Nas Bancas

Aliviada com o divórcio, Carla Baía vive dias felizes ao lado de Nuno Lourenço

Redacção Caras
6 de agosto de 2008, 00:00

O seu rosto mudou há cinco anos, quando se separou, e só agora o seu semblante perdeu a expressão carregada e sofrida de quem passou por um longo processo de divórcio litigioso. Carla Baía, de 36 anos, sempre viveu em função de alguém - primeiro de João Pinto, com quem partilhou 17 anos de vida, 15 dos quais casada, e depois dos filhos de ambos, Tiago, de 20 anos, e Diana, de 17. Agora, a empresária e relações-públicas do Manta Beach pretende viver em função de si mesma, até porque a vida lhe ensinou que o amor próprio é fundamental e que aquilo que achamos ser um dado adquirido cedo se torna uma lembrança do passado. Ao lado de Nuno Lourenço há três anos, Carla sente-se uma mulher feliz, mas não pretende voltar a casar-se nem ter filhos. Três meses depois da empresária e de João terem assinado os papéis do divórcio, e depois de ter ganho uma acção por difamação e ofensa à integridade física contra Isméria de Jesus (ex-mulher de Nuno Gomes), Carla falou pela primeira vez do sentimento de alívio que sente por finalmente estar tudo resolvido. - O final dos processos em tribunal foi o fechar de um ciclo?- O ciclo já tinha sido fechado antes, e sobre isso não quero falar muito. É mais no sentido de que agora já posso respirar fundo. - Como se sente?- Aliviada, pois acabei com estas confusões todas. Essencialmente porque agora tenho paz de espírito, e era disso que precisava. - Foi uma fase difícil?- Foi, até porque, infelizmente, não foi uma fase privada, foi pública, e isso também a tornou mais complicada. - E agora que já está oficialmente divorciada, tem planos a dois com o Nuno?- Estamos muito bem assim, o futuro é amanhã, é daqui a uma hora... o que interessa é o presente. - Deixou de acreditar na instituição casamento?- Não, nunca. Continuo a acreditar no casamento, na família, e é assim que também educo os meus filhos. - Então não descarta a hipótese de se casar outra vez?- Descarto. Acho que essa altura já passou. Tudo na vida tem o seu momento e o meu já passou. - E de voltar a ser mãe?- Adoro bebés, mas não me vejo a passar por tudo novamente. Agora, só avó. - Isso advém da necessidade de finalmente viver para si?- É mesmo isso, sinto essa necessidade. Porque vivi de facto sempre em função de alguém e agora quero viver para mim. Depois de sermos mães nunca podemos viver só a pensar em nós, mas sinto que essa função já está cumprida. Vou continuar a ser uma mãe presente, como sempre fui, mas eles já estão criados e agora tenho de pensar em mim. - A resolução do processo de divórcio também trouxe essa necessidade?- Não, essa necessidade já existia há muito tempo. Quando percebemos que os nossos filhos já estão criados, acabamos por nos sentir postas de parte, é um sentimento estúpido, mas é verdade. Quase nos sentimos inúteis. - Há uma Carla de antes e outra de depois da separação?- Há. - Qual a diferença entre uma e outra?- Gosto mais de mim, aprendi que não devo dar tanto aos outros, que devo ser menos sonhadora e viver mais o presente, porque na maioria das vezes os planos são inúteis. - E sente-se mais forte?- Sim, e também mais serena. - E feliz?- Isso sem dúvida. Estou feliz. É bom ter o sentimento da tranquilidade.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras