Nas Bancas

O comandante Neil Armstrong e os pilotos Michael Collins e Edwin Buzz Aldrin imortalizados com os seus fatos espaciais com a Lua como cenário

O comandante Neil Armstrong e os pilotos Michael Collins e Edwin Buzz Aldrin imortalizados com os seus fatos espaciais com a Lua como cenário

D.R.

Os 'descobridores' da Lua: Há 40 anos, três heróis iniciavam uma nova era

A odisseia da Apollo 11 faz parte dos grandes feitos da história

Melissa Tavanez
20 de julho de 2009, 10:52

No dia 20 de Julho de 1969, não foram apenas Neil Armstrong e Edwin 'Buzz' Aldrin que caminharam pela Lua, enquanto Michael Collins circum-navegava o satélite a bordo do módulo de comando Columbia. A mais de 380 mil quilómetros, na Terra, cerca de 500 milhões de telespectadores acompanhavam sem fôlego a concretização de um sonho antigo da Humanidade: conhecer outros planetas.
Duas semanas antes, a 6 de Julho, dia em que foi lançado o foguetão Saturno V (em cujo 'nariz' ia acoplado o módulo Columbia), o interesse criado pela viagem levara às imediações do Centro Espacial Kennedy, em Cape Canaveral, cerca de um milhão de pessoas, oriundas não só dos EUA, mas um pouco de todo o mundo. E só jornalistas acreditados para fazer a cobertura do acontecimento eram três mil.
Num tempo em que a informática e a electrónica estavam ainda na sua pré-história, a epopeia lunar adquiriu contornos que os mais jovens, hoje, dificilmente avaliam. Mas na memória de quem viu a alunagem pelos ecrãs de televisão - em Portugal ainda a preto e branco - ficou marcado para sempre o momento em que Armstrong se tornou o primeiro homem a pisar solo lunar.
Tal como ficou a histórica frase do comandante da expedição, com uma voz que chegou à Terra roufenha e entrecortada: "Este é um pequeno passo para o Homem, mas um salto gigantesco para a Humanidade." Com efeito, neste dia em que o homem superava a sua condição terrena, iniciava-se uma nova era, que num futuro longínquo talvez seja conhecida por Era Espacial. Porque os limites do espaço são infinitos, e as consequências da odisseia da Apollo 11 ainda estão longe do fim.

HERÓIS UM POUCO ESQUECIDOS

A coragem e temeridade dos três homens - todos com 39 anos - que integraram a missão Apollo 11 são apenas comparáveis às dos navegadores portugueses que, enfrentando medos milenares, no séc. XV se aventuraram, em verdadeiras cascas de nozes,"por mares nunca dantes navegados".
O programa de conquista do Espaço - que, em tempos de Guerra Fria, dividiu ainda mais americanos e soviéticos - começara anos antes, durante o mandato de J.F. Kennedy, e, em Dezembro de 68, a missão Apollo VIII já tinha dado a volta à Lua, mas a epopeia do comandante Neal Armstrong, de 'Buzz' Aldrin (piloto do módulo lunar Eagle) e Michael Collins (piloto do módulo de comando Columbia) foi inegavelmente pioneira. Richard Nixon, em cujo consulado se concretizou a proeza, assistiu, in loco, ao lançamento do Saturno V e estava a bordo do porta-aviões que recolheu os três astronautas no Pacífico, onde amarou a Columbia. Armstrong, Aldrin e Collins foram recebidos como heróis e, terminada a quarentena de 21 dias, foram aclamados por multidões.
Desde então, foram alvo de várias homenagens, mas com o ritmo voraz a que a ciência e a tecnologia avançam nos dias de hoje, a dimensão da sua aventura foi perdendo notoriedade e os seus nomes são hoje desconhecidos de boa parte da Humanidade. Quanto às pegadas de Armstrong e Aldrin em solo lunar, essas são indeléveis, graças à ausência de vento no nosso satélite.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras