Nas Bancas

Helena Laureano em produção para a CARAS

Helena Laureano em produção para a CARAS

Mário Galiano

Helena Laureano feliz e apaixonada "A minha filha é o grande amor da minha vida"

A actriz, de 41 anos, atravessa uma fase bastante positiva da sua vida, tanto a nível profissional como pessoal

Andreia Guerreiro
25 de maio de 2009, 13:26

Sempre lhe foi reconhecida uma certa loucura, ainda que saudável, mas que lhe trouxe alguns dissabores a nível profissional e pessoal. Helena Laureano reconhece que a sua impulsividade lhe causou problemas, mas diz que, sem ter perdido a genuinidade, aprendeu a controlar-se e é hoje uma mulher mais calma e ponderada. Um equilíbrio para o qual contribuiu a relação que mantém com Inácio, um músico de 27 anos que a actriz, de 41, não se cansa de elogiar. Do outro amor da sua vida, a filha, Beatriz, de dez anos, fala com orgulho e um sorriso rasgado. A CARAS entrevistou Helena no Lollipop, um local de excepção em Lisboa, com vista privilegiada para a Ponte 25 de Abril e para o Tejo.

- Fim de tarde em Lisboa, com esta luz fantástica e uma vista maravilhosa sobre o rio, faz-nos gostar mais da cidade em que vivemos e relaxar do stresse do dia-a-dia...
Helena Laureano - Gosto de Lisboa, é o sítio onde vivo, apesar de ser de Sesimbra. Aqui temos uma luz maravilhosa. Mas relaxo muito bem mesmo é na praia, porque tem que ver comigo, com o sítio onde nasci. Se bem que agora tenho uma casa perto do rio, da água, que me ajuda muito a manter a calma. E para conseguir manter a calma é preciso esforçar-me!

- Sempre foi uma mulher muito impulsiva...
- Sou muito impulsiva, sim. Tento controlar essa impulsividade, porque por vezes é vista de uma forma que não é real. Mas também acho que, acima de tudo, temos que ser verdadeiros. E às vezes isso desagrada às pessoas.

- Alguma vez essa forma de ser afectou o seu trabalho?
- Sem dúvida que sim. Sempre fui impulsiva, reivindicativa, e isso já afectou o meu trabalho. Mas não gosto de injustiças!

- E como superou isso?
- Com muita ponderação, calma, e tendo em mente que valho pelo trabalho que faço. Essa foi sempre a minha mais-valia.

- E na sua vida pessoal...
- Também já fui afectada. Mas acho que isso terá que ver com uma certa maturidade, não a nível de idade, mas de cabeça. As pessoas têm que ter capacidade de perceber o porquê de uma reacção impulsiva. Porque não estamos sempre bem.

- Uma característica que sempre lhe foi atribuída foi uma certa dose de loucura...
- De menino e de louco todos temos um pouco... Às vezes as pessoas dizem 'lá vem a maluca', mas a verdade é que eu adoro aquilo que faço. E quando estou no meu trabalho, estou bem-disposta naturalmente, sou eu própria. Não faço por estar assim. Quando estou maldisposta, nota-se logo. Porque representar só mesmo no meu trabalho, fora disso sou como sou. E as pessoas gostam ou não gostam. Sou muito pura, mas sinto que por vezes usam a minha boa disposição para justificar outras situações. Quando isso acontece, desmascaro tudo no momento.

- Depois existe o outro lado, o da Helena mãe...
- Já sou mãe há dez anos, e sem dúvida que a gravidez foi o período de maior serenidade da minha vida. No início achava que não ia conseguir trabalhar, estava sempre agarrada à minha filha, mas entretanto tudo se foi adaptando. E sem dúvida que a minha filha é o grande amor da minha vida, um amor que cresce todos os dias. Às vezes é complicado...

- Porque sente a responsabilidade da educação dela?
- Pela educação de um ser humano que tem uma forte personalidade. E a Beatriz está a entrar numa idade malandra. E muitas vezes penso: 'Ooopss, eu não te disse isso, não te ensinei isso!'

- Como é que ela lida com o seu trabalho, com a sua exposição?
- É tudo muito natural para ela, mas às vezes sente-se um pouco envergonhada na rua por falarem na mãe, e eu tento compensá-la por isso. Mas por outro lado está sempre atenta e sente-se orgulhosa do trabalho da mãe. Diz a toda a gente sempre que passa algo meu na televisão, nem que seja só a voz. Claro que fico muito feliz por isso, e orgulhosa também.

- Um assunto talvez mais delicado: o amor.
- [risos] Que quer que lhe diga?

- Digamos que sei que encontrou algum equilíbrio com a pessoa com quem está neste momento...
- Sem dúvida que sim. Namoro há cerca de um ano com um rapaz que é músico, e estou bem.

- É fácil conciliar uma relação com uma pessoa que trabalha também no meio artístico?
- O Inácio é uma pessoa muito especial. Tem uma maneira de ver as coisas e de estar na vida que é cada vez mais rara. É uma boa alma e traz muito boas vibrações.

- É mais novo uns anos...
- Sim, mas isso não muda nada. Ele tem 27 anos, mas terá provavelmente muito mais maturidade que algumas pessoas de 40. É uma pessoa muito moderada e que tem a vida muito preenchida. Mas, acima de tudo, é uma pessoa fantástica.

- Como é que está a ser a participação em Flor do Mar?
- É um projecto que me tem dado algumas dores de cabeça! Sou extremamente rigorosa e exigente com o meu trabalho e não tenho saído muito satisfeita das gravações. Sei o caminho que tracei para a Carolina e, de certa maneira, nem sempre tenho conseguido segui-lo, e fico triste com isso.

- E tem sido fácil conciliar as viagens entre o Funchal e Lisboa com a sua vida pessoal?
- A verdade é que viajei mais quando estava na Ilha dos Amores. Mas o que mais me custa é mesmo o tempo de espera nos aeroportos. Porque não tenho passado grandes temporadas fora. E a Beatriz nem tem sentido isso, porque eu e o João [Cabral] temos custódia partilhada, por isso ela fica uma semana comigo e outra com o pai.

- Já começa de alguma forma a sentir o peso da idade?
- É óbvio que se sente o peso da idade, talvez não em termos psicológicos, mas em termos físicos. Porque continuo a ter a mesma energia de sempre, só que o corpo ressente-se.

- Equacionaria fazer uma plástica?
- Completamente. Faria uma sem problemas. Temos que nos sentir bem! Antigamente, por exemplo, comia de tudo e o meu corpo estava sempre igual. Agora já não é tanto assim. Por isso estou mais dedicada ao desporto e estou também com o Dr. Tallon, para ficar mais em forma. Porque adoro comer...

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras