Nas Bancas

Maria das Dores regressa a tribunal e declara que vai provar a sua inocência

Maria das Dores regressa a tribunal e declara que vai provar a sua inocência

Maria das Dores regressa a tribunal e declara que vai provar a sua inocência

"A minha irmã manda-me dinheiro todos os meses para eu sobreviver." (Maria das Dores)

Redacção Caras
30 de outubro de 2008, 00:00

Os advogados de defesa de Maria das Dores, que foi condenada a 23 anos de prisão por ter ordenado a morte do marido, o empresário Paulo Pereira da Cruz, recorreram ao Tribunal da Relação, considerando que seria essencial ouvir em audiência os peritos que elaboraram o relatório de personalidade da arguida, algo que havia sido negado durante o julgamento.A Relação aceitou o argumento e, no passado dia 27, Maria das Dores e os outros dois arguidos, João Paulo Silva e Paulo Horta, voltaram à sala de audiências do Tribunal da Boa Hora. A defesa queria ver esclarecidos os factos que constam do relatório da Direcção-Geral de Reinserção Social que defendem, por exemplo, que Maria das Dores terá uma capacidade intelectual acima da média, sabe distinguir o bem do mal e apresenta traços de psicopatia. Esta última constatação foi a que gerou maior polémica, levando os advogados de defesa, Brito Ventura e Fernando Carvalhal, a questionar a subjectividade dos testes e das decisões das peritas envolvidas.Está agendado para o próximo dia 3 a leitura da decisão sobre esta diligência. Um dos cenários possíveis é a repetição do julgamento, outro a redução da pena de Maria das Dores. Há ainda a possibilidade da arguida sair em liberdade se esta decisão não acontecer antes do fim do prazo legal para a prisão preventiva, situação em que Maria das Dores ainda se encontra por o processo estar em fase de recurso. Entretanto, Fernando Carvalhal aguarda com expectativa a decisão do tribunal e fala sobre o estado de espírito da sua cliente: "Ela está muito abalada, como tem estado sempre. E à espera que se faça justiça." Maria das Dores apareceu na Boa Hora de semblante carregado e, ao contrário do que aconteceu noutras audiências, decidiu falar aos jornalistas, revelando que a boa vontade da irmã, Vanda Alpalhão, que reside no Algarve, tem sido determinante para o seu bem-estar: "Correspondemo-nos e ela manda-me dinheiro todos os meses para eu sobreviver, porque tiraram-me tudo. Deixaram-me apenas as chaves do túmulo do meu marido." Maria das Dores fez ainda questão de frisar: "Custe o que custar, demore o tempo que demorar, vou provar que estou inocente."No Tribunal da Boa Hora estavam presentes os familiares da vítima, mas não David Motta, filho da arguida.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras