Nas Bancas

Carolina Patrocínio: "Estou na idade de experimentar e arriscar"

Redacção Caras
28 de maio de 2008, 00:00

De um momento para o outro, a menina que aos 16 anos se tornou a cara da Disney na televisão portuguesa cresceu, e com esse crescimento nasceu a curiosidade da imprensa em saber quem seria, afinal, o príncipe encantado de Carolina Patrocínio. Depois de várias histórias e episódios que a própria assume ter vivido, o mediatismo em que se viu envolvida transformou-se num assédio quase permanente da imprensa, que teve o seu expoente máximo quando se especulou sobre a hipótese de Cristiano Ronaldo ser o dono do coração da jovem apresentadora. Desde então, Carolina tem tentado resguardar-se e prefere não falar da vida privada, até porque, aos 20 anos, acredita que ainda tem muito tempo pela frente para pensar nesses assuntos. Entretanto, está determinada em acabar o curso de Comunicação Social, o que deve acontecer ainda este ano, e seguir da melhor forma a sua carreira profissional, que, para já, passa pela apresentação do programa Disney Kids e pela promoção do Rock in Rio. - Aos vinte anos tem a sua vida envolvida num grande mediatismo. Isso afecta-a? Carolina Patrocínio - Não. Acho que a Comunicação Social deve ter limites na forma como trata as pessoas, e a partir do momento em que esses limites não são cumpridos, cabe-me a mim impô-los. E é o que tenho tentado fazer nos últimos tempos, em que tenho sido alvo de um maior mediatismo. Tento impor barreiras para me resguardar para o futuro. - Sente-se, de alguma forma, uma vítima da imprensa? - Não me sinto minimamente uma vítima, porque acredito que a imprensa vai até onde nós deixamos. E penso que tenho sabido gerir tudo isso. - Porque é que acha que lhe têm atribuído tantos namorados? - Acho que é mais a curiosidade de eu ser miúda, ser nova, aparecer na televisão e ter tido alguns episódios na minha vida que me fizeram estar mais exposta. - Episódios... que estão ligados a relações amorosas? - Talvez... Várias coisas. - Arrepende-se de alguma coisa? - Não me arrependo de nada. Sou muito nova, não posso começar a arrepender-me do que faço aos 20 anos. Penso que estou na idade de experimentar e arriscar. - É namoradeira? - ...Sou. [risos] Para a minha idade sou o normal, penso eu. No fundo, estou numa idade que pode dispensar compromissos, mais própria para conhecer pessoas, viajar... Já tenho amigos um pouco por todo o mundo. Por isso estou sempre disponível para conhecer e experimentar coisas novas. - Quando se falou de uma suposta relação com o Cristiano Ronaldo, as suas fotografias encheram páginas de revistas e jornais. Foi complicado? - Não. Simplesmente tive o cuidado de me resguardar mais nessa altura e de ter mais atenção a esse escrutínio da imprensa. - E, afinal, houve ou não houve uma relação com o Cristiano? - Próxima pergunta... Não vou responder. - Mas chegou a falar com ele sobre tudo que foi dito? - Não falo sobre o Cristiano. - Ou seja, olha para esses episódios como algo que já pertence ao passado? - Não quero alimentar mais essas polémicas. - Acredita que este mediatismo potenciou a sua popularidade? - Não me considero nenhum fenómeno de popularidade. Acho que fui ganhando maior mediatismo gradualmente, o que não me afecta minimamente. Se foi mais por um episódio ou outro, acredito que sim, mas penso que isso não me tira mérito. - A sua família sofreu um pouco com tudo isso... - Não. A minha família é um núcleo intocável no que respeita ao mediatismo. São o meu porto seguro e sei que posso contar sempre com eles. E a minha família está e estará sempre em primeiro lugar. - Com tudo o que tem vivido, não sente vontade de assentar, partilhar a sua vida com alguém? - Não. Como disse, tenho 20 anos, acho que ainda tenho muito tempo para pensar nisso. Quero muito casar-me, ser mãe, ter muitos filhos como a minha mãe, mas neste momento estou na faculdade e não penso nisso. - Por isso, neste momento pode dizer-se que é solteira e boa rapariga? - Sou boa rapariga... [risos] e recomendo-me. - Qual era o seu sonho profissional em criança? - O meu sonho era ser bailarina. Queria ter entrado para o Conservatório em Londres. Essa foi a decisão mais difícil da minha vida, e, aos 17, tive que optar. Estava a estudar, tinha entrado na universidade, e tinha ainda o Clube Disney. A carga horária era elevada e tive que abandonar a dança. Mas hoje em dia arrependo-me. Gostava de ter abdicado de outras coisas que na altura me fizeram ficar. - Já está no Disney Kids há alguns anos. Não sente vontade de partir para projectos ligados a um público mais adulto e deixar esse registo infantil? - Por mim, estaria para sempre associada a uma marca com tanto prestígio internacional como a Disney, mas tenho que ter o distanciamento necessário para perceber que chegará a minha altura de sair e dar lugar a alguém mais novo. Se existirem outros desafios, estou pronta a aceitá-los. Como aceitei ser a cara do Rock in Rio por parte da SIC. Faço tudo o que é promoção para divulgar a mensagem do evento e participo em tudo o que tem que ver com o mesmo. Sou fã número um do Rock in Rio, por isso, estaria lá de qualquer maneira, tal como estive nas edições passadas. - E o que gostaria de fazer, se mudasse de registo? - O entretenimento é aquilo que gosto de fazer, mas gostava de, num futuro mais longínquo, dedicar-me ao jornalismo de investigação. E uma das coisas que gosto mais de fazer é viajar, é algo que me dou ao luxo de fazer desde que ganho o meu dinheiro. - Tem conseguido gerir bem o seu dinheiro, dado que trabalha desde muito cedo? - Acho que sim. Inicialmente não era eu quem geria o dinheiro que ganhava. Mas agora sou eu quem faz essa gestão e penso que me tenho saído muito bem. Penso que quando se tem cabeça e se sabe minimamente gerir, tudo corre bem. - Sente-se mais adulta ou madura desde que ganha o seu próprio dinheiro? - Com o facto de ter dinheiro? Não. Foi um processo gradual. Para o que ajudou o facto de ter começado a viver sozinha, com a minha irmã mais velha, desde Setembro do ano passado. - E tem corrido bem? - Até agora, sim. É engraçado, pois pensava que ia sair da confusão, porque em casa da minha mãe somos seis irmãs, mas, afinal, a minha casa está sempre cheia de amigos. Sabe sempre bem ir a casa dos pais almoçar e jantar, mas sabe igualmente muito bem ter o meu espaço e fazer o que quero às horas que me apetece. A apresentadora, que está desde cedo ligada à Disney, é este ano a cara do Rock in Rio para a SIC. Nesta entrevista, falou do seu crescimento profissional e do mediatismo que tem rodeado a sua vida. "Não me sinto minimamente uma vítima. Acredito que a imprensa vai até onde nós deixamos." "Sou muito nova e não posso começar, aos 20 anos, a arrepender-me daquilo que faço." essas polémicas. "A minha família é um núcleo intocável no que toca ao mediatismo. São o meu porto seguro." Aos 20 anos, Carolina é uma promissora cara da SIC, mas já deu por si a pôr em causa a opção que tomou ao abdicar de ir para Londres seguir uma carreira de bailarina para ficar a trabalhar em televisão. "Não falo sobre o Cristiano. Não quero alimentar essas polémicas." "Quero muito casar-me, ser mãe, ter muitos filhos como a minha mãe, mas neste momento estou na faculdade e não penso nisso. Tenho 20 anos..." A apresentadora é parca em comentários sobre a vida privada, mas admite que é namoradeira na medida que considera normal para a sua idade.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras