Nas Bancas

Cláudia Jacques: "Quando sinto que uma relação não vale a pena, deixo de investir"

Foi na companhia das filhas, dos pais e dos sobrinhos que a relações-públicas passou uns dias de férias no Algarve. Aos 44 anos, Cláudia mantém uma boa forma invejável.

Melissa Tavanez
3 de agosto de 2009, 11:54

Dona de uma beleza invejável, Cláudia Jacques, de 44 anos, não esconde que se sente bem consigo própria, como mostra ao lado das duas filhas, Mafalda, de 14 anos, e Carolina, de nove, cujo nascimento, confessa, a fez sentir-se ainda mais mulher. Depois de terminada a relação com Ricardo Oliveira, Cláudia parece ter-se reconciliado com Ricardo Trêpa. O namoro data de 2004, mas passou por várias separações e recomeços. Foi sobre o fim da relação com o gestor, mas também sobre a eventualidade de um recomeço com o neto de Manoel de Oliveira, que a relações-públicas conversou com a CARAS.

- Depois desta época, as suas filhas ainda irão de férias com os respectivos pais. É uma separação que lhe custa?
Cláudia Jacques - Não. Faz-me muito bem e a eles também. Os pais delas também têm saudades e vontade de estar com elas a tempo inteiro e para mim é bom perceber que eles mantêm essa cumplicidade e estão muito presentes na educação delas e no seu dia-a-dia. E eu acabo por ter umas pausas só para mim.

- Como é que elas e os seus pais reagiram ao facto de ter sido capa da Playboy? Pediu-lhes opinião antes de aceitar?
- Perguntei aos meus pais e à Mafalda. Os meus pais deram-me imenso apoio e a verdade é que eles preferiam que não o fizesse, pois vivemos num país muito preconceituoso e tinham receio das consequências que isso poderia ter na minha vida. Mas a partir do momento em que eu achava que era um desafio interessante e de alguma forma também era um elogio, já que tenho 44 anos, entenderam e apoiaram-me.

Cláudia Jacques com as filhas, Mafalda e Carolina
Cláudia Jacques com as filhas, Mafalda e Carolina
Salvador Colaço

- E gostaram do resultado?
- Sim, e eu também. Nem sempre gosto de me ver nas fotografias, mas naquelas gostei muito. Tive um retorno fantástico e nem tive conhecimento das críticas menos positivas que terão acontecido.

- Sente que serviu de exemplo às mulheres da sua idade?
- Há pessoas que acham que uma mulher da minha idade e com filhos não pode fazer um determinado número de coisas e esquecem-se que uma pessoa é mulher até morrer e que acumula a função de mãe. Houve um período da minha vida em que estava mais dedicada à família, à educação das minhas filhas. Hoje estão quase criadas e deixam-me mais espaço e tempo para mim e para ter prazer em ser mulher. Não tenho vergonha e nem acho que seja vergonha nenhuma para elas.

Cláudia Jacques
Cláudia Jacques
Salvador Colaço

- O aspecto exterior é importante?
- Claro que sim, e é saudável que assim seja. Uma mulher que se sinta bem consigo própria tem meio caminho andado para o sucesso. Cuidar e gostar de mim é também uma mensagem de valorização que estou a passar às minhas filhas.

- Há algum tempo que a Cláudia não assumia uma relação como fez com o Ricardo Oliveira. Pouco depois, o namoro terminou...
- A única situação em que possa ter de facto assumido foi quando aparecemos de mão dada, porque da minha boca nunca saiu nenhuma declaração. Eu não queria assumir, pois é preciso um tempo para as pessoas se conhecerem e perceberem se a relação tem ou não futuro.

- Percebeu, então, que não havia essa ligação?
- Sim, percebi que não tinha pernas para andar. Mas da mesma maneira que não queria fazer nenhum comentário na altura, não quero fazer agora.

A relações-públicas
A relações-públicas
Salvador Colaço

- Por aquilo que percebo, a Cláudia é o tipo de pessoa que quando se empenha numa relação, entrega-se de corpo e alma. Fica triste quando não resulta?
- Claro que sim. Fico triste, mas tento não deixar que as coisas evoluam demasiado. Quando sinto que uma relação não vale a pena, deixo de investir.

- Parece ter-se reaproximado do Ricardo Trêpa...
- Independentemente de tudo, sempre fomos amigos ao longo destes anos. Sempre me dei bem com o Ricardo, não escondemos a amizade que temos um pelo outro e não temos qualquer problema em estarmos juntos e conversarmos normalmente.

- E são ou não namorados?
- [Silêncio].

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras