Nas Bancas

Ivo Canelas: "É preciso ter sorte com as pessoas com que nos cruzamos na vida"

Redacção Caras
2 de julho de 2008, 00:00

A timidez é visível ao primeiro contacto, mas a simpatia e personalidade vincada também. Ivo Canelas, de 34 anos, sempre quis ser actor e, assim que ouve a palavra "acção", esquece estes traços e transforma-se na personagem que tem de interpretar. Aquilo que menos gosta de fazer é planear a sua vida, seja a nível pessoal ou profissional. Divertido, diz até que isso "é uma característica típica das mulheres". Não é de estranhar, portanto, que, apesar de manter há três anos uma relação com a produtora Sandra Alves, de 33 anos, ainda não pensem sequer em ter filhos ou em casar-se.Actualmente está a gravar a série Liberdade 21, no papel de Afonso Ferraz, um projecto aliciante que diz conquistá-lo diariamente .Recebeu este ano o Globo de Ouro na categoria de Melhor Actor de Cinema, pelas suas interpretações em Call Girl e O Mistério da Estrada de Sintra, prémio que, como nos explica nesta entrevista, acabou por ter um sabor agridoce. - Esperava o Globo de Ouro que recebeu?Ivo Canelas - Foi um ano de trabalho muito intenso e sei o que fiz, mas também sabia que a competição era cerrada. Uma parte de mim achava que poderia ganhar, mas aquela parte do menino introvertido até rezava para que isso não acontecesse. [risos] Foi nitidamente uma surpresa... - Sei que o prémio teve um sabor agridoce...- A partir do momento em que aparece o meu rosto no ecrã, desligo e quando aparecem imagens dos filmes, já estou ausente. Tinha alinhavado na minha cabeça o que deveria dizer por ambos os filmes e acabei por não o fazer. O lado doce do prémio foi ter falado do António-Pedro Vasconcelos, que me ensinou várias coisas sobre a liberdade, o lado amargo foi não ter feito os agradecimentos devidos. Por personalidade e feitio não tenho interesse em expor-me, mas tenho a responsabilidade de valorizar o trabalho das pessoas que estão envolvidas no meu. Estava em Nova Iorque a lavar pratos alegremente quando a Pandora da Cunha Telles me telefonou com a proposta de fazer o Eça de Queiroz, em O Mistério da Estrada de Sintra. Não fiz casting nenhum, e isto foi profundamente ousado e arriscado da parte dela, o que tem de ser valorizado. Quando recebi o prémio, deveria ter agradecido à Pandora pela sua ousadia e paixão e aos outros como o fiz. Se o tivesse feito, o prémio teria sido só doce. - Sempre quis ser actor?- Sim, acho que nunca quis ser tão claramente outra coisa como quis ser actor. - Mas já tinha alguma apetência em criança?- Não, excepto ser introvertido. Ao contrário do que as pessoas dizem ou possam pensar, acho que a timidez e a introversão são mais características da profissão de actor do que de qualquer outra. - Não é um contra-senso? Uma pessoa introvertida gosta de passar despercebida, e isso não acontece com um actor...- É verdade. A minha timidez vai até à palavra "acção", depois disso já passou. Acho que é preciso ter alguma reserva emocional e social para podermos ter algum interesse como actores, e daí a minha timidez, mas também as minhas reservas em falar sobre mim. Temos de ser um pouco misteriosos para sermos interessantes durante o tempo de sobrevivência da profissão. - Não será então a profissão uma forma de libertação?- Também. A representação é sem dúvida uma forma de catarse. A transferência de emoções para as personagens é quase uma terapia. - Alguma vez sentiu que, ao vestir a pele de uma determinada personagem, essa experiência possa ter tido influência na sua vida?- Funciono sempre com comparações... Acho muito difícil representar alguma coisa que não tenha sentido ou experimentado até uma certa extensão da minha vida. Tudo é comparável, embora em graus diferentes. Os actores têm de ter uma capacidade muito abrangente e têm de tentar, acima de tudo, entender o que cada um é. Ninguém é nada sem ter uma razão muito forte, e o interessante é tentar descobrir essas razões. - Há pouco mencionou o facto de ter vivido em Nova Iorque, onde passou quatro anos. Quais são as recordações que guarda com mais carinho?- Tantas... Acima de tudo, há uma noção de liberdade muito específica, muito frontal e que é muito importante trazer para o nosso país. Há uma maneira de trabalhar americana que me interessa muito, pois é muito positivista. Seja qual o papel, a função ou a área, o importante é o estímulo. - Sempre teve o apoio da sua família nas decisões que tomou?- Para ir para Nova Iorque, sim, na decisão da profissão, tive as questões normais de um país que define os actores de uma certa forma. O facto de ser uma situação precária também preocupou, naturalmente, os pais. - Tem dificuldade em lidar com a fama inerente à profissão?- Acho que têm de se desenvolver algumas coisas primeiro para que eu ache que a fama é necessária e consequente. Para já, acho que é um pouco estéril e puxada para valorizar uma série de trabalhos. Acho que não temos estrutura para dizer que alguém é inevitavelmente famoso. Acho que é necessário e faz parte, mas quando essa fama se torna intrusiva, é muito complicado. - Está a gravar a série Liberdade 21, que vai ser exibida na RTP. Como tem sido?- Tem sido fantástico. Houve, desde o início, da parte da produção, uma aproximação muito diferente do costume, bastante mais coerente. O facto de ser um produto original é essencial, depois, há um interesse muito grande em subir a fasquia, e tudo isso para mim é fantástico e entusiasmante. - Grava várias vezes por semana, o que deve deixar pouco tempo para a sua namorada. É preciso ter uma base sólida...- [risos] Acima de tudo, é preciso ter sorte com as pessoas com quem nos cruzamos na vida. Depois, também é preciso muito carinho para as manter. Acho que é preciso ter uma paciência muito especial que eu não sei se teria. Os músicos chegam ao fim do ensaio e põem o instrumento no canto da sala, os actores vão jantar com ele. A minha namorada trabalha no meio, em produção, e por isso já o conhece bem, o que ajuda muito. - A junção de duas pessoas do mesmo meio acaba por se tornar natural...- Acho que sim. A junção produtor/actor, realizador/actor parece-me mesmo bastante natural. No caso de dois actores, é que julgo ser mais difícil, pois deve ser bastante cansativo, é muito ego envolvido... - Foi no meio profissional que se conheceram?- [pausa] Sim, foi num filme em que trabalhámos juntos. - Faz parte dos vossos planos casarem-se ou terem filhos?- Não temos planos. A questão dos filhos nunca foi algo que me passasse muito pela cabeça. Acho que há uma série de coisas em que não vale a pena tomar grandes decisões, pois a vida acaba por decidir por nós. Os filhos são uma responsabilidade profunda e para a vida, reconheço as minhas responsabilidades, mas também sei os meus limites. Conheço demasiado bem o meu egoísmo. - Evitar planos será consequência da instabilidade da profissão? - Acho que fazer esse tipo de planos é uma característica típica das mulheres. [risos] Também conheço muitos homens que fazem muitos planos, mas eu não sou assim. Pode ter vantagens ou desvantagens, mas pelo menos sou honesto. Sou aquilo que aparento ser.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras