Nas Bancas

Márcia e Rodrigo Pinto Barros: Uma família com ritmo

Redacção Caras
11 de fevereiro de 2009, 00:00

A partir da sua casa na Foz, no Porto, Márcia Pinto Barros alimentou a sua paixão pela música e, depois de muitas provas dadas, foi desafiada pela SonyBMG a editar versões de canções pop portuguesas em ritmo bossa-nova. Surpreendida, a cantora brasileira encarou a proposta como o passaporte para alcançar o seu lugar ao sol e, com o apoio de toda a família, agarrou o projecto do qual se orgulha e através do qual espera dar-se a conhecer aos portugueses. Há 20 anos no Porto, Márcia é o pilar da sua família, um papel que interpreta com naturalidade e boa disposição. Casada com o empresário português Rodrigo Pinto Barros - proprietário do PraiaGolfe de Espinho e presidente da APHORT (Associação Portuguesa de Hotelaria, Restauração e Turismo) -, têm três filhos: Breno, de 20 anos, Lucas, de 17, e Carolina, de 11. Os dois conheceram-se no Rio de Janeiro quando frequentavam a faculdade e, depois de dois anos de namoro, casaram-se, em 1987. "Procuramos fazer programas de que os miúdos também gostem para manter o espírito de união, que é muito importante." (Márcia) A viver no Brasil com a família desde os 12 anos, consequência da Revolução de 1974, Rodrigo Pinto Barros viu-se obrigado a voltar a Portugal em 1989 para assumir os negócios da família após a morte do pai. Com o casal veio o filho mais velho. A adaptação ao Porto, cidade que Márcia considerou "muito tranquila", fez-se com naturalidade. Hoje, com os filhos praticamente criados, a cantora resolveu dedicar-se em pleno à música. Uma paixão partilhada por todos os membros da família. Na casa que habitam, em cuja cave está instalada uma sala de ensaios com bateria, teclados, guitarras e microfones, respira-se música. - Acaba de ser posto à venda o seu disco Bossa-Nova. Sente que esta é a sua oportunidade? Márcia - Já tinha gravado um disco em 1998 só com canções da bossa-nova, mas agora é diferente. As expectativas são maiores. Neste CD revisito alguns dos temas mais emblemáticos da música pop portuguesa, como Não Sou o Único, dos Xutos & Pontapés, ou Perdidamente, dos Trovante. - Imagino que o Rodrigo acompanhe o trabalho da Márcia... Rodrigo - Sim, claro. A Márcia é uma batalhadora e há muitos anos que esperava o seu lugar. Ela é uma pessoa cheia de talento. Este CD é lindíssimo! Espero que tenha sucesso, pois foi feito com muito gosto e carinho. - Têm uma sala de ensaios na cave com muitos instrumentos. Fazem jam sessions em família? Márcia - Ultimamente estive concentrada no disco, mas antes fazíamos muitas jam sessions. O Rodrigo toca bateria e um pouquinho de guitarra; o Breno gosta de pôr música nos pratos; o Lucas adora fazer beat box e toca bateria; e a Camila está a aprender piano e adora dançar. "A Márcia é batalhadora, muito talentosa e merece este momento." (Rodrigo) - Continuam muito ligados ao Brasil. De que forma é que isso vos influencia? Rodrigo - Há uma ligação muito forte com o Brasil que nos faz sentir bem lá e aqui. Temos família nos dois países e os Natais, por exemplo, são intercalados. O Brasil está presente nos dias, na nossa maneira de ser. - A vossa família parece funcionar muito bem em conjunto, apesar de serem duas gerações? Márcia - Sim, damo-nos muito bem juntos. Somos uma família como as outras e respeitamos os espaços de cada um. Viajamos muito e procuramos fazer programas de que os miúdos também gostem para manter o espírito de união, que é muito importante para eles.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras