Nas Bancas

Andreia Vale e Nuno Santos: "O Pedro remata com chave de ouro a nossa história"

A jornalista, de 30 anos, e o director de Programas da SIC, de 41, dizem que Pedro, de nove meses, tem sido sempre um bebé tranquilo e admitem voltar a ser pais, de preferência de uma menina.

Melissa Tavanez
28 de julho de 2009, 19:31

No dia 20 de Julho, Andreia Vale e Nuno Santos celebraram dois anos de casamento. No dia 27, o primeiro filho em comum, Pedro, fez dez meses. Uma e outra data são, "apenas", dois momentos marcantes nos quase três anos que já partilharam: começaram a namorar em Janeiro de 2007, casaram-se seis meses depois e o bebé nasceu em Setembro do ano seguinte. Pelo meio, Nuno deixou a RTP e assumiu a Direcção de Programas da SIC.
Por tudo isto, o tempo parece ter parado durante a produção fotográfica feita para a CARAS, em que Pedro foi a estrela da tarde. Ausente deste retrato de família esteve o filho mais velho de Andreia, Afonso, de seis anos, fruto da sua anterior relação, com o jornalista Carlos Rodrigues.

- Como têm sido estes quase dez meses da vida do Pedro?
Andreia Vale - Pouco mudou nas nossas vidas, tendo em conta que chegou uma nova pessoa lá a casa. Desde que nasceu, o Pedro foi sempre um bebé muito tranquilo. Costumamos dizer que por encomenda não nos teria saído melhor! Claro que agora, com a chegada aos nove meses, está um "furacão". Gatinha muito depressa, põe-se em pé sozinho e não pára sossegado um segundo.
Nuno Santos - Estes nove meses foram muito bem passados, aproveitando intensamente o melhor e seguindo com entusiasmo as novidades do Pedro, que são quase a um ritmo diário.

- Costuma-se dizer que ser pai é algo que não se consegue explicar, mas que se imagina como extraordinário. Hoje, consegue descrever esse sentimento?
- Podia tentar, talvez conseguisse, mas sei que nunca expressaria o meu verdadeiro estado de alma. Por alguma razão, é melhor manter o "mistério" de certos sentimentos.

O casal com o filho
O casal com o filho
João Lemos
- Implica outro tipo de responsabilidade? Olha-se para a vida de uma outra forma?
-
Acho que é preciso ser prático. Claro que o facto de haver um pequeno ser que depende totalmente de nós significa outros cuidados. Mas nós procuramos sempre desdramatizar as questões e apelar ao melhor da vida. Sinto que seremos melhores pais se formos como somos e não de outra forma.


- Andreia, seis anos depois do nascimento do Afonso, como tem sido esta segunda experiência?
Andreia - Uma revisão da matéria dada! Considero-me uma mãe responsável, mas muito tranquila e descontraída. E com um segundo filho, tudo é mais fácil e, logo, tudo muito melhor. Como sou uma pessoa muito prática, acho esta profissão de mãe uma das melhores do mundo. Nada para mim é complicado. E tenho dois parceiros fantásticos, porque o Nuno também é des contraído e o Afonso é o melhor irmão mais velho do mundo. Todos, incluindo família e amigos, ajudam-me imenso e têm feito do Pedro um bebé muito feliz, logo a mãe também fica feliz. Tenho feito todos os esforços para registar em fotografia, ou apenas escrevendo, todos os momentos e evoluções do Afonso e do Pedro. A memória prega partidas e quero poder lembrar-me das melhores coisas daqui a uns anos.

- E o Nuno enquanto pai? Estraga o Pedro com mimos?
- É um pai muito orgulhoso do filho que tem e gaba-se bastante das qualidades do rapaz, [risos] mas a prova de fogo vai ser quando tivermos que o educar à séria. Aliás, essa fase vai começar agora, quando ele chegar ao ano.
Nuno - Acho que vai correr bem, sinceramente. Agora, por mais que falemos com os amigos e com os pediatras, por mais informação que tenhamos, é preciso lembrarmo-nos do que é a natureza humana, das diferenças, do que muda à nossa volta. É um desafio!

Pedro
Pedro
João Lemos
- Sentem que o nascimento do Pedro veio reforçar a vossa união?
Andreia -
Veio, por assim dizer, rematar com chave de ouro a nossa história. Entre o dia em que começámos a namorar e o dia do nascimento do Pedro, com o nosso casamento pelo meio e a mudança do Nuno da RTP para a SIC, passou pouco mais de ano e meio... Até se pode dizer que foi rápido, mas nós achamos que foi a ordem natural das coisas. Operações bem sucedidas, realizadas em pouco tempo.


- Sentem-se mais unidos?
- Sinto-me mais responsável. Tenho (temos) dois filhos, por quem temos de fazer tudo para que sejam felizes, saudáveis e pessoas bem formadas.
Nuno - Sim, isso é o essencial. Por vezes sentimos falta de tempo para nós, mas nada é tão reconfortante como vê-los crescer.

- Faz parte dos vossos planos de vida ter mais filhos?
Andreia - Gostar, gostávamos, mas não podemos nesta altura das nossas vidas dizer com certeza absoluta que vamos, ou não vamos, ter mais um filho. Depende de muita coisa.
Nuno - A Andreia merece uma menina. E eu também, já agora. [risos] O Pedro foi muito desejado, mas não foi um bebé programado. Vamos deixar que o tempo ponha as coisas no seu lugar.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras