Nas Bancas

Cristina Ferreira

Cristina Ferreira

Victor Freitas

Cristina Ferreira: "A felicidade dos outros corrói, causa inveja"

A vida da apresentadora e do marido, António Casinhas, pais de um rapaz, Tiago, de um ano, tem sido alvo de inúmeras especulações que Cristina lamenta

Andreia Guerreiro
14 de junho de 2009, 11:10

Cristina Ferreira, de 31 anos, não gosta de falar sobre a sua vida pessoal e já está habituada a tudo o que se tem escrito sobre a sua relação com António Casinhas, pai do seu filho, Tiago, de um ano, acusado de sair muito à noite sacrificando o tempo que poderia dedicar à família. Mesmo assim, e porque o livro que apresentou na ocasião em que a fotografámos, Vai Valer a Pena, de Joaquim Quintino Aires, fala sobre as dores da separação, a apresentadora de Você na TV conversou com a CARAS sobre a forma como tem lidado com a falta de privacidade que tem sentido nos últimos tempos, mas também sobre os esforços que um casal deve fazer para que a vida a dois funcione.

- Acha que hoje em dia nos esforçamos pouco para que um casamento funcione?
Cristina Ferreira -
Acho que sim. Um casamento é uma construção e muitas vezes temos de derrubar uma parede para voltar a construí-la. Hoje em dia, as novas gerações não lutam muito pelo amor, daí que tenha começado a pensar que as pessoas já não se casam apaixonadas. Muitas vezes é por imposição dos amigos, da família e da sociedade que se faz a festa e muitas vezes não se terminam namoros que já deveriam ter terminado. Depois, acho que também não é fácil para os homens aceitarem a vida que as mulheres têm actualmente. Há mulheres que ganham mais do que certos maridos e na cabeça de alguns isso ainda faz muita confusão. Hoje desiste-se ao menor desaire.

- Sei que não gosta de falar da sua vida pessoal, mas tendo uma vida profissional pública, é necessário ter um maior espírito de sacrifício nesse aspecto?
-
É, ainda para mais quando uma das partes do casal não está ligada ao meio e não quer uma invasão da sua vida que eu tenho de admitir que haja, pela escolha profissional que fiz. A verdade é que também já estamos vacinados. Há colegas minhas que dizem já nem ler o que se escreve acerca delas e eu acho que cheguei a essa fase. Sei exactamente o que quero da vida, como a vivo, e é isso que realmente me interessa.

- Incomoda-a esta invasão da sua vida privada?
-
Incomoda-me a maldade e o mau profissionalismo, ao ponto de em certas reportagens colocarem declarações minhas sem nunca terem falado comigo. Chegámos a um ponto assustador em que vizinhos que não conheço são chamados à discussão, supostos amigos falam... Isso, sim, assusta-me um bocadinho. Eu estudei Jornalismo e faz-me confusão que colegas meus escrevam coisas sem confirmar a sua veracidade. E se nunca falei sobre a minha vida privada, não devem ser os outros a abrir a porta por mim.

- Que razão encontra para que isto aconteça?
-
A felicidade dos outros corrói, causa inveja. Sinto que já tenho capacidade para aguentar com isto tudo, mas a minha família não tem, eu não tenho de passar por um café e ouvir supostos pormenores da minha vida.

- O Tiago há-de ser a sua maior preocupação no meio de tudo...
-
Ele é tudo para mim. Está numa fase muito bonita em que todos os dias nos proporciona novos sentimentos. Nunca pensei que iria gostar tanto de ser mãe.

- Não tinha esse desejo?
-
Não. Sempre achei que iria ser mãe, mas não era o tipo de coisa que dizia que queria ser mais do que tudo. Assim que olhei para o Tiago, passei a amá-lo incondicionalmente e não troco nada na minha vida por ele.

- Tem medo de falhar?
-
Não tenho nenhum tipo de medos em relação ao Tiago, até porque ele também vai aprender com os meus erros. Tenho medo de não poder vê-lo crescer.

- Há uma ideia preestabelecida de que os rapazes são mais ligados à mãe. Confirma?
-
Poderá ser verdade, mas ainda não confirmei. O Tiago não é muito de dar beijinhos e de agarrar, mas gosta muito de brincar comigo, e acho que isso é um sinal. Já refila quando me vou embora, já fica muito feliz quando chego. [risos]

- Gostava de repetir a experiência da maternidade?
-
Não há nada planeado. Há aquela história de os filhos pedirem um irmão, mas ainda não aconteceu, até porque ele só sabe dizer 'mamã', 'papá' e 'já está'. [risos]

- O livro que apresentou também fala da felicidade. O que a faz feliz?
-
A vida. [risos]

- Sorri facilmente?
-
Sim [risos] e ultrapasso as coisas de forma muito tranquila. E acho sempre que ninguém me derruba, o que pode ser uma boa técnica.

- Sente-se feliz?
- Muito feliz.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras