Nas Bancas

Catarina Avelar

Catarina Avelar

CARAS

Catarina Avelar: "Os meus filhos não só me completam como são a minha terapia"

Redacção Caras
10 de abril de 2008, 14:27

Chega a atropelar as palavras tal é a velocidade com que fala. Os movimentos também são frenéticos e as expressões entusiásticas. Catarina Avelar é assim, vive com pressa de não agarrar as oportunidades que lhe vão surgindo na vida. E esta energia não se esgota mesmo quando chega a casa, onde tem dois filhos que lhe sugam toda a atenção: Sebastião, de cinco anos, e Salvador, de três, fruto do seu casamento com José Carvalhal, de quem está divorciada.
Mas nem sempre os seus dias terminam da mesma forma, pois, como responsável do departamento de comunicação e relações-públicas da Bacardi Martini Portugal, são muitas as vezes que se ausenta do País. Aliás, foi numa dessas viagens em trabalho, desta vez ao Brasil, que a CARAS aproveitou para conversar com Catarina Avelar, de 31 anos.

- Como concilia as muitas viagens profissionais com o facto de ter dois filhos pequenos?
Catarina Avelar -
É complicado, é outro grande desafio. Eles sentem muito as minhas ausências, mas graças a Deus tenho uma família fantástica, extraordinária, que são o meu suporte e diminuem a falta que eles podem sentir.

- Eles saem penalizados?
-
De alguma forma, sim. Mas a minha preocupação é dar-lhes tempo de qualidade. Quando estou com eles, estou a 100%, para não perder momentos-chave do desenvolvimento e crescimento deles e para eles sentirem que eu os acompanho.

- Calculo que as saudades sejam por vezes difíceis de controlar...
-
Principalmente porque eles são de facto os meus grandes companheiros. Somos muito unidos. Sou a base deles, mas eles também são a minha base emocional. O Salvador e o Sebastião não só me completam como são a minha terapia. Há pessoas que vão para o ginásio, eu tenho-os a eles. Só o simples facto de ficar a observá-los é um momento de descontracção para mim. Mesmo com todo o trabalho que dão, com todas as diabruras que fazem, são a minha libertação da tensão.

- Eles dizem-lhe que sentem a sua falta?
-
Dizem. O Salvador é mais trapalhão a falar, só manda beijinhos. O Sebastião, por seu lado, já conta o seu dia e acaba sempre o telefonema com uma voz trémula a dizer: "Gosto da mãe como gosto do Universo."

- É bom que eles exteriorizem os seus sentimentos...
-
Sim, tenho uma grande preocupação em que eles me digam o que sentem. Não sou a melhor amiga deles, porque acho isso uma utopia, mas falamos muito do que sentimos uns pelos outros, e isso é das melhores coisas que pode haver na relação entre pais e filhos. Os meus filhos são o tesouro mais precioso do mundo. Para mim não há nada mais importante do que eles.

- Sendo divorciada, tem sido fácil educar os seus filhos a maior parte do tempo sozinha?
-
O pai deles ajuda-me, como é óbvio, falamos quando há problemas, porque todos os têm, principalmente os que são filhos de pais divorciados, e também tenho um grande apoio dos meus pais. De qualquer forma, não é um drama educá-los a maior parte do tempo sozinha, pois tento viver o dia-a-dia sem pensar muito nisso.

- Mas também deve ser bom quando eles passam os fins-de-semana com o pai, deve aproveitar para cuidar de si...
-
Não vou negar que me sabe muito bem carregar baterias para mais uma semana...

- Tem tido tempo para refazer a sua vida amorosa?
-
Não.

Palavras-chave

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras