Nas Bancas

Ânia Pais e José Raposo

Ânia Pais e José Raposo

Joaquim Norte de Sousa

José Raposo, ao lado de Ânia Pais: "Não concebo a vida sem paixão"

Encontrámos José Raposo e Ânia Pais no Hotel Infante Sagres, onde o actor está instalado há um ano, desde que se mudou para o Porto e onde se sente em casa

Melissa Tavanez
5 de julho de 2009, 16:50

Aos 46 anos, José Raposo reencontrou o amor ao lado de Ânia Pais, de 25, que, com a sua juventude, o tem ajudado a minorar a distância dos filhos, agora que está a morar no Porto. Visivelmente apaixonados, os actores partilharam com a CARAS a cumplicidade que os une e os bons momentos que têm vivido no primeiro ano de namoro. Olhado com admiração por Ânia, espectadora atenta da sua vida, José Raposo desvaloriza os 21 anos que os separam, elogiando a maturidade da namorada que, garante, lhe tem ensinado muito sobre a vida.
Depois de Um Violino no Telhado, o actor continua no Porto, a protagonizar o novo musical de Filipe La Féria, A Gaiola das Loucas. Aplaudido de pé pelo seu desempenho, José Raposo, que este ano recebeu o Globo de Ouro para Melhor Actor, ainda não se habituou aos prémios, mas terá de o fazer, porque começam a ser constantes.

- Mudou-se para o Porto para fazer Um Violino no Telhado e por cá continua, agora com A Gaiola das Loucas. Já se sente em casa?
José Raposo - Vim para fazer Um Violino no Telhado e já cá estou há um ano. Estou muito bem no Porto, mas é verdade que a minha vida mudou por completo. Os meus filhos e a minha namorada estão a 300 quilómetros e não posso fazer nada em relação a isso. A Ânia faz o esforço de vir cá sempre que pode, e às vezes fica dias inteiros à minha espera, mas quem aceita trabalhar com o Filipe já sabe que tem de abdicar de muita coisa. Custa-me entrar no ritmo, mas a recompensa é fantástica, porque estamos a participar em grandes espectáculos.

- Recompensas como o Globo de Ouro para Melhor Actor de Teatro?
- Por exemplo. É o reconhecimento de que qualquer actor gosta, mas ainda é uma coisa mais ou menos nova. Não costumo receber prémios. Lembro-me de ter recebido o Patiota, do Pátio Alfacinha, um prémio organizado por um restaurante, e o prémio do Dia dos Teatros, que tem votação pela internet, de Melhor Actor, graças a Um Violino no Telhado. Foi fabuloso, porque estávamos entre a família teatral. Quando é assim, tem outro sabor.

- Dedicou o Globo de Ouro aos seus filhos, que devem ter sentido muito a sua mudança para o Porto...
- Eles são pessoas fantásticas! Quando falo deles, fico sempre muito orgulhoso e emocionado. Sou um verdadeiro pai-galinha e sinto muito a falta deles. Se morasse em Lisboa, estaria muito mais presente na vida deles.

- A Ânia conhece bem os seus filhos e a relação entre eles parece ser óptima...
- Sim... Como se costuma dizer, é a vida!
Ânia Pais - Eu já conhecia o Ricardo, do Chapitô. E as coisas aconteceram naturalmente. Claro que para os filhos é sempre estranho verem os pais com outras pessoas. Sou filha de pais divorciados e também me fez confusão eles separarem-se, mas a vida continua. Acho que criámos uma boa relação e eles aceitaram-me.
José - Tal como aceitaram o namorado da mãe. Convivem todos bem. É o ciclo natural da vida.

- Como é que vocês se conheceram?
- Esse é um bocadinho que gostaríamos de guardar para nós. Mas somos os dois actores e o meio é o mesmo.

- Tendo o José mais experiência profissional, a Ânia pede-lhe conselhos?
Ânia -
Claro! Ele tem-me dado dicas muito importantes e que, acredito, me têm ajudado a melhorar o meu trabalho.
José - Isso é normal, mas na representação aprendemos sempre uns com os outros.

- As pessoas conhecem o José Raposo actor. Como é ele enquanto namorado?
Ânia - O que as pessoas vêem na televisão e em palco é como ele é na rua e em casa. É um querido! Muito genuíno, carinhoso, atencioso... É ele mesmo. Por isso é que me apaixonei...

- Voltar a apaixonar-se nesta fase da sua vida foi bom?
José - É maravilhoso! As pessoas deviam estar sempre apaixonadas. É um estado de alma fantástico! E poder partilhar esse sentimento com alguém que sente o mesmo é ideal. Não concebo a vida sem a paixão.

- Na vossa profissão, a estabilidade emocional é certamente muito importante...
- Muito! Namoramos há um ano e tal e é muito bom poder contar com o apoio da Ânia. Ao pé de mim ela é uma miúda, mas não temos preconceito nenhum em relação à nossa diferença de idades, porque não a sentimos. O mais importante é que nos sentimos bem um com o outro. Ela é lindíssima, uma pessoa muito especial. Tem uma maturidade grande e tenho aprendido muito com ela.
Ânia - A nossa diferença de idades só se nota quando discutimos sobre teatro, por exemplo, porque vimos de escolas diferentes.

- Em A Gaiola das Loucas faz o papel de Zázá, um homem que gostaria de ser mulher. Como se sente nesta personagem?
José - Fazer de gay é exactamente igual a fazer outro papel qualquer. Cada personagem tem para nós um carinho especial. Esta profissão é maravilhosa, porque nos podemos transformar em outras pessoas. Já tinha feito de travesti na revista, mas a Zázá é diferente, não é tão burlesca.

- Abordar a homossexualidade com tanto à-vontade não choca o público mais conservador?

-
Há sempre preconceitos, mas ainda bem que esta peça estreou cá. É uma lição de moral, uma história de amor muito bonita.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras