Nas Bancas

Maria Duarte e Pedro Reis em sintonia há cinco anos

Redacção Caras
9 de abril de 2008, 00:00

Marcámos encontro com Pedro Reis e Maria Duarte no Hotel Sheraton, em Lisboa. Durante as cerca de quatro horas que demorou a produção fotográfica, foi fácil perceber por que é que o empresário e a estudante de Design de Ambientes continuam juntos ao fim de cinco anos. A boa disposição é uma constante na relação deste casal, que leva "a vida a bem e muito na desportiva", como nos contaram os próprios nesta entrevista, também ela muito descontraída, e que foi uma espécie de balanço dos quatro anos de vida em comum. - O Pedro é romântico? Prepara muitas surpresas? Pedro Reis - Sou só um bocadinho romântico. Não estou sempre a fazer coisas... Agora, a Maria, faz uns excelentes cozinhados, está-me sempre a surpreender, todas as noites... - A Maria recorda alguma surpresa com especial carinho? Maria Duarte - O Pedro tem imensa dificuldade em fazer-me surpresas, porque eu sou daquelas pessoas que vão à procura e descubro quase sempre. Mas uma das surpresas mais giras que ele me fez foi num Dia dos Namorados. Levou-me até Coruche de olhos vendados e quando lá cheguei tinha um balão de ar quente à espera para irmos dar uma volta. Foi super-romântico e gostei especialmente por ele ter conseguido manter a surpresa até à última. - Há quanto tempo namoram? Pedro - Mais ou menos há cinco anos, não sabemos ao certo. - Mas ainda se lembram como foi? Houve algum pedido formalizado? Maria - Eu lembro-me. Houve um pedido, sim. Começámos primeiro por ser amigos, tínhamos muita coisa em comum, gostávamos dos mesmos desportos, de ir para a praia, por isso era fácil estarmos juntos e mantermos uma amizade. Houve uma altura em que fomos uma semana para a Carrapateira, e quando chegámos a Lisboa - eu estava a tirar as minhas malas do carro para ir para casa - o Pedro olha para mim e diz-me: "Maria, não quero ficar mais sem ti." E para o Pedro dizer assim coisas queridas, românticas, é quase à lei da bala. Tenho de o chatear intensamente para ele dizer qualquer coisa. Aí eu percebi: estamos fixos. E como também me deu as chaves de casa... - Foi fácil adaptarem-se à vida de casal? Uma coisa é namorarem, outra é viverem juntos... - É a primeira vez que vivo com alguém, e foi uma adaptação grande. De repente saí da casa dos meus pais, onde tinha uma empregada só para mim, as compras de supermercado feitas por ela, e fui viver com o Pedro, onde não tenho nada disso. Tive de começar a arrumar a casa, e eu sou superdesarrumada! Acho que ainda estou a adaptar-me. - Então o arrumadinho é o Pedro? O mais habitual é que seja o contrário... Pedro - Eu acho que sim. Mas ela tem umas zonas próprias em casa onde pode 'arrumar' à maneira dela. Eu não sou excepcionalmente arrumado. A questão é que a Maria é muito desarrumada, mais do que aquilo que eu aguento. Ela tem as zonas dela, o quarto de vestir, o escritório dela... onde eu deixei de dar opinião e tento não ir lá muito para não me baralhar. [risos] - Ao fim de cinco anos, como é que mantêm a chama acesa e evitam cair na monotonia? - Acho que é importante preservar a individualidade de cada um. Os casais acabam por fazer tudo juntos, se um vai jantar fora, o outro também tem de ir... e nós não somos assim. Se a Maria quiser ir sair com as amigas, vai, e vice-versa. Respeitamos o espaço e a vida um do outro, apesar de, obviamente, partilharmos quase tudo. Maria - Outra coisa é que estamos sempre na brincadeira. Como não temos horários fixos, podemos fazer coisas diferentes, como ir a certos eventos, praticarmos desportos radicais, e tudo isso ajuda a fugir da rotina. - Ainda se lembram o que é que os atraiu um no outro? - A mim foi o sentido de humor. Quando conheci o Pedro, tinha um certo preconceito em relação aos modelos e a esta coisa dos vips (antes de namorar com o Pedro nunca tinha aberto uma revista cor-de-rosa), e quando mo apresentaram, pensei logo: se foi modelo, deve ser burro. Mas depois ele mostrou aquele sorriso maravilhoso e o sentido de humor... Pedro - Ela ri-se sempre das minhas graçolas. - E agora, o que os atrai? - É esta atitude positiva da Maria perante a vida. É muito optimista, às vezes até de mais. - Quais são os maiores defeitos que vêem um no outro? - A Maria faz demasiados bolos. [risos] Maria - Ele acha que tem sempre razão. - A nível de afectos, são muito exigentes? Pedro - A Maria é um bocado, precisa de muita atenção. Maria - Ele já não. Eu, quando começo a ficar carente e ele chega a casa mais calado, pergunto logo se não há beijinhos, abraços... Mas o Pedro é mais reservado e tem uma certa dificuldade em falar dos seus sentimentos. - Não pensam casar-se? Pedro - Não estamos a pensar casar para já. Um dia, quando tivermos filhos, aí sim. Mas será uma mera formalidade. - E em relação aos filhos, por que esperam? - Estou à espera da Maria. Acho que já passei a idade em que já não tenho desculpa nenhuma. Entretanto, vamos treinando com os gatos. Maria - Quando aparecerem, aparecem. Um dia, quem sabe... eu tenho três sobrinhos, entre os sete e os doze anos, e o Pedro tem imensa paciência: é tão giro observá-lo com eles... Ele tem muito jeito para crianças.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras