Nas Bancas

Casal Sarkozy criticado por agir ao estilo de Maria Antonieta e Luís XVI

Casal Sarkozy criticado por agir ao estilo de Maria Antonieta e Luís XVI

Casal Sarkozy criticado por agir ao estilo de Maria Antonieta e Luís XVI

Para agradar à mulher, Nicolas, que com a subida à presidência duplicou o salário, não olha a despesas

Redacção Caras
23 de março de 2009, 00:00

Os franceses, que decapitaram Maria Antonieta e Luís XVI e derrubaram o Antigo Regime com uma sangrenta revolução cuja mola impulsionadora foi o descontentamento popular provocado pelos excessos da corte, não estão satisfeitos com o comportamento do presidente da sua República, fundada com base nos princípios da liberdade, igualdade e fraternidade. Isto porque, num momento em que a crise no seu país atinge proporções graves, Nicolas Sarkozy e Carla Bruni mantêm hábitos de vida dignos de reis. Sarkozy - que é inseparável da grossa corrente de ouro que usa ao pescoço, do seu Rolex Oyster e dos seus Ray Ban Aviator - já era conhecido pelo seu gosto novo-riquista pelo brilho, que lhe valeu mesmo a alcunha de 'Presidente Bling Bling' (termo calão da cultura hip hop que, numa tradução livre, significa cintilante), mas o seu casamento com a ex-modelo, que é oriunda de uma família italiana riquíssima e ganhou fortunas com a sua carreira nas passarelas, terá agravado essa faceta.Para agradar à mulher, Nicolas, que com a subida à presidência duplicou o seu rendimento anual para um valor próximo dos 217 mil euros, não olha a despesas. Se os tempos fossem de fartura, os franceses até fariam vista grossa a isso, mas agora, com o desemprego a atingir o número recorde de dois milhões e mais de 15 por cento dos trabalhadores a receberem o salário mínimo de 8,7 euros/hora, o facto de Sarkozy e Bruni terem aproveitado uma visita de Estado de dois dias ao México - em que a crise global foi um dos temas das conversações que reuniram Sarkozy e o presidente mexicano, Felipe Calderón -, para anteciparem a viagem e passarem mais dois dias num dos resorts mais caros daquele país centro-americano, provocou uma onda de irritação.Porque, mesmo tendo a estada na villa no paradisíaco El Tamarindo Beach and Golf Resort sido feita a título particular, a verdade é que, quando um líder pede sacrifícios aos outros, o mínimo que dele se espera é que não ostente o seu bem-estar financeiro. E Sarkozy terá pago cerca de 3400 euros por noite para ficar hospedado numa mansão privada daquele resort situado numa reserva natural na costa do Pacífico. A casa, que pertence a um amigo do presidente mexicano, possui todas as mordomias, o que inclui, por exemplo, praia privativa.Em resposta às reacções negativas que este fim-de-semana presidencial provocou na opinião pública, o Palácio do Eliseu alegou que a escolha do Tamarindo teve que ver com questões de segurança. E a segurança foi, de facto, apertada, com o exército mexicano a patrulhar a zona, dois navios de guerra junto à costa e helicópteros a sobrevoarem regularmente o resort.Aparentemente indiferente a toda a polémica, Bruni esteve sorridente e radiosa ao longo da visita, aparecendo com os seus vestidos bem-comportados - no seu já inseparável lilás - para os compromissos diurnos e arrasadora nos elegantes modelos que escolheu para a noite, como foi o caso do vestido preto com ombros descobertos com que compareceu ao jantar de gala oferecido no palácio presidencial.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras