Nas Bancas

Batata Cerqueira realiza sonho e prepara-se para agitar a noite de Lisboa

Redacção Caras
15 de outubro de 2008, 00:00

Em 1984, entrou na discoteca Twin's do Porto e disse: "Um dia isto vai ser meu." Há três anos, Batata Cerqueira Gomes realizou o sonho e hoje prepara-se para concretizar outro: a abertura do Twin's Lx. Para levar para a frente este projecto que promete agitar as noites de Lisboa, o empresário convidou Eduardo Carvalho da Silva para seu sócio. A dias da inauguração, Batata propôs à CARAS que assistisse aos últimos preparativos antes da grande noite. - Faltam apenas algumas horas para a inauguração do Twin's Lx. O que podemos esperar desta noite? Batata Cerqueira Gomes - Não gosto de pôr a fasquia muito alta, mas gosto de surpreender. E o facto do Twin's Lx ser uma réplica do espaço do Porto já vai ser uma grande atracção. Quando vierem ao Twins vão sentir que isto é qualquer coisa de diferente do que existia em Lisboa. - Essa foi a razão por que decidiu vir para Lisboa? - Primeiro, foi porque esta é uma cidade que eu adoro, tem um encanto especial, e eu sempre quis ter cá um negócio. Depois, porque fiz também uma prospecção de mercado e andei muito na noite de Lisboa, mais ou menos camuflado, e vi que realmente nenhum sítio reunia o espírito e as condições do Twin's do Porto. Por isso achei que esta era a melhor altura para abrir o Twin's Lx. Se vai resultar ou não, não sei. Mas este espaço tem, de facto, um carisma especial. Acho que depois de abrir e de as pessoas virem aqui vão perceber porquê. - É um sonho tornado realidade? - É. Primeiro, porque desde 1984 que dizia que o Twin's do Porto ia ser meu - é um espaço com 35 anos, mas nas minhas mãos está há três. E consegui. Depois, porque Lisboa é uma cidade linda, que adoro, apesar de ser portista ferrenho. Por isso, digo que o Twin's Lx é o começo de um sonho, porque o sonho só fica realizado se isto for um sucesso. E para isso tem de se trabalhar muito, razão pela qual contamos com um sócio como o Eduardo Carvalho da Silva, que só aceitou este desafio à terceira... Eu sou muito teimoso. - Abrir este espaço na capital vai obrigá-lo a mudar-se para cá com a família? - Se a minha mulher, a Raquel, estivesse aqui, zangava-se já. [risos] Sou uma pessoa muito próxima da família, muito presente. Embora as pessoas associem sempre o nome Batata à noite. Eu sempre tive negócios na noite, mas nunca me senti um homem da noite. E para mim, a melhor coisa do mundo é estar em casa de pantufas, no meu sofá, de comando na mão, a chatear a família toda, ainda mais agora que sou avô... É lógico que Lisboa vai precisar de um bocadinho de mim, mas também não posso descurar o Twin's do Porto. É lógico que estarei aqui sempre que for preciso. A minha preocupação é: como é que eu vou jogar com o Twin's Porto e o Twin's Lx? - Vai andar constantemente entre viagens? - Vou andar numa roda-viva de um lado para o outro. Acho que isso vai custar muito à Raquel, e aos meus filhos, a Carlota e o Luís. Eles não acham piada nenhuma. Às vezes estou aqui e ligam-me a pedir para ir para cima. Mas a Raquel é uma grande mulher e compreende isso perfeitamente. Tenho a certeza absoluta que se ela estivesse aqui faria o mesmo que eu, ela vive as coisas como eu... e também me diria para ter paciência, porque não iria abandonar isto. Este amor pela hotelaria, este gosto em agradar as pessoas, nasce connosco. - Então, apesar de reclamarem de uma certa ausência, apoiam-no... - A Raquel é a primeira a reclamar, com toda a razão, mas é também a primeira a arregaçar as mangas e a ajudar-me. Todo o sucesso que tive até agora agradeço-o e devo-lho a ela, porque se não fosse por ela não o teria de maneira alguma. - O facto de trabalhar à noite nunca o impediu de ser um pai e um marido presentes? - Já não trabalho à noite desde 2000, muito embora tenha negócios à noite. Os negócios da noite têm sucesso quando são preparados durante o dia, o segredo é esse. E é isso que eu faço. Eu gosto é de preparar a noite. - Portanto, tem conseguido gerir as coisas? - Eu e a minha mulher estamos sempre muito próximos e os nossos filhos já vivem loucamente tudo isto. Sempre assistiram às nossas conversas e às reuniões do pai e da mãe, porque, muitas vezes, sem querer, levamos trabalho para casa. Eles habituaram-se, e hoje em dia já discutem, dão opiniões e ajudam nos eventos. O que é muito bom. A Carlota é uma excelente relações-públicas, toda a gente diz que ela é igual a mim. E o Luís, embora esteja em Direito, já me ajuda no Twin's, gosta de organizar, preocupa-se e troca muitas impressões comigo. Também sai ao pai, menos nos estudos. Ele é um excelente aluno, e isso herdou da mãe, porque eu sempre fui um 'cabulão'. - Mas mesmo sem estudar conseguiu chegar longe... - O meu pai é médico e eu em miúdo também queria ser médico, lembro-me do meu pai dizer: "És burro se fores para médico. Só te peço uma coisa. Seja o que for que fizeres, nem que seja sapateiro, fá-lo bem."

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras