Nas Bancas

São José Lapa e a filha, Inês, juntas na vida e no palco

Redacção Caras
2 de julho de 2008, 00:00

O Espaço das Aguncheiras, perto do cabo Espichel, foi o local escolhido para esta produção fotográfica. Uma opção óbvia, já que é ali que mãe e filha se dedicam, há quatro anos, a gerir uma cooperativa cultural para a qual contribuem as ideias e ajudas de vários amigos. O objectivo é descentralizar o teatro, paixão comum de São José Lapa, de 57 anos, e de Inês Lapa Lopes, de 33, cuja sintonia é evidente. Dia 5 de Julho estreiam O Tio João, adaptação de O Tio Vânia, de Anton Tchekov, numa encenação de São José e cenografia de Inês, na qual participam ambas como actrizes. Mais um sinal da cumplicidade e sintonia de ambas, que foi bem evidente durante esta tarde soalheira que passaram connosco. - Já trabalharam juntas várias vezes e preparam-se para dividir novamente o palco. Não se torna complicado?São José Lapa - Só utilizaria a palavra complicado no sentido em que o à-vontade entre nós é tão grande que é mais fácil apontar alguma coisa do que a um mero colega.Inês Lapa Lopes - A minha mãe é muito directa em tudo o que diz e não apenas a mim, comigo só me chateia quando começa a dizer que estou muito magra. [risos] - Isso é uma atitude típica de mãe...- Claro. Por um lado, somos profissionais e evitamos misturar as coisas, por outro, não consegui­mos deixar de ser mãe e filha. - Costumam ser críticas uma da outra? São José - A minha filha tem uma coisa maravilhosa, pois é muito delicada, ao contrário de mim. [risos] - Não será essa diferença que vos complementa? - Provavelmente, sim... - Esta é uma profissão de altos e baixos. Nunca aconselhou a Inês a seguir outro caminho? - Nunca lhe facilitei nada, caso contrário, ela teria começado no teatro muito antes, mas também nunca a impedi. Inês - Eu fui educada pela minha mãe e foi com ela que sem­pre vivi, por isso, também assisti aos altos e baixos da profissão, e isso também me demoveu, de alguma forma. - Será que o facto da Inês ser filha única e filha de pais sepa­rados levou a São José a querer prepará-la mais rapidamente para enfrentar o mundo? São José - Não foi necessário, até porque ela sempre foi ex­traordinária e preparava-se por ela própria. Sempre quis foi que ela tivesse noção do que é esta profissão. - A Inês sente o peso do apelido? Inês - Tenho de confessar que sim. Aliás, eu assino Inês Lapa Lopes, pois tenho uma admiração artística muito forte tanto pelo meu pai [Alberto Lopes, músico e encenador], como pela minha mãe. Mas sei que as pessoas me associam mais à minha mãe, e isso tem tanto de positivo como de negativo. Por um lado, há quem empatize de imediato comigo por causa da minha mãe, mas também há quem hostilize. O mundo também acaba por se equilibrar dessa forma. [risos] - A São José é uma mãe-galinha?São José - Completamente, e sou muito chata. O meu pai foi assim até ao dia em que morreu, há meia-dúzia de meses, e eu sei que vou ser igual. Preocupar-me-ei sempre. - Sente a falta do seu pai?- Claro que sim, e de vez em quando ainda me deprime um pouco pensar que morreu, mas se calhar também é por isso que este ano me sinto mais em baixo. Pois dois meses depois da morte do meu pai perdi a minha mãe. - Além das semelhanças físicas entre vocês, são parecidas em termos de personalidade?Inês - Claro que sim, mas também tenho muita coisa do meu pai e já vou tendo alguma só minha. [risos] - Qual a melhor recordação que têm juntas?São José - A memória nunca há-de ser a mesma... Eu gosto sobretudo quando a Inês pinta e expõe, mas também representa, e aí fico com o meu ego elevadíssimo.Inês - Houve momentos, aqui no Espaço das Aguncheiras, em que vi a minha mãe cansadíssima, mas a fazer aquilo que mais gosta, e nesses momentos ela irradia uma energia e uma felicidade que faz com que eu também fique feliz por associação. - Esta forma positiva que a sua mãe tem de encarar a vida é o que mais admira?- Sim, além da capacidade, sem qualquer reserva, de transmitir tudo aquilo que sabe aos outros, para que eles evoluam. - A Inês ainda não foi mãe. É uma novidade por que ambas anseiam?São José - Já tive momentos em que quis mais do que agora. Agora, a Inês e o marido é que sabem.Inês - Comecei a pensar nisso agora, o que é uma coisa estranha, pois nunca sonhei ser mãe. Tenho um lado muito prático na vida e custa-me trazer mais uma criança ao mundo. As pessoas têm alguma dificuldade em entender isto, mas para mim é muito forte e preocupa-me pensar que se um dia tiver um filho, ele possa não ter água potável quando chegar à minha idade. - Entretanto, têm-se dedicado ambas a este espaço, que a São José comprou há nove anos...São José - Trabalhei no Teatro Nacional durante vinte e muitos anos e quando de lá saí precisei, naturalmente, de fazer o luto. Foi precisamente na altura em que comprei esta quinta. Ainda estive aqui três anos, pacificamente, a 'aboborar' e a desfrutar da Natureza, com os meus pais, que estavam velhinhos, mas ainda cá vinham.Inês - Depois de algumas experiências, eu acabei por aconselhar a minha mãe a fazer aqui qualquer coisa que tivesse que ver com o teatro, visto ser essa a nossa área.São José - E tem sido assim desde então. Já fizemos muita coisa e todas elas nos exigem grande esforço.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras