Nas Bancas

Edição especial Michael Jackson - A carreira

O 'Rei da Pop' teve glória e prémios, mas acabou derrotado

Andreia Guerreiro
10 de julho de 2009, 13:27

Em 45 anos de carreira, Michael Jackson conheceu o sabor doce da vitória - entre os muitos prémios que recebeu constam 22 American Music Awards, 40 da Billboard, 19 Grammy e 13 da MTV -, mas também o gosto amargo da derrota. O pico da glória vive-o em 1982, ano em que lança Thriller, o seu segundo disco a solo (produzido, tal como o anterior, Off the Wall, e os dois seguintes, por Quincy Jones). O álbum mais vendido da história - 106 milhões de cópias - foi completamente inovador do ponto de vista musical, pois nele juntou sonoridades da música negra, como o funk e a soul, com outras da música branca, como o rock e a pop, o que lhe valeu ser o primeiro artista negro a aparecer na MTV, com o videoclip de Billie Jean.

Na Super Bowl XXVII, Pasadena, Califórnia, Janeiro de 1993
Na Super Bowl XXVII, Pasadena, Califórnia, Janeiro de 1993
D.R.
Com
Thriller
, que deu origem a sete
singles
-
Beat It
e
Billie Jean
ocuparam o primeiro lugar dos
tops
-, Michael não fez só sons novos. Revolucionou na forma de fazer
videoclips
, na apresentação cénica em palco, influenciou mesmo a moda e, claro, a dança. Porque em Maio de 83, no concerto comemorativo da sua primeira editora, a Motown, visto em directo por 50 milhões de pessoas, depois de actuar com os irmãos, Michael ficou sozinho no palco a cantar
Billie Jean
. De repente parou, pareceu sair do palco, para regressar a deslizar de costas: era a estreia mundial de uma nova forma de dança, a que se chamou Moonwalk. Foi também nesta noite que o cantor apareceu pela primeira vez com a luva de lantejoulas brancas.


Jerundong Park, Bandar Seri Begawan, Brunei, Julho de 1996
Jerundong Park, Bandar Seri Begawan, Brunei, Julho de 1996
D.R.
Em 85, surge
We Are the World
, tema que escreveu em parceria com
Lionel Ritchie
para a campanha USA for Africa, em que participaram 45 nomes grandes da música. Com esta canção arrecadou 200 milhões de dólares para a luta contra a fome na Etiópia e recebeu dois Grammy.


Em 1987, quando lança
Bad
, um sucesso menor, mas, ainda assim, com 30 milhões de vendas, começam a vir a lume as excentricidades do cantor, nomeadamente o assunto das plásticas e da mudança de cor da pele, e é tratado pela primeira vez por
Wacko Jacko
pelo jornal inglês
The Sun
. Nesse ano, inicia a sua primeira digressão mundial, a
Bad World Tour
, vista por 4,4 milhões de pessoas em 15 países. Um recorde de público batido nas turnés seguintes.


Dangerous
, de 92, o álbum de onde saiu o single
Black or White
, dá origem a mais um
clip
inesquecível e a uma nova digressão, a que utilizou mais equipamento de sempre no mundo até então - só o palco demorava três dias a ser montado -, e que o trouxe a Portugal, para um concerto em Alvalade que reuniu 60 mil espectadores. A
Dangerous World Tour
será, no entanto, interrompida em 93, quando surgem as primeiras acusações de abuso sexual de menores.


Michael entra em rota descendente, e nem o casamento com
Lisa Marie Presley
o salva. Ainda lança mais dois álbuns,
HIStory
, em 1995, e
Invincible
, em 2001, mas as vendas não fazem história. Para trás ficavam os anos de ouro, que levaram
Elizabeth Taylor
, que lhe entregou o prémio de Artista da Década nos American Music Awards de 1990, a afirmar:
"Em minha opinião, ele é o único que pode receber o título de 'Rei da Pop'."
Quanto ao título, manteve-o até morrer, como o demonstrou a dor dos fãs.


Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras