Nas Bancas

Camané: "Um cantor não devia ter cara, aquilo que está a fazer é que interessa"

Redacção Caras
28 de janeiro de 2009, 00:00

Em 2001, o jornalista Miguel Francisco Cadete, então no Público, considerava Camané o fadista do novo milénio, mas dizia que o fado era "incapaz de criar um mercado que ultrapassasse os seus círculos mais estritos, obrigando a maioria dos seus autores e artistas a carreiras paralelas". Sete anos depois, o fadista, de 41 anos, lançou Sempre de Mim, que entrou directamente para o primeiro lugar do top, tabela onde se manteve vários meses entre os discos mais vendidos, foi platina e reuniu o consenso da crítica, que o considerou o disco da consagração. De facto, trata-se de um trabalho incontornável. Para quem goste de fado, mas também para todos os que se predisponham a descobri-lo através de uma voz superior. "O fado é uma música de sentimento, mas não de sentimentalismo. O sentimento é mais profundo, demora mais a perceber." - Acha que o fado continua a ser a expressão da alma lusa?Camané - Não. Há pessoas que conhecem, gostam e se identificam muito, outras que estão a começar a identificar-se e as que têm a má sorte de não se identificarem de todo, que acusam o fado de ser lamechas. Acho isso uma má sorte e uma questão de preconceito, porque o fado é uma música de sentimento, mas não de sentimentalismo. E as pessoas facilmente vão para o sentimentalismo, mas rejeitam o sentimento. O sentimento é mais profundo, demora mais a perceber. - O José Mário Branco [produtor de todos os álbuns do fadista] diz que este CD é 'o Camané de sempre, como nunca'. Foi por essa qualidade que esteve sete anos sem gravar originais?- Houve uma altura em que tive medo de fazer este disco, porque tinha a obsessão de fazer um disco muito bom, que me ultrapassasse... Depois acalmei, fiz uma lista dos poetas que queria cantar, e eram uns 40! [risos] Mas de um dia para o outro mudei completamente a roupa do disco e aconteceu-me uma coisa que nunca me tinha acontecido: cheguei ao Zé Mário Branco com 17 poemas, e disse: 'São estes.' E foram esses menos um, que era da Amália. Interpreto-o ao vivo, mas não o gravei, nunca gravei um fado da Amália. "Quando estou a cantar, tenho de me esquecer de mim a ponto de não me exibir, de só passar a palavra, a música, o sentimento." - Acha que é um sacrilégio?- Não seria um sacrilégio, mas sou tão fã da Amália e há coisas que ela fez tão bem que não temos nada a acrescentar-lhes, são as versões definitivas. Mas se um dia sentir que posso dar alguma coisa a um fado dela, fá-lo-ei. - Neste disco, a sua voz está ainda mais profunda e depurada de trejeitos fadísticos...- Se quando cantamos fado vamos para a exibição, as pessoas nem conseguem apanhar a letra nem se identificam com a emoção, só fica o circo. E sempre tive um medo enorme disso. Quando estou a cantar, tenho que me esquecer de mim a ponto de não me exibir, de só passar a palavra, a música e o sentimento. E neste disco não me exibi nada. E é certo que as pessoas que ouvem falam da voz, mas falam essencialmente do sentimento que passa. - De facto, percebe-se que tão importante como a voz é o sentimento que põe numa interpretação...- Porque o mais importante é mesmo passar às pessoas o máximo de emoção, de alma, de sentimento. "É evidente que há uma identificação muito forte com aquilo que canto, mas não tenho necessariamente que estar a falar de mim." - Não tem problema em expor sentimentos quando canta e, no entanto, é uma pessoa muito reservada a falar de si...- Porque os sentimentos que exponho quando canto não são meus. É evidente que há uma identificação muito forte com aquilo que canto, mas não tenho necessariamente que estar a falar de mim, tenho é de encontrar dentro de mim o registo emocional do poema. E tenho de sair de mim o suficiente para não exibir a minha personalidade e conseguir transmitir aquelas emoções. - Ou seja, cria uma personagem que no fundo não é assim tão diferente de si como isso...- Há uma diferença grande, e quem me conhece sabe-o, porque quando me está a ver no palco não me está a ver a mim... Eu sou uma pessoa simples, antivedeta, e quando subo ao palco há uma grande transformação, consigo realmente sair de mim o suficiente para não ser tímido e enfrentar uma plateia. - Como é que conseguiu manter essa humildade depois de atingir o sucesso?- Não sou uma pessoa deslumbrada, mas também não sou muito humilde. Se me tocarem em certos pontos, reajo com arrogância e não com humildade. Sou humilde é quando canto. Acho que o acto mais inteligente de um cantor é conseguir pôr na cabeça que não tem importância nenhuma, o que tem importância é o que está a fazer, e conseguir sair dele próprio o suficiente para conseguir dar. "Tive sempre uma sorte extrema. Sinto-me sempre acompanhado, há sempre qualquer coisa que me puxa para cima." - Cantar é um prazer, um destino ou uma dádiva ao público?- É tudo. É como a vida. É como respirar. O prazer vem com as palmas, vem de se fazer uma coisa de que se gosta e de a dar às pessoas. Mas fazer o que se gosta não quer dizer que não se tenha dores, insegurança, dificuldades... - Os aplausos fazem-lhe falta?- Fazem. São uma forma das pessoas expressarem a sua gratidão por aquilo que nós lhes damos. - O seu percurso tem sido feito com muita calma e não parece ter tido o sucesso como a grande meta. Afinal, demorou 20 anos a aventurar-se num Coliseu em nome próprio...- De facto, não estava à espera de chegar onde cheguei e não seria grave não ter chegado. Quando parti para esta decisão de cantar, tinha 17 anos e não fazia a mínima ideia como é que as coisas iam acontecer. Mas sabia que não ia ser fácil... se bem que desde pequeno sempre achei que as coisas que tinham de ser minhas iam sê-lo. E também tive sempre uma sorte extrema. Sinto-me sempre acompanhado, há sempre qualquer coisa que me puxa para cima, que me faz crescer, que me faz ultrapassar as coisas menos boas que surgem ao longo da vida. - Tem cantado muito no estrangeiro, mas ainda não arriscou grandes salas, como, por exemplo, a Mariza já fez. O que é que falhou?- Não falhou nada, são só processos, pessoas e realidades completamente diferentes. A imagem do fado para um estrangeiro é sempre mais associada às mulheres. Talvez tenha que ver com a Amália, as pessoas lá fora não conheciam um Marceneiro como conheciam a Amália. De qualquer modo, não me sinto nada insatisfeito com a minha carreira no estrangeiro. Aquilo que mereço, tenho, se merecer mais, terei mais... Mas há cedências que não faço, por exemplo, não vou cantar com A ou B só porque é famoso e me pode ajudar... "O negócio da alma não é muito lucrativo, mas vende sempre." - Ou seja, e como já disse em público, a verdade vende mais devagar, mas também vende...- O negócio da alma não é muito lucrativo, mas dá para a vida toda. - Apesar de não rejeitar caminhos novos para o fado, é bastante tradicionalista na abordagem dos temas mais clássicos. E também é bastante conservador na imagem com que se apresenta em palco, sempre de fato escuro...- Não se trata de conservadorismo, porque não sou nada conservador, mas era incapaz de estar num palco e as pessoas estarem a reparar na minha roupa e não no que estou a cantar. Acho que um cantor nem sequer devia ter cara. Aquilo que ele está a fazer é que interessa, não ele. A expressão facial pode ser importante, mas não deve ser mais importante do que a voz. - Sente que a sua carreira lhe controlou a vida ou tem conseguido controlar as duas?- Em muitos aspectos, a carreira controlou a minha vida, mas de forma muito positiva. A carreira cresceu um bocadinho antes de mim e foi ela que me puxou, fez com que percebesse que humanamente tinha de crescer a ponto de estar ao lado daquilo que fazia. A carreira ajudou-me a ser uma pessoa melhor, tornou-me mais responsável, deu um sentido grande à minha vida. "Em muitos aspectos a carreira controlou a minha vida, cresceu um bocadinho antes de mim." - Reconhece que foi uma honra o Nicholas Oulmain tê-lo deixado gravar dois fados inéditos da autoria do pai, o Alain Oulman, que só compôs para a Amália, e com letras do Pedro Homem de Mello?- Sim, claro, ele nunca tinha dado fados do pai a ninguém, e de repente foi ouvir-me várias vezes e decidiu oferecer-mos mesmo sem eu lhos pedir. E quando os ouviu, chorou, essa foi a maior alegria que tive. Sempre quis cantar o Homem de Mello, o David Mourão Ferreira, o Luís Macedo, que foram poetas muito ligados à Amália, mas não queria cantar nada que a Amália tivesse cantado. O Sei de um Rio e o Te Juro, ela se calhar ouviu-os, mas não os cantou, e as gravações que tenho são cantadas pelo Alain Oulman, que tinha uma maneira de cantar muito parecida com a da Amália, a grande referência da vida dele. - Sei de um Rio é uma canção onde letra, voz e música se conjugam de forma sublime...- Sim, é uma canção muito boa. É uma coisa tão simples e há tantas mensagens que as pessoas podem tirar dali... - Parece um homem mais seguro que há dez anos...- Sim, muito mais, mas ainda tenho muito que caminhar, ainda procuro o equilíbrio. Gostaria de ultrapassar os defeitos e conseguir ser uma pessoa melhor. Gostaria de um dia ser um daqueles velhinhos que têm um olhar e um sorriso de criança.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras