Nas Bancas

Pedro Reis e Maria Duarte

Pedro Reis e Maria Duarte

Luís Coelho

Pedro Reis e Maria Duarte: Casal fala sem tabus das alegrias e dificuldades que tem vivido a dois

Os empresários revelaram à CARAS como conciliam as diferenças de personalidade

Melissa Tavanez
7 de junho de 2009, 14:43

Muito já se escreveu sobre Pedro Reis, de 43 anos, e Maria Duarte, de 28. Contudo, este casal, que abraça a vida com um entusiasmo único, tem sempre algo para partilhar. A convite da CARAS, os empresários - Maria criou uma empresa que confecciona doces e Pedro continua a gerir uma produtora de audiovisual - passaram um fim-de-semana no Monte Velho Nature Resort, na Carrapateira, durante o qual puderam fazer aquilo de que mais gostam: partilharem actividades ao ar livre sem horas contadas. Aliás, os seis anos de vida em comum têm sido marcados por estas aventuras e é sem pretensiosismos que ambos afirmam que ainda não entraram na fase da rotina.
Foi durante uma entrevista intimista que Pedro e Maria contaram como têm conseguido construir uma vida a dois, sem se esquecerem dos projectos e sonhos de cada um.
- Continuam a ser um casal aventureiro ou já gostam de fazer planos?
Pedro Reis - Fazemos alguns planos, não somos completamente alucinados. Mas são planos que nos libertam. Não gosto de planear coisas que nos massacrem ou nos prendam, mas organizamos a vida de forma a termos opções que nos permitam saborear a vida. Claro que temos de ter a nossa segurança. A realidade tem de estar bem sustentada. Mas adoramos ir de fim-de-semana sem aviso prévio, por exemplo.
Maria Duarte - O que tento fazer agora são planos a nível profissional. Eu sou muito espontânea e uma coisa boa da minha relação com o Pedro é que ele me ajuda a estruturar-me e a ganhar a minha própria independência. O resto vai acabar por acontecer, como o casamento e os filhos.
- A Maria disse que consigo ganha segurança. E o Pedro, o que aprende com ela?
Pedro - Ganho muito com a espontaneidade da Maria. Eu tenho alguma tendência para ficar a fazer o que sempre fiz e ela desafia-me a fazer coisas diferentes. Ela traz-nos alegria de viver.
- Qual é o balanço destes seis anos de namoro?
- Apesar de começarmos a viver juntos muito depressa, tivemos uma fase em que nos adaptámos um ao outro... Agora, a Maria começou a trabalhar e obviamente que isso traz alterações à nossa vida. Temos vindo a adaptar-nos às circunstâncias e encaixamos as mudanças individuais na nossa vivência enquanto casal. E mantemos o espírito com que nos conhecemos.
- Mas acredito que ao final destes seis anos também já tenham criado uma rotina...
- Acabamos por não ter nenhuma rotina instituída. Pessoalmente, não gosto muito de rotinas. E quando percebo que as coisas começam a ser muito iguais, quero logo inventar qualquer coisa para ser diferente. Nós nunca temos regularidade... Nunca senti que há um hábito na nossa vida ao ponto de nos incomodar.
- Há segredos entre vocês?
Maria - Acho que somos um enquanto casal, mas depois temos as nossas próprias vidas. Mas não há segredos. Há espaço para a nossa individualidade e não precisamos de andar sempre 'em cima' um do outro. O Pedro não me liga seis vezes por dia para saber o que estou a fazer. Se ligasse, eu não atenderia. [risos] Na nossa relação fomentamos o "eu".
- Não terem filhos ainda é porque os vossos 'eus' precisam de espaço?
- Não. Acho que os filhos vêm quando tiver de ser. Gostava de me estabelecer a nível profissional antes de ter filhos.
- Mas o Pedro está com 43 anos...
Pedro - [risos] Há uma pressão social imensa para termos filhos! Até os homens são pressionados por parte da família, amigos, da imprensa... e às vezes é difícil mantermos as nossas ideias, porque acabamos por ser influenciados por isso. E sei que já estou na idade de começar a levar isto dos filhos mais a sério e confesso que já pensei menos no assunto. Está a chegar a altura do agora ou nunca. Mas também há a questão da Maria estar a entrar agora no mundo do trabalho...
- E o casamento não vos diz nada?
- O papel em si, não, mas gostávamos de fazer uma festa...
Maria - Talvez num veleiro, com os amigos mais próximos. Seria mais uma celebração do nosso amor. Mas só me caso quando o Pedro se ajoelhar. [risos]
Pedro - Um dia que haja um filho, acho que faz sentido. Eu só não gosto de todo aquele protocolo do casamento. Não acho graça aos vestidos de noiva e às pessoas todas arranjadas para o copo-d'água... E a Maria pensa da mesma maneira.
- Estão sempre em etapas da vida diferentes. Estas diferenças nunca atrapalharam?
Maria - Não. E acho que isso só nos trouxe coisas positivas. Como o Pedro já viveu muito mais do que eu, apoia-me imenso e ajuda-me a adaptar-me a uma realidade que ele já conhece e eu não.
- O Pedro, por ser mais experiente, não cai na tentação de desvalorizar certas coisas que sejam novas e importantes para a Maria?
Pedro - A minha dificuldade às vezes é não ajudar de mais, porque sei como é que as coisas se resolvem. Sei que ela tem de fazer asneiras para aprender. Mas não ter essa atitude de protecção é difícil.
- Entretanto, sei que a Maria quer começar um curso de representação...
Maria - Muitas vezes não fazemos algumas coisas que realmente queremos porque alguém próximo o fez e não foi da melhor maneira. Eu criei vários limites que queria ultrapassar e um deles era não querer ser conhecida. Mas entretanto apaixonei-me por alguém conhecido. Foi muito complicado, mas o Pedro ajudou-me. Desde miúda que queria fazer o curso de representação e os meus preconceitos não me deixavam. Agora venci essa barreira.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras