Nas Bancas

Dina Aguiar em produção para a CARAS

Dina Aguiar em produção para a CARAS

João Lima

Dina Aguiar fala da operação plástica a que se submeteu há quatro meses

Aos 56 anos, a jornalista da RTP diz que foi por respeito aos telespectadores que decidiu confiar o seu rosto aos cuidados de um cirurgião

Melissa Tavanez
28 de abril de 2009, 23:40

Garante que se sentia bem com a imagem que tinha, mas decidiu melhorá-la no final do ano passado, submetendo-se a um lifting facial feito pelo cirurgião Francisco Ibérico Nogueira. As diferenças são bem visíveis, e Dina Aguiar frisa que o mais importante é sentir um equilíbrio entre o interior e o exterior. Durante esta produção para a CARAS, na qual contou com a participação da neta, Sara, de 16 meses, a apresentadora da RTP revelou uma faceta bem diferente daquela a que nos tem habituado ao longo dos últimos 31 anos ligados à televisão. O ar formal e sério com que aparece nos programas que apresenta contrasta com a sua forma de estar e de viver: divertida, colorida, descontraída e sempre muito positiva. Afinal, quem imaginaria Dina Aguiar a ir sozinha, de metro, a um concerto dos Nirvana ou dos Guns n'Roses?

- Começou a fazer televisão em 1978. São muitos anos a aparecer nos ecrãs...
Dina Aguiar - É verdade. Costumo dizer que há protecção divina, que o Universo cria condições para eu poder estar no local certo, à hora certa, com sanidade mental, inteligência, saúde, aparência física, mas eu também vou fazendo por isso.

- Parece ter uma filosofia de vida muito positiva...
- Completamente. Para mim não há obstáculos, mas sim desafios. A vida é um processo de aprendizagem, de crescimento espiritual, de partilha, de amor. A minha filosofia é acreditar que aqui e agora tudo pode acontecer de bom, mesmo as coisas menos boas têm sempre algo de positivo. Vivo com intensidade de maneira a que, quando morrer, possa morrer tranquila por já ter feito tudo o que queria.

- E acha que já fez tudo o que queria?
- Não, acho que tenho ainda muita coisa para fazer, mas não sei se o Universo acha que sim. Eu continuo com projectos como se tivesse 20 anos, mas não faço grandes planos. Os meus pais construíram um império com o seu trabalho depois dos 70 anos. Aprendi com eles e com a vida a não fazer planos, a viver um dia de cada vez. Cada pessoa deve procurar aquilo que a faz feliz, e eu procuro melhorar o que sou, enquanto ser humano.

- Foi o que fez com o seu visual? Tentou melhorá-lo ou deixou de gostar da sua imagem?
- Acho que tem que ver com a responsabilidade que tenho perante os telespectadores. Se nós pudermos melhorar um pouco... Da mesma forma que vamos ao cabeleireiro, à esteticista ou à maquilhadora, também podemos melhorar com estas intervenções.

- Mas fê-lo apenas pela responsabilidade para com os telespectadores ou também para se sentir bem consigo própria?
- Também para me sentir bem, mas não é uma obsessão. Quero melhorar, mas também não tenho nada contra as rugas. Tem que se encontrar um equilíbrio. Eu vivo a vida de momento a momento, e aconteceu, mas isso não quer dizer que o volte a fazer.

- Mas começou a desagradar-lhe a imagem que via na televisão?
- Não cheguei ao ponto de achar que tinha uma imagem desagradável.

- Mas alguma coisa a incomodava?
- Não sei... Acho que foi a oportunidade. O Universo encarregou-se de me dar sinais a dizer que aquele era o momento.

- E quando é que realizou a operação?
- No dia 11 de Dezembro e, menos de um mês depois, a 5 de Janeiro, já estava a trabalhar.

- Nota a diferença quando se vê ao espelho?
- Eu noto mais do que as outras pessoas. Para mim houve uma melhoria subtil. É ridículo as pessoas esconderem que fizeram uma plástica quando às vezes até se nota bem. Tudo existe no planeta para nos servir. Se tivermos acesso às coisas, devemos usufruir delas. A vida é nossa e devemos fazer com ela o que entendemos. Mas temos que ter noção dos limites, porque cada causa tem um efeito e o segredo da minha felicidade é ter a noção dos meus limites. Temos primeiro que saber quem somos, aceitarmo-nos como somos, gordos ou magros, com ou sem defeitos, evoluir e valorizar o que temos de positivo.

- Sente a idade que tem?
- Não, não tenho idade. Dentro de mim tenho tempo e experiência.

- Sente-se mais jovem...
- O facto de se viver a vida no momento, no aqui e agora, transpõe-nos para um presente em que não há passado nem futuro. O presente é mesmo um presente no sentido de oferenda, do Universo, de Deus, se quiser. Sinto-me uma pessoa com energia e de bem com a vida.

- E a sua neta apercebeu-se da mudança?
- Não. Ela tinha apenas um ano, as alterações não foram assim tão significativas. Se calhar, o segredo é a pessoa não deixar chegar ao ponto em que já não dê para minimizar o ar pesado.

- Mantém algum relacionamento amoroso?
- Não.

- E ainda tem energia para partilhar a vida com alguém?
- É como tudo na vida: estou sempre receptiva a conhecer alguém especial, mas também estou bem sozinha, é uma coisa que não me incomoda nada. Estou tão bem na minha pele... Sou auto-suficiente, não preciso de ninguém para viver. Se acontecer, tem de ser alguém muito especial. Aprendi a ver o amor e o equilíbrio nas mais pequenas coisas, não tem de ser necessariamente numa pessoa. O amor é o motor fundamental da minha vida e está em todo o lado.

- Tem tido pretendentes ou é muito exigente?
- Sobre isso... não me queixo. [risos] Para mim, é essencial amar com responsabilidade, respeito, fidelidade e integridade, mas acho que não devemos andar o dia todo a cobrar. Não gosto muito de perguntas nem de ter que dar satisfações. Sou muito independente, não sou nada chata nem intrometida. Mas sou exigente e intuitiva, não me deixo levar facilmente.

- E as pessoas que estão ao seu lado não se sentem incomodadas com esse desapego?
- Acho que ao meu lado algumas pessoas se sentem inseguras porque, de uma forma geral, as pessoas gostam de sentir uma certa dependência num relacionamento. Mas eu sou assim, o que posso fazer?

- Com uma vida tão agitada como a sua, consegue ter tempo para dedicar à sua neta?
- Não muito. Não sou uma avó tradicional, porque ainda estou muito no activo. Felizmente a minha filha também não precisa desse suporte familiar, porque tem a vida organizada com o marido e a empregada, caso contrário, eu seria muito má ajuda. Aliás, não sei o registo que ela tem desta avó, mas nesta fase ainda devo ser tipo extraterrestre. Só sou certinha no horário da televisão, porque de resto encontra-me nos sítios mais estranhos: ou no meio do trânsito, ou no cabeleireiro da outra avó, Manuela... Agora foi numa sessão fotográfica. Não há rotina no nosso relacionamento!

- Lamenta não ter esse tempo para acompanhar a neta?
- Acho que irei ter oportunidade de fazer o meu papel de avó, de intervenção e de convívio com ela e com a Mia [a filha de Dina Aguiar, Ana, está grávida de oito meses de uma menina]. Eu própria também criei a minha filha sozinha com o pai dela, uma vez que os meus pais estavam longe e os avós paternos não estavam muito presentes. Também não sou uma mãe convencional: não me meto na vida dela, não tenho tempo para ir a casa dela... Não vou para lá passar a roupa a ferro ou arrumar-lhe a casa, pois não tenho nada que ver com isso. Não sou interventiva dessa forma. Graças a Deus que não precisa.

- Quando é que se separou do pai da sua filha?
- Quando ela tinha oito anos.

- Ela acabou por herdar a sua veia artística...
- Sim, creio que é de família, porque há muita gente criativa na família Aguiar. O meu pai era autodidacta da música, a minha mãe era mais virada para a criatividade em trabalhos manuais, e tenho vários primos artistas.

- Transmitiu à filha esse interesse pelas Artes?
- Nunca lhe incuti nada. Se há uma carga genética, ela herdou-a mesmo, porque eu nunca lhe disse para pegar em pincéis. Aliás, quando fez os testes psicotécnicos na escola, disseram-lhe logo que tinha de ser pintora, apesar dela dizer que queria seguir Arquitectura ou Escultura. Agora criou um projecto para crianças, a Anicolors, que transporta para telas o imaginário da cor e dos animais. E está já a preparar colecções de roupas e livros infantis.

- E onde estão as artes plásticas na sua vida? Continua a pintar e a expor com regularidade?
- Continuo a pintar porque, quando se tem mais do que uma ocupação, é difícil concentrarmo-nos só numa. O meu trabalho principal é a televisão, e agora que apresento também o Jornal do País, na RTPN, que é uma síntese das notícias do Portugal em Directo, que apresento à tarde. Portanto, ainda me sobra menos tempo. Durante a semana não tenho muito tempo disponível, mas pinto muito à noite e ao fim-de-semana. Quando tenho exposições marcadas, acabo por ter que pôr férias para acabar os trabalhos a tempo.

- Tem alguma exposição agendada?
- Não, mas estou a sentir necessidade de o fazer. A última que organizei foi com a minha filha, em Dezembro do ano passado, e foi dedicada à Sara: Sarandeando. Agora estou mais concentrada em encomendas, sobretudo de retratos. Tenho também muitas telas antigas, algumas inacabadas, outras de exposições antigas de que já não gosto tanto, e apetece-me pegar nelas e fazer renascer qualquer coisa dali, até por uma questão de aproveitamento e não desperdício. Além disso, tenciono fazer uma exposição em Barcelona, um convite e um desafio do cantor catalão Pi de La Serra, que conheço há muitos anos. Já tenho o conceito da exposição, faltam-me as coisas. Para expor não me faltam convites. Haja tempo para trabalhar!

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras