Nas Bancas

Mafalda Veiga revela que está divorciada e confessa: "Estou numa fase óptima"

Redacção Caras
18 de setembro de 2008, 00:00

Nestes últimos cinco anos, a vida de Mafalda Veiga, de 42 anos, entrou numa nova etapa. Além de ter passado todo esse tempo sem gravar um disco a solo, a cantora divorciou-se de António Cordovil, de 43, com quem esteve casada mais de uma década e de quem tem um filho, Tomás, agora com oito anos. Entretanto, o último disco que gravou, em parceria com João Pedro Pais, deu origem ao boato de que os dois músicos estariam a viver um romance, o que Mafalda aproveita para desmentir nesta entrevista, na qual revela atravessar uma fase muito boa, até porque o seu mais recente disco, Chão, tem sido um verdadeiro êxito. - Neste seu último disco dá a conhecer uma compositora e intérprete diferente...Mafalda Veiga - É um disco mais objectivo, com arranjos mais simples, mas ao mesmo tempo com uma grande capacidade de respeitar muito as canções. O objectivo que tinha era fazer um disco em que as canções e as letras tivessem mais espaço. - Duas semanas depois de ter sido lançado, foi logo disco de ouro. Parece ter entre mãos um sucesso...- Tem corrido muito bem, os concertos têm estado sempre cheios, as pessoas sabem as letras e, pelo retorno que tenho tido no site, parece-me que, de todos os discos da minha carreira, este é aquele de que as pessoas mais gostam. E eu também, sinceramente, estou muito feliz com o resultado. "Sou muito crítica em relação ao meu trabalho, em relação às músicas e sonoridades. Gosto de experimentar e melhorar." - Como artista, sente o peso da responsabilidade de cada vez que inicia um novo trabalho?- Não é bem o peso da responsabilidade, julgo que esse é o objectivo de qualquer pessoa no seu trabalho. Quando faz, tem de ser melhor do que já fez. Sou muito crítica em relação ao meu trabalho, em relação às músicas e às sonoridades que quero ter. Gosto muito de experimentar e melhorar. - Qual é o balanço que faz destes vinte anos de carreira?- Para mim não é carreira. Não considero o meu trabalho uma carreira, pois está muito ligado à minha vida. Quando escolhi fazer música, foi uma escolha de vida. O balanço é muito positivo, pois tenho o privilégio de fazer e viver daquilo que mais gosto. - Quando não está a trabalhar, ouve as suas músicas?- Só para trabalhar. Se estiver a passar na rádio, fico a ouvir, mas nunca me consigo afastar do sentido crítico. "Quando se tem filhos, tudo é conciliado em função deles." - Costuma dizer que os seus discos marcam diversas fases da sua vida. Que fase é esta?- Qualquer escritor de canções fala muito no seu universo pessoal, mesmo que esteja a falar daquilo que o rodeia, é sempre a nossa visão pessoal das cosias, do que sentimos e do que pensamos sobre determinada coisa. Para mim, sem dúvida que cada disco é sempre o reflexo daquilo que sinto naquele momento. Este disco é um reflexo daquilo que sou agora, como pessoa e como músico. - Considera que é hoje uma pessoa diferente do que era há dez ou 15 anos?- Acho que sim, as pessoas vão evoluindo com o tempo, vão sendo diferentes... Acho que nunca devemos deixar-nos fechar em rótulos, embora muitas vezes tenhamos essa mania. Gosto de me pensar como alguém que muda, que vai evoluindo e que está aberta a todas as influências, e acho que isso é que é importante, pois caso contrário não teria nada para escrever. - O seu filho é o seu maior fã?- [risos] Não sei... O Tomás tem muito jeito para música e está a estudar bateria. Agora já tem idade para me acompanhar sempre que é possível, e adora. - Ele tem noção de que a mãe é uma figura pública?- Ele está muito habituado desde que nasceu e para ele é normal, eu sou é a mãe dele. Ele está muito habituado ao meu trabalho... "Para mim, a vida sem paixão não faz sentido nenhum." - Alguma vez sentiu que perdeu algo no crescimento do Tomás devido à sua profissão?- Não, porque quando se tem filhos, tudo é conciliado em função deles, e foi isso que sempre fiz. O mais complicado e mais difícil de conciliar são as alturas em que estou em gravação no estúdio. Os trabalhos de estrada são mais pontuais e posso levá-lo, o estúdio implica sair de casa muito cedo e chegar sempre muito tarde e, por isso, nessa altura fico muito tempo sem o apanhar acordado quando chego. Mas é uma fase, e ambos estamos preparados para isso. Deixo sempre tudo organizado para que nada falhe na rotina dele. - E ele alguma vez lhe cobrou as suas ausências?- Não. Tem saudades, mas não cobra nada. - Que tipo de preocupações tem com o Tomás?- Preocupo-me com o seu presente, mas sobretudo com o seu futuro. Todos sabemos como as coisas estão mal, mas nunca podemos deixar de acreditar que podem mudar para melhor. Devemos olhar para a vida com esperança e com vontade de mudança, e é isso que transmito ao meu filho. "Sempre fomos os maiores amigos, e isso não é de todo verdade." [sobre o suposto romance com João Pedro Pais] - A Mafalda tem conseguido construir uma carreira sem sacrificar muito da sua privacidade...- A minha profissão é fazer música e não ser famosa. Acho que é importante divulgar o meu trabalho, mas não me parece que a minha vida pessoal interesse a alguém. É muito importante as pessoas estarem ligadas a mim pela música e não pelo que faço com a minha vida. - Por isso nunca falou sobre a sua separação, que já aconteceu há três anos...- De facto, prefiro não tocar nesse assunto, mas posso confirmar que estou mesmo divorciada. - Na altura em que gravou o CD com o João Pedro Pais, chegou a comentar-se que estariam também a viver um romance. É verdade?- Sempre fomos os maiores amigos, e isso não é de todo verdade. - Está então solteira?- Bom, isso já é do foro pessoal, por isso não vou responder. "Devemos olhar para a vida com esperança e com vontade de mudança, e é isso que transmito ao meu filho." - É uma mulher apaixonada?- Acho que todas as pessoas o são e, para mim, a vida sem paixão não faz sentido nenhum. - Como se sente nesta fase?- Sinto-me muito bem. - Pode então dizer-se que ultrapassou bem a fase, obviamente sempre delicada, do divórcio?- Estive sempre bem. Levei as coisas com bastante ligeireza, tenho estado bem e estou numa fase óptima.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras