Nas Bancas

Wanda e Tatiana von Breisky: "Temos vivido um triste turbilhão de emoções"

Redacção Caras
7 de novembro de 2008, 00:00

Desde a morte do pai, o barão Stefan von Breisky, Wanda, de 32 anos, e Tatiana, de 27, têm-se mantido longe da comunicação social. Foi como regressar ao passado e à vida recatada que sempre tiveram e da qual saíram apenas para defender a honra, o bom nome e a memória do pai, que morreu a 2 de Agosto de 2007, despertando algumas notícias polémicas que sugeriam quezílias familiares.Passou pouco mais de um ano e o ciclo negativo parece estar finalmente a terminar. Após a morte do pai, as baronesas austríacas Wanda e Tatiana von Breisky enfrentaram ainda a morte dos avós maternos, que também viviam em Portugal. Recentemente, Wanda decidiu fixar-se definitivamente em Portugal, de onde tinha saído com 17 anos. "Sinto que o nosso pai ainda não nos deixou." (Wanda) - Como tem sido a vossa vida neste último ano?Wanda e Tatiana - Tem sido bipolar no que diz respeito às emoções. Desgastante devido à tristeza, mas muito preenchida pelo amor que nos une e pelo incrível apoio que nos tem sido dado pela nossa mãe, pela família e pelos amigos. Olhando para trás, parece que passaram dez anos. Vivemos e experimentámos um triste turbilhão de emoções que tornaram ainda mais difícil ultrapassar tudo. Foi muito em apenas um ano. - Como têm feito a gestão das saudades do vosso pai?Wanda - No início, confesso, senti-me muito zangada por o destino me ter tirado o meu pai. Ao mesmo tempo, estava agradecida por ele não ter sofrido tanto e ter morrido antes do sofrimento e da doença terem modificado a sua forma de encarar o mundo. A morte dele foi uma das situações mais difíceis por que passei em toda a minha vida. Não passa um dia em que ele não esteja no meu coração e nos meus pensamentos. Não passa também um dia sem que o seu nome seja mencionado pela família, pelos amigos ou simplesmente pelas recordações que determinado lugar me trazem à memória. Sinto que ele ainda não me deixou.Tatiana - Penso nele todos os dias e, ainda hoje, é muito complicado aceitar que perdi uma pessoa tão querida. "Confesso que no início fiquei muito zangada por o destino me ter tirado o meu pai." (Wanda) - Qual foi o maior legado que o vosso pai vos deixou?- Paixão pela vida, sede de conhecimento, saber perdoar e, mais do que tudo, o significado da palavra amor. Ele era um apaixonado pela vida, pelas pessoas e por tudo o que o rodeava. - Recentemente, a Wanda decidiu fixar-se permanentemente em Lisboa. Que razões estiveram na base dessa decisão?Wanda - O facto de viverem cá a minha mãe e a minha irmã, e ter também o apoio e o amor dos meus amigos. Além disso, tenho algumas obrigações e responsabilidades enquanto herdeira, e as recordações diárias e o sentimento de que o meu pai continua vivo, em espírito, em tudo e em todos os lugares, são as principais razões para ficar em Portugal. - Existem também razões profissionais...- Sim, a loja Soul, da qual sou sócia com a minha amiga Filipa Almeida. Conhecemo-nos desde crianças e entrar no mundo dos negócios ao lado dela é algo muito especial para mim. Estamos igualmente a desenvolver outros projectos que serão anunciados em breve. - Constituir uma família e ter filhos está nos seus planos?- Quem sabe o que o futuro nos reserva? Não tenho dúvidas de que Portugal é um local maravilhoso para formar uma família. A única certeza que tenho é que só quando me sentir segura de mim própria é que poderei pensar em estar com alguém. "A nossa relação foi sempre muito forte e fico muito feliz por ter agora a minha irmã mais perto de mim." (Tatiana) - Sente-se responsável pela Tatiana por ser mais velha? - É um sentimento natural, ainda que muitas vezes seja ela a mais responsável e consciente das duas. Temos personalidades muito diferentes, mas que acabam por se completar na perfeição. Sei que a minha irmã está sempre presente e é o meu melhor ombro e a minha maior força. Quero ainda agradecer aos nossos pais por nos terem ensinado e mostrado a importância da família. - Terem estado afastadas acabou por vos unir mais?Tatiana - Estávamos afastadas geograficamente, mas a nossa relação foi sempre muito forte. Fico muito feliz por ter agora a minha irmã mais perto de mim.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras