Nas Bancas

Herman José, Raul Solnado e Nicolau Breyner

Herman José, Raul Solnado e Nicolau Breyner

Arquivo Impresa

Edição especial Raul Solnado - A carreira

Teatro, cinema, televisão e rádio. Em todos os registos se notabilizou.

Andreia Guerreiro
16 de agosto de 2009, 12:27

"Tive uma vida louca e dura, mas saborosíssima", disse Raul Solnado em Fevereiro último, na Maratona do Humor, emissão da SIC em que assumiu que o seu coração estava "preso por um fio". O tempero que deu sabor a essa vida ficou a devê-lo em boa parte ao facto de ter canalizado a sua saudável dose de loucura para uma carreira que abrangeu todos os registos: teatro, televisão, cinema, rádio. A felicidade era a maior ambição do comediante, e esta é indissociável do riso. Mas Solnado não era egoísta, e gostava de partilhar o riso. Foi o que fez durante quase sessenta anos, marcando uma época do humor em Portugal. Sucessor de nomes como António Silva, Vasco Santana ou Alves da Cunha, introduziu um novo género: o monólogo carregado de nonsense a que muito mais tarde se chamou stand up comedy.

O primeiro grande sucesso conhece-o em 1962, quando, em plena Guerra do Ultramar, ousa apresentar numa revista A Guerra de 1908, um monólogo surreal que a censura deixou passar e que os portugueses aprenderam de cor. O êxito foi tal que teve repercussão no Brasil, onde vivera um estrondoso fracasso em 58.

Conquistado o país irmão, onde descobriu os teatros de bolso, Raul regressou a Portugal com o sonho pioneiro de aqui criar um. Endividou-se, mas concretizou esse sonho, com a inauguração, em 64, do Teatro Villaret, de que foi empresário e director até 1970.

Em 1969, na primavera marcelista, marca a história da televisão portuguesa em parceria com Carlos Cruz e José Fialho Gouveia, no primeiro talk show feito entre nós. O famoso Zip Zip, que durou meio ano, ainda hoje é recordado por todos os que, à segunda-feira à noite, se sentavam religiosamente em frente do ecrã a preto e branco onde aqueles três comunicadores talentosos faziam rir, mas também falavam de temas sérios.

Em 77, o nome de Raul Solnado volta a estar ligado a mais um estrondoso êxito televisivo, A Visita da Cornélia. Neste concurso, que revelou os talentos criativos de muitos portugueses anónimos, teve novamente a seu lado o amigo Fialho Gouveia.

Em 88, o comediante teria pela primeira vez a honra de subir ao palco do D. Maria II, pela mão de outro amigo, Varela Silva, encenador de O Fidalgo Aprendiz. Ao Nacional voltaria com La Féria em As Fúrias, de Agustina Bessa-Luís, dois anos depois de ter passado pelo S. Carlos, na ópera O Morcego, de Johan Strauss.

Conversas à Solta, que estreou em 2002, na Guilherme Cossoul, levou-o a vários pontos do País nos últimos anos. Neste espectáculo de despedida, disse adeus ao público contando histórias da sua carreira e do teatro. Uma despedida perfeita.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras