Nas Bancas

Manoel de Oliveira: Uma vida a par e passo com a história do cinema

Manoel de Oliveira: Uma vida a par e passo com a história do cinema

Manoel de Oliveira: Uma vida a par e passo com a história do cinema

Redacção Caras
10 de dezembro de 2008, 00:00

O cinema dava ainda os primeiros passos quando Manoel de Oliveira nasceu. E o realizador, que comemora o seu centenário a 11 de Dezembro, recorda-se de, aí pelos seis anos, ir ver filmes de Charlie Chaplin ou Max Linder com o pai, um industrial portuense que foi o primeiro a fabricar lâmpadas em Portugal. Desse tempo ficou-lhe a vontade de ser actor cómico, que acabou por não concretizar, apesar de ter feito um curso de representação e de ter começado a sua ligação ao cinema com pequenos papéis em Fátima Milagrosa e A Canção de Lisboa. Ou seja, a sua vida correu a par e passo com a História da Arte que aos 100 anos ainda o faz mover com a energia de um jovem, uma paixão a que a sua incrível longevidade - incrível pela excelente forma física que mantém e pela extraordinária lucidez e capacidade criativa. O dia dos seus 100 anos será passado a filmar, em Lisboa, uma adaptação de um conto de Eça de Queirós, Singularidades de uma Rapariga Loira, que espera ter pronto no espaço de um mês, para a seguir se dedicar a um projecto antigo que quer levar a Cannes em 2009. O mais antigo dos cineastas vivos do mundo estreou-se atrás das câmaras com apenas 23 anos, no tempo do mudo, com o documentário Douro, Faina Fluvial, mas foi já depois dos 77 anos, quando se iniciou a sua profícua colaboração com o produtor Paulo Branco, com Le Soulier de Satin, que começou a fazer filmes ao ritmo alucinante de um ou mais por ano.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras