Nas Bancas

Inês Santos em produção para a CARAS

Inês Santos em produção para a CARAS

João Lima

Inês Santos: "Já encontrei o meu príncipe encantado"

Aos 30 anos, a cantora tem novos projectos profissionais e confessa estar apaixonada

Andreia Guerreiro
9 de junho de 2009, 18:33

Foi há quinze anos que Inês Santos se tornou conhecida do público português. Depois de ter imitado Sinead O'Connor no programa Chuva de Estrelas, a cantora ganhou asas e envolveu-se em projectos musicais que a têm levado a percorrer países e sonoridades diferentes. Ainda a descobrir quem é como cantora e como pessoa, Inês confessa que está a viver uma fase muito especial... A preparar um novo projecto, Meu Samba, Teu Fado, a artista revela que encontrou um novo amor. Apesar de não querer revelar o nome do namorado, avança que estão juntos há quase um ano e que, tal como ela, é músico. Foi depois de uma produção fotográfica, que foi acontecendo ao ritmo das canções que não consegue parar de cantar, que Inês falou com a CARAS sobre a mulher que se vai descobrindo no dia-a-dia e que vai até onde a vida a levar.

- Esteve dois meses a trabalhar no Canadá numa ópera contemporânea sobre Pedro e Inês. Acha que foi uma experiência decisiva na sua carreira?
Inês Santos -
Todas as experiências têm o seu momento, a sua razão e o seu valor. Para mim, ter ido fazer uma ópera no Canadá não é nada de mais. Não penso que agora seja uma artista internacional. Acho que fiz bem e toda a gente ficou muito satisfeita. Não houve nenhum dia em que pensasse que não fiz o melhor que conseguia. Mas foi mais um passo. Sempre fui dando passinhos, este foi mais um.

- Passa grande parte do tempo a viajar. Consegue ter tempo para dedicar à sua vida pessoal?
-
Claro que sim. Gosto muito do meu trabalho, mas se não tiver tempo para a minha família e para as coisas de que gosto, acabo por ter uma vida fútil e vazia. Se não tivermos outras coisas em que nos apoiar, acabamos por sofrer. Preciso muito da parte terra-a-terra da vida, que não é só o sonho, o palco e o glamour. Tem de haver um
lado mais normal e quotidiano.

- Acha que se não tivesse esse lado 'mais normal', ter-se-ia deslumbrado facilmente com a fama?
-
Sem dúvida alguma. Comecei com quinze anos, e num programa que foi o primeiro de talentos em Portugal. Toda a gente via o Chuva de Estrelas. Aliás, as pessoas ainda hoje me reconhecem daí. Na altura, não podia passear na rua porque tinha o cabelo rapado e as pessoas sabiam quem eu era. E se eu não tivesse a minha família e a educação que tive, ter-me-ia deslumbrado na certa. Mas a partir daí o meu percurso foi real, com dificuldades, passos atrás e percebi que a vida não é só sonhos e vitórias.

- E lidou bem com essas dificuldades?
-
Tive momentos mais tristes do que outros. Mas foi logo no início e rapidamente percebi que faz parte do jogo. É preciso acreditarmos em nós e gostarmos do que fazemos. E temos de ir à luta, não podemos ficar à espera que as coisas aconteçam. E eu tenho muito essa atitude. Vendo os meus próprios espectáculos, faço os meus contactos. Quero é trabalhar e cantar para as pessoas. Não tenho nenhum problema em lutar pela minha vida.

- Acha que ainda é, para o público, a menina do cabelo rapado?
-
As pessoas continuam a chamar-me a careca do Chuva de Estrelas, mas sempre com muito carinho. E acho que sabem o valor que tenho, apesar de não ser uma cantora de discos e com uma carreira com um só estilo de música. Tenho feito muita coisa e provei que tenho versatilidade. Tenho crescido muito. Hoje canto de uma forma muito mais madura e segura. Mas acho que as pessoas continuam à espera de um disco...

- E para quando um disco?
-
Já tenho dois discos, mas acho que não os deveria ter gravado nessa altura. Era muito nova e devia ter amadurecido um bocadinho mais e perceber que tipo de música é que queria fazer. Mas ainda hoje não sei. Gosto de muitas coisas diferentes. Agora estou a trabalhar com um músico brasileiro, Junior Meirelles, num projecto que se chama Meu Samba, Teu Fado. Vamos fazer espectáculos ao vivo e, se tudo correr bem, seguir-se-á um disco.

- Depois do Canadá, segue-se o Brasil. Ainda não está cansada de andar sempre a viajar?
-
Canso-me de andar com as malas. Se pudesse viajar sem malas, seria maravilhoso. Mas fui crescendo a viajar. Somos quatro filhos e sempre viajámos muito. Tínhamos uma carrinha e fomos os seis pela Europa. Faz parte da minha vida estar em contacto com outras culturas e línguas. E preciso dessa novidade. Detesto a rotina e não ter nada de novo para fazer.

- Continua a ser romântica e sonhadora, ou a idade tornou-a mais pragmática?
-
Continuo a achar que é perfeitamente possível encontrar o príncipe encantado. As pessoas quando estão juntas têm de se amar e respeitar e tratar uma da outra todos os dias. Só assim se pode ser feliz. Não sei bem o que se pensa quando se lê príncipe encantado... Mas acho que há pessoas maravilhosas. E se formos maravilhosos, de certeza que atraímos alguém também maravilhoso para a nossa vida.

- E já atraiu alguém?
-
Sim. Estou muito apaixonada e já encontrei o meu príncipe encantado.

- E já sente a vontade de se casar e de ser mãe?
-
Não digo que tenha de ser mãe já, mas desde miúda que quero ter vários filhos. Já me apaixonei e a seguir logo se vê. Quanto ao casamento, acho que é importante ter uma festa para partilhar com os amigos a nossa felicidade. Mas não é uma coisa que tenha necessariamente de fazer. Mas talvez me case... Gostava de ter um belo vestido e de fazer uma festa.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras