Nas Bancas

José Maria Tallon: "Quando se termina uma relação, não há somente uma razão"

O médico espanhol fala pela primeira vez da separação de Sofia Ribeiro, com quem esteve casado quatro anos.

Andreia Guerreiro
15 de agosto de 2009, 18:33
José Maria Tallon
, de 50 anos, acaba de assumir que está separado de
Sofia Ribeiro
, de 30, com quem partilhou a sua vida durante sete anos, quatro deles casados. Ao seu lado, como tem acontecido em todos os momentos difíceis da sua vida, tem os filhos:
Carminha
, de 24 anos, e
Pepe
, de 22, do seu primeiro casamento, com a espanhola
Carmen Comino
,
Eduardo
, de 16,
Beatriz
, de 12, e
Rafael
, de dez, da união com
Catarina Fortunato de Almeida
. O casal esclarece, no comunicado que enviou à imprensa, que mantém a amizade, até porque, embora Sofia esteja na Suíça, continuam a trabalhar juntos. A verdade é que não há papéis assinados e o comunicado não coloca de parte a possibilidade de uma reconciliação.


- Nas últimas semanas, tem-se falado muito do Zé Maria e da Sofia...
José Maria Tallon -
Que ideia! [risos] Como se sabe, já não estamos juntos e decidimos fazer um comunicado, pois continuamos amigos.


- Há uma razão para a separação?
-
Penso que quando se termina uma relação, não há somente uma razão. Há tantas relações que acabam... E a nossa começou e acabou.


- Também se tem dito na imprensa que a relação da Sofia com os seus filhos não era a melhor e que eles estão felizes com este desfecho...
-
Nada disso tem fundamento, são apenas especulações. O direito de inventar e de usar fontes anónimas é um direito repugnante, pois é uma forma de se dizer o que se pensa deitando a culpa aos outros. Eu não preciso de fontes anónimas, quando digo que estou separado, é porque estou, e quando dizia que não estava, era porque realmente não estava. Agora estou e comuniquei-o por escrito, para que não haja dúvidas.


- Neste caso, os seus filhos são a sua maior preocupação?
-
Claro que sim. Com certeza que eles não gostaram do que se disse, pois não são tidos nem achados, esta é uma questão minha e da Sofia. Como é natural, eles estão felizes quando o pai está feliz e tristes quando o pai se sente triste. De qualquer maneira, a relação deles com a Sofia sempre foi boa.


José Maria Tallon com os filhos
José Maria Tallon com os filhos
Mike Sergeant
- Dizem no comunicado que mantêm a amizade.
-
Sim, tanto que a Sofia continua a trabalhar comigo, na parte internacional da clínica.


- Isso faz pensar que a relação acabou por circunstâncias da vida e não por incompatibilidades...
-
É verdade. A amizade é o sentimento mais puro que existe. Entendo que quando isso existe, as pessoas devem ser suficientemente inteligentes para a conservar. Continuo amigo da minha primeira mulher, com o tempo também o serei possivelmente da Catarina, não teria por que não ser amigo da Sofia.


- Entretanto, já começaram a atribuir-lhe namoradas, entre elas a Raquel Broegas.
-
Isso é inevitável. As pessoas pensam sempre que para um relacionamento acabar tem de haver o envolvimento de terceiros, e a verdade é que quase nunca é assim. Normalmente, as separações acontecem porque a relação já não funcionava. Penso que essa notícia tem que ver com o facto de a Raquel ser uma das imagens da minha clínica. Disseram esse nome como poderiam ter dito qualquer outro.


- Isso preocupa-o?
-
Não, todos sabem que levo as coisas com desportivismo. É óbvio que preferia que a minha vida privada fosse um pouco mais privada - não vou dizer que queria que fosse totalmente privada, pois caso contrário não estaria a dar esta entrevista. Não sou daqueles hipócritas que mantêm a vida privada ou não conforme lhes interessa. Desde o momento que dei a primeira entrevista, sabia que fazia parte desse jogo, não sei se hoje faria o mesmo, mas não me arrependo. Por isso, quando comecei a namorar com a Sofia, resolvi logo apresentá-la, essa é a minha forma de estar, e no dia em que voltar a ter alguém, é óbvio que não a vou esconder.


- Já foi casado três vezes e todas essas relações terminaram. Acha que se vai tornar mais céptico em relação ao amor?
-
Acho que há dois tipos de pessoas: as que acreditam na vida e as que não acreditam. É óbvio que sou dos que acreditam na vida e não fecho portas, abro, isso sim, janelas. Obviamente que com a minha idade se diminuem as possibilidades de encontrar alguém, [risos] mas claro que as minhas portas estão abertas a todas as possibilidades. Tenho um equilíbrio muito grande, que são os meus filhos, e quem me conhece sabe que eles são a minha prioridade e que de pouco mais preciso. Um facto é que se não acreditasse no amor, não me teria casado três vezes.


José Maria Tallon com os filhos
José Maria Tallon com os filhos
Mike Sergeant
- Tê-los a seu lado nesta fase é fundamental...
-
Nesta fase ou em qualquer outra, importante é estar sempre junto deles. Se não tivesse os meus filhos, não lutaria como luto, mesmo a nível profissional, já me teria reformado. O facto de ver que eles estão bem e que tenho feito um bom trabalho, dá-me imensa vontade de seguir em frente. Considero que tenho uma vida familiar muito preenchida.


- Essa visão optimista da vida deve tornar mais fácil enfrentar uma nova separação...
-
É público que tive alguns problemas pessoais e profissionais ao longo da minha vida e mesmo assim continuo optimista, embora alguns me considerem inconsciente. Adoro a vida e sou um lutador.


- Sente que esgotou todas as hipóteses com a Sofia para estarem juntos?
-
Não sinto nada além do que está no comunicado. O futuro não sei qual é.


- Não põe então de parte a hipótese de uma reconciliação?
-
Com certeza que não ponho nem tiro nada. O que se vai passar no futuro, como é óbvio, não sei. Esse é o nosso sentimento hoje, qual será daqui a seis meses, não sei.


- Na última entrevista que deu à CARAS, o ano passado, aqui em casa, disse que jamais viveria uma vida de fachada. Nunca sentiu a tentação de esconder esta separação por algum tempo?
-
Quem me conhece, sabe, pela minha frontalidade, que não faz parte do meu feitio viver uma vida de faz de conta. É óbvio que poderíamos ter mantido as coisas, mas nem eu nem a Sofia somos de fachadas e, por isso, decidimos enfrentar a situação e esclarecê-la.


- Como definiria a fase que está a viver actualmente?

- Tomo sempre decisões com tranquilidade, e isso manifesta-se em mim. Se este era o desenvolvimento que queria? É óbvio que não, mas tenho aprendido que a vida continua.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras