Nas Bancas

Barack Obama elogia a mulher: "A Michelle é o pilar da família"

Redacção Caras
22 de janeiro de 2009, 00:00

Barack e Michelle Obama têm uma grande tarefa pela frente. Conscientes de que se espera muito deles, os Obama parecem saber administrar as expectativas e até se mostram à vontade no seu papel. Simpáticos, firmes, moderados, activos e descontraidamente elegantes, têm tudo a seu favor no momento em que ocupam a Casa Branca, na qualidade excepcional de primeiro casal negro a fazê-lo. "A Michelle mantém-me consciente da natureza das coisas. Conhece os meus pontos fortes e fracos, faz-me ter os pés assentes na terra se me levo muito a sério." Apesar da excessiva mediatização sobre a sua presidência, glorificada e sentimentalizada para lá do que seria normal, os Obama passam a ideia de um casal equilibrado e apaixonado na forma como lidam com a pressão mediática: quando Michelle deu os parabéns ao marido pela vitória nas presidenciais, sorriram naturalmente um para o outro, mostrando uma cumplicidade tudo menos forçada. E o novo presidente dos Estados Unidos não esconde a sua admiração pela mulher, seja enquanto mãe - das duas filhas do casal, Malia, de dez anos, e Sasha, de sete -, esposa ou conselheira. Ninguém espera que a advogada Michelle Obama, de 45 anos, uma jurista de sucesso diplomada pela prestigiada Universidade de Harvard, se remeta ao seu papel de dona de casa e mãe. O marido, dois anos mais velho, chama-lhe "o pilar da família" e admite que necessita do seu apoio e ouve as suas opiniões. De certa forma, esta aparente facilidade em mostrar que são pessoas como as outras - e no entanto em tudo diferentes, por força das circunstâncias - tem jogado a favor do casal. Barack permite-se, por exemplo, mostrar a sua dimensão humana, como quando chorou no funeral da avó, permitindo que a mulher se mantivesse ternamente firme a seu lado. Desde o princípio que está assente que Michelle terá sempre uma palavra a dizer na vida do marido. Barack sabe o que as pessoas esperam dele. "Honestidade. Competência. Elas esperam um governo que lute por elas. Eu estou disposto a viver à altura dessas expectativas, porque foi o motivo que me fez concorrer ao cargo", declara. E espera também que a sua mulher o recorde dessas metas: "Ela mantém-me consciente da verdadeira natureza das coisas. Conhece os meus pontos fortes e fracos, faz-me ter os pés assentes na terra quando me levo muito a sério." Se lhe perguntam quem tem o melhor sentido de humor, ele responde: "Ela." Michelle confirma: "Eu." Se se põe em questão quem tem a palavra final, ele não hesita: "Ela." A mulher concorda: "Eu." A sintonia é perfeita. "Mesmo como primeira-dama, o meu trabalho continuará a ser o de mãe." (Michelle) Mas quem é Michelle Obama? De onde vem, o que quer e que papel desempenhará no número 1600 da Pennsylvania Avenue, na ala leste da Casa Branca, um prédio construído em parte por escravos? A nova primeira-dama dos Estados Unidos é descrita como uma mulher de personalidade forte, que sabe impor-se e tem estilo. Estilo marcante, por sinal, e bem diferente do das suas antecessoras. De tal forma que já é comparada à mais famosa e elegante primeira-dama, Jacqueline Kennedy, sem no entanto ser considerada uma seguidora. Michelle Obama, Michelle O ou, simplesmente, Mrs. O, é autêntica e não tem medo de errar. "A minha prioridade será sempre a de fazer com que as nossas filhas estejam bem de saúde e mantenham os pés assentes na terra." (Michelle) Michelle sempre disse nunca estar muito interessada em ser o foco das atenções. Porém, não hesitou em dedicar dois anos da sua vida a uma exaustiva campanha para eleger o marido como primeiro presidente negro do país. Oficialmente, Michelle defende-se de toda a especulação sobre a sua ambição política. "Mesmo como primeira-dama, o meu primeiro trabalho continuará a ser o de mãe. A minha prioridade será sempre a de fazer com que as nossas filhas estejam bem de saúde e mantenham os pés assentes na terra, como crianças normais: com deveres, arrumações, dança e futebol", afirmou numa entrevista, ao mesmo tempo que se apresentava como uma "primeira-mãe". Na adaptação à Casa Branca, Michelle conta com a ajuda da própria mãe, Marian Robinson, de 71 anos, viúva. A função desta será a de ajudar a filha a cuidar de Malia e Sasha. Uma decisão aprovada pelo próprio Barack, que já esclareceu que não vê qualquer inconveniente em morar com a sogra. "A minha prioridade será sempre a de fazer com que as nossas filhas estejam bem de saúde e mantenham os pés assentes na terra." (Michelle) Michelle Obama pretende ainda seguir de perto a vida quotidiana das famílias americanas, particularmente das mulheres, como fez durante a campanha eleitoral. "Michelle quer continuar a trabalhar com o que gosta: apoiar as famílias dos militares, ajudar as mulheres que tentam conciliar trabalho e vida de família, e incentivar as boas acções", salienta a sua equipa. Porém, a longo prazo, esta jurista de sucesso, que ganhava mais como vice-presidente do Hospital Universitário de Chicago, do qual acaba de se demitir, do que o marido como senador, pode ir muito mais longe. Os americanos sabem-no, e não parecem incomodados com isso. Pelo menos enquanto durar este período de namoro com os Obama, que surgem como verdadeiros salvadores da pátria numa época especialmente difícil para o país, com a crise económica plenamente instalada.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras