2009, 10:04

Conheciam-se há doze anos, mas só há um ano e meio Pedro Couceiro, de 39 anos, e Maria Ricciardi, de 34, se reencontraram e viram algo mais um no outro. A esta nova fase juntaram-se ainda os filhos, fruto de anteriores relações. A relações-públicas na área da medicina estética é mãe de Luís, de nove anos, e Manuel, de sete, e o piloto é pai de Inês, de três anos. Foi durante um dia passado no Zoomarine que os dois conversaram com a CARAS, contaram como têm encarado o alargamento da família e revelaram o desejo de se casarem e terem filhos.

- Quando se reencontraram, a mudança de sentimentos foi imediata?
Pedro Couceiro - Da minha parte, sim.
Maria Ricciardi - Da minha também... As coisas vão evoluindo.

- Foi fácil a habituação a uma família de cinco? Principalmente em férias, a logística deve ser diferente...
Pedro - Completamente, se bem que a Maria vem com uma experiência de dois filhos e eu de um. Em geral adaptamo-nos bem uns aos outros e é uma vida muito mais movimentada. [risos] Hoje em dia somos uma família de cinco, com o que isso tem de bom e de mau.
Maria - Para mim, não faz diferença alguma, dois ou três é igual. Claro que a Inês tem ritmos e horários diferentes dos deles, mas tem-se habituado e adaptado a eles sem grande problema.
Pedro - Eu tenho, por exemplo, um ritmo parecido com o do Luís, que acorda tão cedo como eu, a Inês tem uma energia reveladora da idade que tem e a Maria é mais enérgica ao final do dia. Tudo isso faz com que sejamos uma família que se completa.

Pedro Couceiro e Maria Ricciardi com os filhos
Pedro Couceiro e Maria Ricciardi com os filhos
Natacha Brigham
- São essas diferenças que acabam por equilibrar a relação?
-
Acho que sim, acabamos por nos equilibrar, e é também por isso que nos damos tão bem.


- São muito diferentes um do outro?
Maria -
Somos diferentes em tudo, mas acho que é isso que também faz com que resulte tão bem, pois um compensa o outro. Evoluímos muito um com o outro, pois adaptamo-nos mutuamente.


- De certa forma, as vossas diferenças acabam por ser as vossas semelhanças.
Pedro -
Acho que acabam por se tocar. Somos ambos um pouco teimosos, mas depois também cedemos facilmente. Há sempre uma troca de ideias que acaba por nos abrir novos horizontes e fazer-nos ver as coisas de outra forma.


- Devido à sua profissão, o Pedro tem de estar algum tempo ausente. A Maria já se
habituou a isso e aos perigos inerentes à profissão de piloto?

Maria -
Ao perigo não me habituei nem me vou habituar nunca. Quanto às ausências, acho que são normais, fazem parte da vida e do trabalho dele. Às vezes até dá jeito, aumenta as saudades. [risos]


- Para o Pedro também será importante ter alguém a seu lado que entenda a sua profissão...
Pedro -
Só poderia ser assim, caso contrário, entrávamos em conflito, pois não posso largar a minha actividade profissional de um dia para o outro. A Maria não seria com certeza a pessoa que é, ideal para estar a meu lado, se não gostasse e não compreendesse o que faço, da mesma maneira que compreendo também muitas coisas da forma de ser e de estar da Maria. Por muito que se queira, não pode haver uma adaptação sem compreendermos e respeitarmos o que o outro faz.


- Estas são as primeiras férias em família?
-
Não, já temos tirado uns dias ao longo do ano, como aconteceu na Páscoa, quando viemos também para o Algarve. Também não posso considerar que sejam férias, pois ainda há uns dias estive numa acção com o Manuel Gião e o nosso patrocinador aqui no Autódromo do Algarve.


- Não consegue ter férias somente dedicadas à família?
-
Consigo. Nós estamos cá há uma semana e só estivemos afastados nessa ocasião. Claro que preciso de pelo menos uma hora por dia para estar ao telefone a resolver algumas coisas, mas estamos juntos. Em Novembro, quando acabar o campeonato, aí sim, serão férias, mas provavelmente a dois, pois os meninos já estarão na escola.


- Sentem que é importante fazerem férias a dois?
-
Claro que sim. É muito importante para o equilíbrio de um casal.

Maria -
As crianças absorvem-nos muito e quando estamos os dois acabamos por ter realmente tempo a dois.


- Qual é o mais romântico?
Pedro -
Sem dúvida que sou eu. [risos]

Maria -
[risos] O que também nos completa.


- Faz parte dos vossos planos casarem-se e terem filhos?
Pedro Couceiro e Maria Ricciardi com os filhos
Pedro Couceiro e Maria Ricciardi com os filhos
Natacha Brigham
Pedro -
Com certeza que sim, quando duas pessoas se dão bem como nós, faz parte da evolução da relação. Todos nós, quando deixamos de sonhar, acabamos por não ter mais nada. É o sonho que nos move e claro que sonhamos com dezenas de situações na nossa vida, como casar e ter filhos. A Maria e eu temos toda uma vida de sonhos à frente e não vamos deixar de fazer nada porque algo possa não ter corrido bem anteriormente. Vejo a vida como um dia a seguir ao outro.

Maria -
Temos tanto para fazer e para sonhar e eu penso sempre em imensas coisas para fazermos juntos... O Pedro está sempre a dizer que tudo o que planeio para nós, como as viagens, é humanamente impossível. [risos]


- Sentem que a vossa relação vos rejuvenesceu?
Pedro -
Muito. Sinto-me um miúdo e a Maria veio ajudar-me a ver a vida de outra forma. Quando estamos plenamente felizes, os sonhos ganham uma dimensão tal que nos sentimos mais jovens.


Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras