Nas Bancas

Marta Cruz

Marta Cruz

João Lima

Marta Cruz vive em busca do equilíbrio e da felicidade

"Preciso de estabilizar primeiro e só depois darei oportunidade ao meu coração de se apaixonar"

Melissa Tavanez
5 de julho de 2009, 19:10

Tem objectivos bem delineados e os seus sonhos estão a ser construídos a pouco e pouco. Marta Cruz é hoje uma mulher mais segura, com mais certezas, mas para quem a vida não tem sido branda: aos 24 anos já se casou, teve uma filha, separou-se, mudou-se para outro país, e ainda carrega a tristeza de ter visto o pai, o apresentador de televisão Carlos Cruz, envolvido no processo Casa Pia. A CARAS encontrou-se com a modelo em Portugal, onde está temporariamente por razões profissionais. Em Fortaleza, no Brasil, ficou a filha, Yasmin, de três anos, fruto da sua relação com o bailarino brasileiro Alexandre Gondim. Um ano depois da última entrevista, fez-se o ponto da situação.

- Há um ano tentava reorganizar a sua vida em Portugal para recomeçar o seu percurso profissional. Porque é que mudou de ideias?

Marta - Descobri que as disciplinas que já fiz no Brasil não são equivalentes em Portugal e como só me falta um ano para terminar o curso de Comunicação Social, não fazia sentido voltar à estaca zero. Também há assuntos pessoais que ainda me prendem ao Brasil, mas nada que não esteja a ser resolvido.

- Está a falar da sua separação? Já está divorciada?

- Infelizmente, a Justiça não anda à velocidade que nós queremos, mas o juiz já me disse que está para breve.

- Vive só com a sua filha?

- Sim. Moro sozinha desde os 17 anos. Prezo muito os meus momentos, a minha solidão, o meu silêncio. E quando a Yasmin se vai deitar, aproveito para pensar e cuidar de mim. Entendemo-nos muito bem. Ela também preza muito o espaço dela, por isso, sabemos gerir bem os momentos em que estamos juntas e aqueles em que precisamos de estar sozinhas, o que é bom até para o crescimento dela.

- Como é que a Yasmin alimenta a relação dela com o pai?

- Ela mora comigo, mas passa os fins-de-semana, de 15 em 15 dias, com o pai. No entanto, se ele ou ela pedem, encontram-se e passam a tarde juntos. Não crio qualquer obstáculo à relação deles. A minha relação com o Alexandre não tem nada que ver com a relação que a Yasmin tem com ele. Quero que ela saiba que pode contar com o pai tal como com a mãe, independentemente de vivermos juntos ou não.

- Que relação mantém com a Yasmin?

- É uma relação muito parecida com a que tenho com a minha mãe. Sempre fui ensinada a confiar na minha mãe e a tê-la como melhor amiga, e é isso que cultivo com a Yasmin. Embora ela seja ainda uma criança, falamos de tudo, não lhe escondo absolutamente nada. Quero que ela veja a vida com simplicidade e verdade, não a quero enganar em relação a nada. Brincamos muito e partilhamos momentos maravilhosos que são só nossos.

- Já encontrou alguém para partilhar a sua vida?

- Não penso nisso agora. Seria egoísmo meu fazer alguém querer estar comigo ou eu apaixonar-me por alguém. Preciso de estabilizar primeiro e só depois darei uma oportunidade ao meu coração de se apaixonar. Neste momento tenho outras prioridades.

- Depois de uma relação que durou tão pouco, sente-se capaz de apostar noutra?

- Cada relação é uma relação. Não transponho os meus problemas e aquilo que passei para outras pessoas. Quando tiver outra relação, pensarei no que fazer.

- Que fase diria estar a viver?

- Estou numa fase tranquila em busca do equilíbrio e da estabilidade. Em todos os campos da minha vida, quero ser feliz e deixar ser feliz! Trabalho, saúde, família e amor, tudo é importante, mas com equilíbrio e calma.

- Aos 24 anos, já passou por inúmeras experiências. A sua vida tem sido difícil?

- Fui obrigada a crescer rapidamente, mas isso também me permitiu olhar para as coisas com mais optimismo. O que fiz e o que me fizeram, o que acertei ou errei, tudo serviu para construir um futuro melhor. Temos de olhar para as experiências como algo positivo, algo que nos ensine e que nos faça ter força e coragem para seguir em frente. Para mim, o passado já lá vai, tenho é de cuidar do presente para ter um futuro melhor. É esse o meu lema! Chorei muito, fiquei magoada, mas aprendi com todas as experiências.

- Como projecta o seu futuro?

- Em Portugal, claro, mas só quando tudo estiver resolvido. E com felicidade, sempre!

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras