Nas Bancas

Ana Lúcia Palminha: "Se surgirem tabus, esborracho-os com o pé"

Redacção Caras
17 de julho de 2008, 00:00

Andavam à sua procura e encontraram-na. Ana Lúcia Palminha vai ser Sally Bowles na versão portuguesa para palco de Cabaret (musical da Broadway que, na versão cinematográfica, deu um Óscar a Liza Minnelli, em 1972). Foi com surpresa que a actriz, de 27 anos, ouviu o seu nome quando anunciaram a vencedora de À Procura de Sally, o programa de televisão que tinha como objectivo escolher a protagonista para o musical, que vai estrear a 10 de Setembro, no Teatro Municipal Maria Matos, e cujos bilhetes já estão à venda. Tendo o teatro como formação de base, Ana Lúcia começou de imediato com aulas de dança, para se preparar para este 'triatlo artístico' - a mistura de teatro, canto e dança necessária para este espectáculo. Apaixonada pelo que faz, a actriz vai deixar tabus de lado para dar vida a esta personagem que vai levar muitos portugueses a espreitar pelo 'buraco da fechadura' para ver como se vive a sedução, a loucura e a arte dentro de um cabaré. - Por que é que se candidatou para este papel? Ana Lúcia Palminha - Por vários motivos. Desde logo percebi que podia ser uma experiência muito enriquecedora. Sabia que ia aprender muito e que ia passar por algo novo. O grande desafio foi juntar dança, representação e canto. A união deste triatlo artístico é rara e muito apetecível. E depois a personagem Sally Bowles é um mundo. Ela é única e fantástica. É um papel maravilhoso para qualquer artista. Sei que vou ter de me transcender todas as noites. Terei de me renovar constantemente, para não me cansar de mim própria. - O que é que foi buscar de si para dar a esta Sally? - Penso que, tal como a Sally, sou uma pessoa forte. Depois, e também como ela, acho que tenho uma certa infantilidade. Embora eu tenha um ar mais maduro e sério, também tenho os meus momentos de loucura e de imprevisibilidade. Só tenho de pegar neles e exagerá-los. E sei que vou ter de criar muitas emoções dentro de mim que vão rebentar. Vai ser um turbilhão de sentimentos. - E o que é que a distancia mais desta personagem? - Penso que a Sally vai ensinar-me a ser mais impulsiva, a ter uma maior liberdade mental. Neste universo, a diversão ocupa um lugar de destaque. Passou-se a assumir bissexualidades, orgias... E o cabaré é como o buraco de uma fechadura por onde espreitamos e vimos uma parte da intimidade humana completamente a nu. A sedução e o corpo deixaram de ser tabu. E todos nós temos essa ânsia de assumir os nossos desejos. É uma forma de nos descobrirmos a nós próprios. - Lida bem com a sensualidade da personagem? - Lido. Não tenho tabus em relação ao corpo e, se surgirem, esborracho-os com o pé. - Esta personagem é muito forte, certamente também vai ter influência na sua vida pessoal. Está preparada para isso? - Por acaso já noto algumas mudanças, sobretudo no que diz respeito à gestão do tempo. Já não tenho a sensação de que não tenho nada para fazer. Mas penso que tudo tem solução. E quero viver um dia de cada vez, para saborear todos os momentos.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras