Nas Bancas

José António Pinto Rebelo, Maria e Aníbal Cavaco Silva, António Gomes Pinto e João Marques Pinto

José António Pinto Rebelo, Maria e Aníbal Cavaco Silva, António Gomes Pinto e João Marques Pinto

Joaquim Norte de Sousa

Maria e Aníbal Cavaco Silva presidem no Porto à festa dos 20 anos da Fundação de Serralves

O aniversário de Serralves contou com a presença de altos representantes da vida política, social, económica e artística do País

Andreia Guerreiro
11 de junho de 2009, 19:30

A Fundação de Serralves celebrou 20 anos no passado dia 29, o mesmo dia em que se assinalaram dez anos sobre a inauguração do seu Museu de Arte Contemporânea. Um dia de festa que contou com a presença de mais de mil convidados e antecipou aquele que já é considerado o maior festival português de expressão artística contemporânea.

Convidado para inaugurar a mostra Serralves 2009 - A Colecção, a maior exposição de sempre de arte contemporânea em Portugal, o Presidente da República, Aníbal Cavaco Silva, aproveitou a ocasião para agraciar António Gomes Pinto com o grau de grande oficial da Ordem do Infante D. Henrique, pelo seu trabalho desenvolvido como presidente do Conselho de Administração da Fundação de Serralves.Um fim-de-tarde de Verão que serviu de ponto de encontro para muitos dos que, nos últimos 20 anos, têm, directa ou indirectamente, contribuído para o projecto de Serralves.

O director do museu, João Fernandes, apresentou a exposição como uma forma de olhar o passado perspectivando o futuro. "Ao longo dos últimos anos, Serralves teve um papel muito importante na construção de públicos e queremos mostrar a todos o que fomos coleccionando", explica, recordando que é raro um museu superar em visitantes o número de habitantes da sua cidade e que, só no ano passado, Serralves recebeu a visita de mais de 400 mil pessoas.

A pedido da CARAS, Teresa Gouveia e João Marques Pinto recordaram a génese do projecto, mostrando-se realizados pelo sucesso da obra. O actual presidente do Conselho de Fundadores contou: "A ideia de se fazer um museu de arte contemporânea no Porto partiu de Teresa Gouveia e eu achei uma excelente ideia. Presidi a esta fundação 12 anos e deu-me muito prazer ver Serralves crescer. Sinto-me realizado."

Já a ex-secretária de Estado da Cultura e actual administradora da Fundação Calouste Gulbenkian lembrou que "Serralves tem uma história muito rica, e a presença de todas estas pessoas é disso prova. Fico feliz por ver Serralves ser uma referência no País e no mundo".

Atento à exposição, Manoel de Oliveira considerou este espaço "formidável", e frisou: "Foi muito importante para a criação de um movimento artístico no Porto que está, dez anos depois, mais forte."

Ligada a Serralves "de alma e coração", Estela Barbot salientou que "é um projecto lindo num local de eleição do Porto". A prestigiada gestora referiu ainda que "é gratificante ver o resultado do trabalho de um grupo de pessoas empenhadas. É bom pensar grande e lutar para que as coisas aconteçam".

E porque o Museu de Serralves é um palco pensado para os artistas, Joana Vasconcelos recordou a sua primeira exposição neste espaço, com apenas 26 anos: "Foi uma experiência inolvidável. Aprendi muita coisa e inseri-me numa instituição fantástica", orgulhou-se a artista plástica.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras