Nas Bancas

Ana Elias da Costa e Luís Fernandes: Uma paixão predestinada ao sucesso

Redacção Caras
11 de dezembro de 2008, 00:00

Os três anos de diferença de idades começou por mantê-los separados em grupos de amigos diferentes, mas apenas adiou o inevitável. Ana Elias da Costa, de 32 anos, e Luís Fernandes, de 29, conheceram-se em criança e, embora apenas o piloto de aviação civil se recorde dessa altura, ambos sentem que estavam predestinados a ficar juntos. A história é simples e Luís recorda-a cheio de sorrisos: "Já nos conhecíamos há alguns anos, desde os meus oito anos. Ou, melhor, eu conhecia-a, ela talvez não tivesse dado por mim. [risos] Tenho uma fotografia no álbum de família em que ela está sentada numa vedação a assistir a uma prova [de saltos a cavalo] em que estou a participar e à volta dela está desenhado um coração. Coisas de miúdo... [risos] Na altura só nos cumprimentávamos, pois nem sequer pertencíamos ao mesmo grupo de amigos. Só mais tarde um amigo em comum nos convidou para passar umas férias num barco e foi aí que tudo começou." Luís e Ana casaram-se há cinco anos, depois de dois de namoro, e desta relação feliz já nasceram duas filhas: Carlota, de quatro anos, e Bárbara, de 18 meses. "Eu sou mais sincera, digo abertamente que tenho ciúmes e pergunto tudo, ele não, 'mói' para dentro." (Ana) - Pelo que concluo desta história, só pode ter sido o Luís a conquistá-la...Ana Elias da Costa - Sim, mas não foi difícil... [risos]Luís Fernandes - Também não foi tão fácil quanto isso, pois cada vez que eu aparecia, a Ana ficava um pouco incomodada. [risos]Ana - É verdade. Antes daquelas férias embirrava um pouco com o Luís, pois não me lembrava nada dele de infância e ele dizia que se lembrava lindamente de mim e que, inclusivamente, tínhamos namorado no início da adolescência. Depois fomos de férias e à última da hora esse nosso amigo lembrou-se de convidar o Luís, e foi a melhor ideia que ele teve em toda a vida. - Pode quase dizer-se que foi amor à primeira vista, se ignorarmos as respectivas infâncias?- Eu digo que foi amor à segunda vista. Foi raiva à primeira vista, pois achava um escândalo ele dizer que tinha namorado comigo, mas foi amor à segunda. [risos] Foi a melhor segunda vista que eu poderia ter tido. [risos] - Imagino que hoje em dia se divirtam a recordar esses momentos...- É realmente divertido, principalmente a história do álbum. É que a mãe dele guardou esse álbum... Só depois de namorarmos é que nos apercebemos daquela fotografia e que a menina com o coração era eu. Foi muito giro. "Por vezes perguntamo-nos o que faríamos aos fins-de-semana se não tivéssemos as competições e os cavalos." (Luís) - Sentem que estavam predestinados um ao outro?- Acho que sim, são aquelas coincidências fabulosas. Há coisas difíceis de explicar, e é curioso.Luís - Eu acho que estávamos realmente destinados um para o outro. - Têm tido, então, uma vida feliz...- Muito. - A profissão do Luís a estar ausente por alguns períodos. É difícil para a Ana?Ana - É óbvio que as fases em que ele está fora me custam, até porque sou bastante ciumenta, [risos] mas confio muito no Luís. Claro que preferia estar sempre com ele e acompanhá-lo nas viagens, mas isso não é possível. - E é somente a Ana que é ciumenta?- [risos] Não, eu sou é mais sincera. Digo abertamente que tenho ciúmes e pergunto tudo, ele não, 'mói' para dentro. Mas eu acabo por obrigá-lo a falar, pois acho fundamental que assim seja.Luís - De facto eu guardo as coisas para mim, mas sou mais ciumento do que ela.Ana - Eu falo logo sobre tudo, até porque acho que a conversa é fundamental para a longevidade de um casamento. Ele não gosta muito, mas insisto até à última. Mesmo sendo coisas sem importância, acho que é melhor falar logo do que guardar. - E qual dos dois é mais romântico?- Sou mais romântica na teoria e o Luís na prática. O Luís tem mais actos de romantismo do que eu, tem mais iniciativa. "Gostaria, acima de tudo, que aquilo que elas escolhessem as preenchesse. Se fossem os cavalos, seria maravilhoso." (Ana) - É fácil agradar à Ana?Luís - Sim, basta trazer um beijinho da rua que ela já fica feliz. [risos] - Então a Ana dá atenção aos detalhes...Ana - Imenso. Mas também é fácil ao Luís agradar-me. [risos]Luís - Por isso digo que o nosso casamento tem sido fácil. [risos] - A vossa vida mudou depois de terem sido pais?- Claro que sim. Especialmente em relação à parte social, de resto, é basicamente igual a quando começámos a namorar. Claro que há um determinado tipo de limitações, mas também é óptimo que assim seja.Ana - Sempre tentámos mudar o mínimo possível a nossa vida. Claro que elas são a nossa prioridade, mas não é a nossa vida que tem de mudar em função delas, temos, sim, de nos adaptar uns aos outros. Até mesmo quando temos concursos de saltos, pois ambos praticamos, e seria muito mais cómodo deixá-las com alguém, fazemos questão de as levar connosco. Claro que o facto de elas também adorarem os cavalos torna tudo mais fácil. - Mas procuram manter alguma independência enquanto casal...- Julgo que sim, até porque os momentos a dois são muito importantes e fazemos questão que aconteçam. Mas não deixa de ser um sentimento estranho, pois quando elas não estão presentes, é como se faltasse uma parte de nós, como se houvesse um vazio. - Para o Luís, deverá ser ainda mais complicado, uma vez que o trabalho o obriga a temporadas longe de casa e da família...Luís - É muito complicado estar longe delas e custa-me muito, especialmente aos fins-de-semana, pois é a altura em que estão sempre em casa, mas também a que eu raramente estou. Às vezes estou em casa durante a semana, mas como as meninas estão na escola e a Ana a trabalhar, nunca é a mesma coisa. Tento aproveitar ao máximo sempre que estamos juntos, mas sente-se sempre que falta algo. - Ambos trabalham, mas continuam ligados às competições equestres. Isso já faz parte da vossa rotina?Ana - Sim, para mim é muito complicado imaginar a minha vida sem os cavalos e sem os concursos.Luís - Muitas vezes perguntamo-nos o que faríamos aos fins-de-semana se não tivéssemos as competições e os cavalos. E muitas vezes questionamo-nos sobre o que é que as outras pessoas fazem... [risos] "É muito complicado estar longe delas, custa-me muito." (Luís) - A Bárbara e a Carlota também já têm uma boa relação com os cavalos. Gostariam que elas se dedicassem igualmente às competições?Ana - Estaria a mentir se dissesse que não. Adorava, mas tenho muita preocupação em autodisciplinar-me para não lhes impor isso. Gostaria, acima de tudo, que aquilo que elas escolhessem as preenchesse. Se fossem os cavalos, seria maravilhoso.Luís - Nós queremos que elas sejam aquilo que nós não fomos. Que tenham uma vida hípica um pouco mais além do que a nossa, embora a da Ana seja superior à minha, pois ela competiu e a minha foi apenas desportiva. - Sendo tão ligados à família, não é difícil adivinhar que dão grande importância ao Natal...- É realmente uma época para as crianças. Acima de tudo, gostamos é de estar em família, pois divertimo-nos sempre muito.Ana - Eu gosto imenso da época. Inconscientemente, a nossa vida melhora nesta altura, pois está tudo muito mais bonito e em geral as pessoas também andam mais bem-dispostas e são mais afáveis. Felizmente a nossa família é muito grande - a Carlota e a Bárbara ainda têm os oito bisavós vivos - e a época torna-se especial. Como é difícil juntar toda a família, vamos alternando entre a minha família e a do Luís. O que se mantém são as tradições. Por exemplo, gosto de fomentar a ideia da existência do Pai Natal e gostava que ambas descobrissem o mais tarde possível que o Pai Natal não existe. No início foi complicado arranjar solução para o facto de todos virem para casa na noite de Natal cheios de sacos, mas depois expliquei-lhe que como o Pai Natal tem muitos meninos a quem dar presentes, ao longo do mês de Dezembro vai depositando os presentes na casa dos familiares e, depois, quando for hora de os entregar, telefona. A Carlota achou o máximo e passa a noite à espera que o telefone toque. Claro que vamos contar a mesma história à Bárbara. [risos]

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras