Nas Bancas

Abel Xavier em produção exclusiva para a CARAS

Abel Xavier em produção exclusiva para a CARAS

Luís Coelho

Ao lado da namorada americana, Abel Xavier recorda ama vida de sacrifícios feitos a pensar no bem-estar dos filhos

O jogador, modelo e agora quase actor esteve em Portugal com a namorada, Gabrielle Tuite, que fez questão de apresentar aos dois filhos, David, de 14 anos, e Lucas, de seis

Andreia Guerreiro
30 de junho de 2009, 10:04

Nasceu em Moçambique, mas depois da independência do seu país veio com a família para Portugal. Cresceu no Jamor, em condições que poderiam ter propiciado uma adolescência complicada, mas Abel Xavier conseguiu manter o equilíbrio e seguir o sonho de menino: ser futebolista. Com uma carreira internacional de sucesso, mas que também teve adversidades, há dois anos o futebolista trocou a Europa pelos Estados Unidos. À CARAS, o jogador recordou alguns dos melhores e piores momentos da sua vida: o nascimento dos filhos, David, de 14 anos, e Lucas, de seis, a separação da mãe destes, Sónia Mata, as acusações de doping e o momento em que reencontrou o amor, ao lado de Gabrielle Tuite, com quem vive em Los Angeles, onde se prepara para fazer de vilão num filme.

- Foi complicado o percurso que o levou do Jamor até a uma das zonas residenciais mais luxuosas de Los Angeles?
-
Fui emigrante cedo e à força, fui pai muito cedo... Tive de me adaptar a um sem-fim de exigências que a minha profissão acarreta... Não segui o processo natural de amadurecimento, cresci à medida das experiências que fui vivendo, e isso implicou muitas inseguranças. Hoje sinto-me orgulhoso disso, mas passei por muito... E consegui sempre não seguir por caminhos complicados, o que seria fácil, tendo em conta o meio que me rodeava.

- Foi pai no auge da sua carreira...
-
Fui pai com vinte e um anos, logo após ter sido campeão pelo Benfica. Foram duas grandes alegrias. Estávamos na pré-época, na Suíça, quando recebi a notícia de que ia ser pai. Foi algo que aconteceu e que quis assumir, pelos meus princípios de vida, e fiquei muito feliz, mas hoje deixo o conselho de que as coisas devem ser feitas com mais calma. Porque ter filhos é um projecto de vida!

- E a verdade é que, a partir desse momento, a sua vida familiar não foi fácil...
-
Não. Fui jogar para Itália e a minha mulher não se adaptou, porque o David era bebé e ela estava muito sozinha.
- E como é que ultrapassaram essa situação?
- A partir daí, e ao longo do meu percurso no estrangeiro, a relação foi acontecendo à distância, para dar o máximo de conforto à minha mulher e aos meus filhos. Queria que eles fossem criados em Portugal, com uma educação sólida, próximos da família e sem perderem os amigos. Claro que isso teve consequências... uma delas foi a relação não resultar.

- Então, quando o seu segundo filho nasceu, a relação já era à distância...
-
Sim. Estava sozinho em Inglaterra, a minha mulher só esteve comigo nos primeiros dois, três anos que joguei no estrangeiro.

- Sente que acabou por sacrificar a vida pessoal por causa da carreira?
-
Tive que viajar para poder dar o melhor à minha família. Como pai, fiz sacrifícios que podem ser interpretados de maneiras diferentes, mas que no final tinham um objectivo: um dia podermos viver todos juntos em melhores condições. O meu pai e a minha mãe sempre trabalharam longe um do outro com esse objectivo. E eu quis fazer o mesmo - preservando sempre a família, nunca os abandonei, fiz inúmeras viagens para estar com eles -, mas não foi possível. E sei que a mãe dos meus filhos também fez grandes sacrifícios, teve e tem um papel preponderante na educação deles, e não posso deixar de ter apreço por isso.

- Depois da separação, conseguiu manter uma boa relação com a sua ex-mulher?
- Esse é um tema complicado. Tento acima de tudo preservar os meus filhos e estou muito feliz por ter de novo uma boa relação com eles. E sinto que eles também estão felizes. A minha grande pedra no sapato é estar longe, mas não deixo de lhes dar toda a atenção. Quanto ao resto, há sempre relações que acabam, tem é de se ter cuidado na forma como isso acontece, porque as crianças não podem nem devem sofrer. Sempre disse publicamente, e reforço-o, que a minha ex-mulher é uma pessoa importante na minha vida. Deu-me dois filhos maravilhosos e é algo que lhe agradeço para sempre.

- Já os levou aos EUA?
-
Sim, claro. Eles gostariam de estar lá, adoraram. É um mundo que estavam habituados a ver na televisão... Tivemos momentos de grande alegria. E a minha ida para lá tinha como objectivo reunir a família de novo. Acabou por ser a consumação da separação. Na altura em que encontrei o local que podia ser ideal para todos nós, com boas escolas, clima, mentalidade, e onde gostaria que os meus filhos se formassem, acabei por separar-me.

- Entretanto, iniciou uma nova vida nos Estados Unidos...
-
Sim, com uma pessoa que conheci há algum tempo e que me deu alguma estabilidade emocional. Porque nas carreiras mediáticas existe uma decalagem entre o profissional e o emocional. É muito difícil conciliar as duas coisas. E ela ajudou-me bastante quando fui para Los Angeles, conhece a cidade como ninguém. Neste momento, é muito importante na minha vida. Espero que tudo corra bem entre nós.

- A Gabrielle já conhece os seus filhos?
-
Sim. Fiz questão de apresentar a Gabrielle aos meus filhos. E eles gostaram muito de a conhecer.

- Ela gostou de Portugal?
-
Adorou. Fiz de guia turístico para ela, o que me deu um grande prazer.

- E, entretanto, tem novos projectos em andamento...
-
Sim, sei que não vou afastar-me nunca do futebol, porque é importante na minha vida, mas neste momento estou a encontrar maior prazer e satisfação em fazer outras coisas, como trabalhar no mundo do entretenimento ou da moda. E mais tarde vou ainda estar envolvido num grande projecto que vai ser lançado no ano do Mundial, em 2010, que é uma campanha humanitária em grande escala que vou lançar em África e que vai começar em Moçambique, espalhando-se depois por outros países.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras