Nas Bancas

Alexandra Bento - presidente da Associação Portuguesa de Nutricionistas

Alexandra Bento - presidente da Associação Portuguesa de Nutricionistas

Mike Sergeant

Alexandra Bento defende: "As refeições principais devem ser feitas em família"

A presidente da Associação Portuguesa de Nutricionistas recebeu-nos em sua casa na companhia dos filhos: Miguel e Beatriz

Andreia Guerreiro
3 de maio de 2009, 14:39

Uma tarde de conversa com uma amiga de infância que cursava Ciências da Nutrição foi quanto bastou para que a sua vida profissional ficasse decidida. Alexandra Bento, há dez anos presidente da direcção da Associação Portuguesa dos Nutricionistas - APN, era, aos 18 anos, uma estudante que, tal como muitos outros candidatos à universidade, tinha dúvidas quanto ao rumo a tomar. Sabia que queria enveredar pela área da saúde, mas faltava-lhe a convicção forte do que queria fazer. "Aquela conversa foi totalmente esclarecedora. A minha amiga falou-me do curso com tal entusiasmo que fiquei fascinada. Ela nem se apercebeu de como mudou a minha vida", recorda, 22 anos depois de um acaso que acabaria por definir uma carreira feita ao serviço da nutrição. O curso tirou-o na Faculdade de Ciências da Nutrição e Alimentação da Universidade do Porto, "a única universidade pública portuguesa a licenciar nutricionistas", na época uma formação pouco divulgada. Tanto tempo passado sobre este episódio, a presidente dos nutricionistas portugueses recorda o motivo de escolha tão rápida: "Disse-me que o curso fazia a correlação entre nutrição e saúde e que se poderia vir a trabalhar no contexto da prevenção e tratamento da doença pela alimentação." Abria-se um mundo novo para a estudante de Amarante, prestes a mudar-se para o Porto, onde ainda vive com o marido, Ricardo Pinto, engenheiro civil e gestor de empresas, actualmente a liderar um projecto em Angola ligado a actividades ambientais, e os filhos, Miguel, de 13 anos, e Beatriz, de oito. "A eles devo o meu equilíbrio emocional", destaca.

- Em 20 anos, avançou-se muito no reconhecimento do papel da nutrição...

Alexandra Bento - Se quando entrei para a universidade se começava a ligar a alimentação à saúde, hoje sabemos que há uma relação directa entre aquilo que comemos e certas doenças. Actualmente, as patologias infecto-contagiosas não são a grande franja de mortalidade, mas sim as crónicas não-transmissíveis, como as cardiovasculares, a diabetes e a obesidade, que só por si é uma doença e um factor de risco para muitas outras. Neste quadro, o nutricionista é uma peça- chave para a saúde do País.

- Somos realmente aquilo que comemos?

- Sem dúvida alguma. A forma como nos alimentamos, mais ou menos correctamente, vai influenciar a nossa longevidade, o bem-estar físico e mental, o peso, as doenças que já temos ou possamos vir a ter. O que somos depende muito do que comemos na infância, na adolescência, na fase adulta, e quase me atrevia a dizer do que a nossa mãe já comeu, nomeadamente durante a gravidez.

- Em sua casa qual é o pequeno-almoço, a primeira grande refeição do dia?

- Vai variando, mas há uma base que é mais ou menos constante: leite, pão torrado com pouca manteiga e sumo de fruta fresca. Às vezes, iogurte com cereais, com chá ou café a acompanhar. O almoço e o jantar têm a mesma estrutura: sopa, prato de peixe ou carne com arroz, massa ou batata e ainda legumes. No fim, uma peça de fruta.

- É importante não só o que se come como também a forma como se come. É de calcular que tenha cuidados também nessa área...

- Todas as principais refeições são feitas em família. Consegui organizar a minha vida de modo a partilhar com os meus filhos a hora das refeições, feitas sempre de forma tranquila. O meu local de trabalho e a escola deles ficam relativamente perto de casa, foi uma opção que pude tomar, posso considerá-la um investimento. Considero que este tipo de vida dá equilíbrio à minha família.

- É difícil controlar o que as crianças comem fora de casa...

- Não tenho uma atitude controladora em relação a isso. Os meus filhos interiorizaram este estilo de vida naturalmente. Se lhes apetecer um refrigerante, eu dou-lhes! Não quero passar a ideia de algo proibido, que só desperta ainda mais interesse, mas a verdade é que raramente o fazem.

- Com dois filhos, uma casa e uma carreira para gerir, é natural que esteja sujeita a picos de stresse, a doença da sociedade moderna...

- É fundamental não se iniciar o dia com stresse. Levanto-me com tempo necessário para fazer tudo com calma, nomeadamente tomar o pequeno-almoço. Quando estamos num estado de ansiedade o estômago produz muito mais ácido gástrico, o que é prejudicial. Penso que algum sentido de disciplina e de domínio na realização das tarefas a que nos propomos é um bom antídoto para o stresse.

- Em fase de crise, como se pode gerir a questão da alimentação?

- Penso ser uma boa altura para repensarmos a nossa alimentação e tentarmos comer melhor gastando menos, o que não é impossível. Tem a ver com a gestão de alguns momentos do dia. O pequeno-almoço tomado em casa, em vez de no café, pode ser mais rico nutricionalmente e também mais económico. O mesmo se passa em relação ao que se pode levar de casa para comer a meio da manhã ou da tarde e ainda ao almoço. Tudo isto representa muito dinheiro, fica pelo menos a metade do preço.

- E quanto à despensa anti-o Portuguesa de Nutricionistas recebeu-nos em sua casa na companhia dos filhos: Miguel e Beatrizcrise?

- Mais do que nunca, nesta fase é indispensável que se faça uma lista de compras rigorosa. Compra-se aquilo de que não se necessita e, muitas vezes, alimentos com excesso de sal e de gordura, perfeitamente dispensáveis numa alimentação saudável.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras