Nas Bancas

António Feio e Alexandra Sousa na XIV Gala dos Globos de Ouro

António Feio e Alexandra Sousa na XIV Gala dos Globos de Ouro

António Bernardo

António Feio: "A Alexandra tem sido uma válvula de escape extraordinária"

É com o humor que o caracteriza e ao lado da namorada que o actor luta contra um cancro do pâncreas

Andreia Guerreiro
11 de junho de 2009, 11:05

Ficou na memória de todos os que assistiram à XIV Gala dos Globos de Ouro o momento em que António Feio subiu pela segunda vez ao palco para receber o Globo que Nuno Lopes, galardoado como Melhor Actor de Cinema, decidiu oferecer ao encenador. A lutar contra um cancro do pâncreas desde Março último, António Feio, de 54 anos, falou em palco, com humor e descontracção, da doença que o afecta. A seu lado tinha nessa noite a namorada, Alexandra Sousa, empresária, que o tem ajudado a superar esta fase, como conta nesta entrevista, na qual revela ainda como deu a notícia da doença aos filhos, Bárbara, de 32 anos, Catarina, de 29, Sara, de 24, e Filipe, de 17. O actor, que iniciou esta semana um novo ciclo de seis semanas de tratamentos que conjugam quimio e radioterapia, diz não ter medo da morte e que está consciente de que a sua vida passou a suscitar mais curiosidade.

- Na Gala dos Globos de Ouro disse, em tom de brincadeira, que desde que tornou pública a doença o convidam para tudo...
-
[risos] É verdade, nunca fui tão assediado para eventos como agora. Muitos deles, felizmente, são de solidariedade e, sempre que posso, colaboro, como aliás sempre colaborei. Mas há manifestamente um interesse maior sobre a minha pessoa.

- Sente que olham para si com pena?
-
Felizmente, não. E para isso acho que o espectáculo dos Globos foi muito positivo, porque o facto de eu ter abordado a doença de uma maneira simples e meio a brincar levou com que aquelas pessoas que tinham conhecimento que eu estava doente, e que talvez estivessem com pena, percebessem bem o meu espírito. Aliás, agora é muito frequente as pessoas virem dar-me força e nas suas palavras não se nota qualquer tipo de pena, o que é muito simpático. Não iria gostar que tivessem pena de mim.

- Mas acha que o facto de se falar muito de si ultimamente tem contribuído para a grande afluência de pessoas aos seus espectáculos? Não sente que há uma curiosidade mórbida?
-
Penso que não. De qualquer modo, há uma chamada de atenção e é evidente que algumas pessoas poderão ir para ver se eu estou vivo. [risos] Mas não tenho razão de queixa, as últimas digressões que temos feito têm corrido muito bem e algumas salas, às vezes de grande dimensão, esgotaram com muita antecedência, e isso é anterior à minha doença.

- Está preparado para iniciar a nova fase de tratamentos?
-
Há dois meses que faço quimioterapia. Agora vou fazer seis semanas de quimio e radioterapia. Esta última será feita diariamente, à excepção do fim-de-semana, com o objectivo de alcançar os melhores resultados para ser operado. E aproveito para dizer que não ando a fazer tratamentos em Espanha, como já foi noticiado. Fui, sim, ao estrangeiro ouvir algumas opiniões para ter um leque mais alargado de opiniões e tentar perceber melhor isto, que para mim é uma surpresa, uma novidade.

- Como muita gente, também pensava que estas coisas só acontecem aos outros?
- Sou muito realista e sempre tive noção de que, mais tarde ou mais cedo, iria pagar os excessos que cometi ao longo da vida, portanto, não é uma surpresa assim tão grande. Neste momento, sinto que há que relativizar as coisas e dar importância ao que realmente é importante.

- Enfrenta a doença com optimismo para ser um exemplo, ou é uma atitude natural?
-
Não é propriamente uma coisa premeditada, embora mostrar optimismo talvez possa levar algumas pessoas que têm o mesmo problema a pensar que esta é uma maneira de reagir que talvez valha a pena seguir.

- Publicamente, tem encarado a doença com humor. Em privado também é assim?
-
Sim. É óbvio que durante o dia tenho alterações de humor. Não acordo sempre bem-disposto, nem estou 24 horas do dia aos pulos e a sorrir. Tenho momentos de altos e baixos, uns mais divertidos, outros menos, mas tento quanto possível tirar o maior partido da vida. A atitude com que encaramos a doença influencia em parte a cura.

- Mas não deve ser fácil ouvir um médico dizer-nos que temos um cancro...
-
Não. Confesso que a primeira fase é extremamente complicada, depois habituamo-nos. No início queixava-me de dores de estômago e assim que comecei este tratamento deixei de as ter. Tenho reacções normais ao tratamento, mas nada que não consiga superar. A perspectiva de que há uma luz ao fundo do túnel compensa tudo o resto.

- A doença veio ensombrar o momento feliz que vivia com a Alexandra, ou, pelo contrário, tem fortalecido a união?
-
Neste caso tem fortalecido. A Alexandra tem sido um enorme apoio, é uma pessoa extremamente generosa, preocupada com a minha saúde, mas tem sido uma pessoa que me tem puxado muito para cima, e isso tem sido muito bom. Ela é bastante alegre e dinâmica, e isso tem puxado por mim, exactamente porque há alturas em que estou mais preocupado, mais assustado. A Alexandra tem sido uma válvula de escape extraordinária.

- Não deve ter sido fácil dar a notícia aos seus filhos...
-
Se não foi fácil eu recebê-la, mais complicado foi dá-la aos meus filhos. As minhas filhas mais velhas estavam comigo, mas precisei de informar os mais novos. Tive algum receio de os assustar, e assustei, mas tinha que ser, não iria esconder.

- Em alguma fase teve medo da morte?
-
Não tenho propriamente medo da morte. Não é uma coisa que me anime, mas não tenho medo. Tenho mais medo de alguma incapacidade física, de perder qualidade de vida, tenho pavor de ficar ligado a uma máquina, em estado vegetativo. Mas sempre achei que iria ultrapassar o cancro. E embora não acredite muito na vida além da morte, sempre vi a morte como uma passagem, que faz parte de um ciclo de vida. A morte é a coisa mais certa que temos.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras