Nas Bancas

Terminada a relação de quatro anos com Martim Krupenski, Helena Isabel, de 56 anos, diz que está a gostar da vida de solteira

Redacção Caras
13 de agosto de 2008, 00:00

Costuma-se dizer que depois da tempestade vem a bonança, e Helena Isabel é um bom exemplo disso. Há uns meses, para além de ter fechado a sua loja de acessórios, a actriz terminou a sua relação de quatro anos com o advogado Martim Krupenski. Porém, agora tudo parece correr na perfeição. Renovado o contrato com a TVI, Helena Isabel vive esta nova fase com tranquilidade e optimismo, enquanto goza de umas merecidas férias na companhia de amigos, no Algarve. E foi precisamente onde marcámos encontro com a actriz e esta nos assegurou estar a adorar a vida de solteira. "Todas as relações têm o seu tempo e o nosso esgotou-se. Foi uma decisão tomada de comum acordo, sem dramas nem conflitos." - Depois de gravar duas novelas seguidas, decidiu agora tirar um tempo para se dedicar inteiramente a si? Helena Isabel - Nos últimos anos, felizmente, não me tem faltado trabalho. A par destas duas novelas, ainda estreei uma peça, A Separação, com o Heitor Lourenço, encenada pelo Almeno Gonçalves. Andámos em digressão até Junho, por isso acho que estas férias são bem merecidas. Tenho aproveitado para dormir e para fazer todas as coisas que normalmente não tenho tempo para fazer. - Este é o primeiro Verão que passa sozinha, sem namorado, pois acabou recentemente a relação que mantinha há quatro anos com Martim Krupenski... - Não é o primeiro Verão que passo sem namorado! E, independentemente de ter namorado ou não, o meu Verão está a ser muito bom. De há alguns anos a esta parte é o primeiro que passo sem trabalhar e assim posso aproveitá-lo em pleno. Tenho feito muita praia, tenho saído, tenho estado com amigos. Estou a sentir-me muito bem. Aliás, o facto de estar solteira dá-me outra disponibilidade. Essa história de estar sozinha nunca me assustou, porque sou muito independente. - O que é que acha que correu mal na sua relação com o Martim? - Não gosto de falar da minha vida pessoal, mas ultimamente tem saído tanto disparate em certa imprensa que gostava de encerrar este assunto de uma vez por todas: o que aconteceu foi que todas as relações têm o seu tempo e o nosso esgotou-se. Foi uma decisão tomada de comum acordo, sem dramas nem conflitos. Foi uma situação muito bem resolvida e por isso é claro que ficámos amigos. - Mas não fechou as portas ao amor, pois não? Sente-se preparada para uma nova paixão? - Se quer que lhe diga, não penso muito nisso. Se tiver que acontecer, cá estou eu para o que der e vier. - Que qualidades aprecia num homem? O que é preciso para a conquistarem? - São as mesmas que aprecio nas mulheres: inteligência, sentido de humor, charme, lealdade... Mas claro que tudo isto é teoria, porque se não só nos apaixonávamos pelo homem certo, o que nem sempre acontece. Há coisas que não se explicam, sentem-se. A paixão é assim. "As qualidades que aprecio são inteligência, sentido de humor, lealdade..." - Um mal nunca vem só. Teve de fechar a sua loja de acessórios. Porquê? - A Balangandã foi um sonho que não deu certo. Sempre me interessei muito por moda e sempre sonhei ter uma loja, neste caso de acessórios, visto que um dos meus hobbies é a confecção de bijutaria. Só que não foi na melhor altura. O País está em crise e todos os negócios se ressentem, especialmente os pequenos, como era o caso. Também não escolhi o melhor local. De qualquer modo, abrir outra loja, neste momento, está fora de questão. Talvez um dia, quem sabe. - A par desta situação da loja, falou-se que estaria a atravessar uma crise financeira... Agora, com a renovação do contrato da TVI, qualquer problema que tivesse a esse nível foi ultrapassado? - Como é que posso estar a atravessar uma crise financeira se há anos que não paro de trabalhar? É claro que não sou rica, é claro que a crise também me afecta, mas vivo do meu trabalho, que, felizmente, não tem faltado. "O meu filho é o homem da minha vida." - Um dos papéis mais importantes da sua vida é o de mãe. Como é a sua relação com o seu filho, o Bernardo? - O meu filho é o homem da minha vida. Temos uma relação normal, com altos e baixos, mas o importante é que gostamos muito um do outro. Tento exercer a minha autoridade de mãe, mas ele sabe que também sou amiga e que pode falar comigo de todos os assuntos, como, aliás, sempre fez. Entre nós não há tabus nem assuntos proibidos. - Aos 56 anos, é uma das actrizes portuguesas mais elegantes. Como consegue? Ninguém lhe dá essa idade... - Acha? Olhe, sorte e alguns cuidados, sobretudo com a alimentação. Tento não fazer muitos disparates e também faço muito exercício. Acho que o fundamental é que continuo a não me acomodar, continuo a ter a capacidade de me entusiasmar com a vida, de me apaixonar...

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras