Nas Bancas

Nelson Évora a três passos da vitória

Redacção Caras
14 de agosto de 2008, 00:00

Nasceu na Costa do Marfim, há 24 anos, e quando chegou a Portugal, com seis anos, foi morar para Odivelas. No mesmo prédio em que vivia João Ganço - antigo recordista nacional de salto em altura. Tornou-se amigo de um dos três filhos do desportista, David. João Ganço viu-o correr e convenceu-o a inscrever-se no atletismo, onde David já andava. Hoje, Nelson Évora é um dos nossos melhores atletas, tendo batido vários recordes nacionais e internacionais em 2007, ano em que se sagrou campeão do mundo de triplo salto nos Mundiais de Osaka, no Japão. Agora, o atleta prepara-se para dar o seu melhor nos Jogos Olímpicos de Pequim, onde vai defender as cores de Portugal no triplo salto, no dia 21 de Agosto. "Muitas vezes dou passos atrás para reorganizar a minha vida e depois começar tudo de novo." (Nelson Évora) - Que recordações guarda da Costa do Marfim?Nelson Évora - Era muito novo, mas lembro-me perfeitamente da casa, da escola, dos amigos, de tudo. Tenho boas recordações e hei-de voltar, porque tenho curiosidade de ver tudo o que lá ficou. - Gostava de ter tirado um curso superior e não conseguiu, por causa dos treinos...- Mas também faço algo importante, de que gosto muito. Quem estivesse no meu lugar tomaria a mesma opção... Mas hei-de tirar o meu curso, é um dos meus objectivos de vida e é algo que me vai dar muito gozo fazer. - Vai ter muitas pessoas de olhos em si, com esperança de que suba ao pódio em Pequim. Se isso acontecer, vai continuar a treinar para as próximas Olimpíadas?- Claro, aconteça o que acontecer, continuarei a treinar para o próximo ciclo olímpico, mas também para os Campeonatos do Mundo e da Europa. Tenho 24 anos, sou um atleta jovem, tenho possivelmente mais duas edições dos Jogos Olímpicos para fazer, por isso vou continuar a treinar. - Costuma dar passos maiores do que as pernas?- Nunca. - E passos atrás?- Muitas vezes dou passos atrás para reorganizar a minha vida e depois começar tudo de novo. - Nesta altura está a três passos da vitória...- Sim, o triplo salto da vitória. Aqui já não há passos atrás a dar, é tudo para a frente. Os três maiores que conseguir! - Quantas horas por dia treina?- Depende de várias coisas: das horas do treino, do estado do tempo, se tenho de fazer recuperação depois... Mas normalmente são três horas por dia. "Aconteça o que acontecer, continuarei a treinar para o próximo ciclo olímpico." - Em que pensa um atleta nos segundos que antecedem os saltos?- Em acumular o máximo de energia e soltá-la toda naquele momento. Quando entro no corredor tenho de me sentir o mais confortável possível. Se isso acontecer, quer dizer que estamos bem. - E o pior que pode acontecer nessa altura é?- Não ter vontade de arrancar. - Acontece?- Às vezes, mas normalmente isso acontece porque algo está mal fisicamente, ou temos dores ou medo de nos aleijarmos. - Mas é preciso ter o espírito positivo e pensar que vai correr tudo bem?- Sim, é verdade. - Se ganhar uma medalha, a quem a vai dedicar?- Ao meu pai. Porquê? Porque ele merece. Os meus pais merecem, por tudo o que me deram até agora, pelo que fizeram para que eu conseguisse ser o que sou hoje. Apoiaram-me desde o início, incondicionalmente. O meu pai está um bocado doente, e quero-lhe dar essa alegria, para ver se ele fica feliz e mais animado. - Eles não vão aos Jogos?- Não vão poder ir, mas vão acompanhar a minha prova como em Osaka. Nessa altura devem estar em casa do meu irmão mais velho, na Bélgica, com os netos. "O pior que pode acontecer antes de um salto é não ter vontade de arrancar, mas normalmente isso acontece porque algo está mal fisicamente."

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras