Nas Bancas

José Mourinho: "Consegui pela primeira vez fazer férias de Inverno com a família"

Redacção Caras
13 de março de 2008, 00:00

Humilde, tranquilo, simpático e sempre solícito aos pedidos de quem o 'assediou', nem que fosse para alguns minutos de conversa. Foi assim que José Mourinho se apresentou em Valência, Espanha, onde se deslocou para dar a imagem por um novo telemóvel da Samsung com um sistema de personal training da Adidas. O treinador português está parado há cerca de cinco meses e confessa já sentir saudades de trabalhar. "Tento não pensar muito nisso, mas sinto muitas saudades de treinar uma equipa profissional, claro", disse. Mas nem por isso o Special One se arrepende de ter acordado a cessação do contrato com o Chelsea. "Nestes cinco meses fiz coisas que não pude fazer durante muitos anos. Foi a primeira vez na minha vida que consegui fazer férias de Inverno com a minha família, por exemplo. Tenho feito coisas que não podia, por isso penso que não é assim tão mau. Tenho tido muito tempo para pensar o que tem sido a minha carreira até agora e para pensar no futuro. Por isso, não considero um drama não estar no activo. Quero voltar, não agora, mas no início da próxima época. A partir de Junho, Julho", confessou. E nem o dinheiro o demoveu da vontade de estar parado e de gozar alguns momentos de descanso com a família. "Tenho sido muito respeitado pela Imprensa nestes cinco meses em que não quis falar. Não disse uma única palavra, não fui a estádios de futebol, não falei mal de ninguém. Perdi muito dinheiro, porque tive centenas de convites para fazer comentários na TV ou escrever crónicas, e nunca o fiz. E todo o dinheiro que consigo neste tipo de coisas dou para caridade, por isso também eles estão a perder dinheiro, mas tinha que ser assim..." O homem de quem ainda se fala, bem ou nem por isso, afirmou ainda que opiniões só as aceita de quem o conhece. "Muita gente fala sobre mim, mas quem realmente me conhece é a minha família, os meus amigos e os jogadores. Pessoas que não me conhecem, mesmo que digam coisas mais negras, não me interessa. Só presto atenção ao que diz a minha família, amigos e jogadores. Se um jogador diz que fui o melhor treinador que teve, fico contente, claro." O treinador decide agora qual o rumo a tomar nos próximos tempos e qual o próximo país que lhe servirá de casa. Itália ou Espanha são as hipóteses mais prováveis. "Não tenho clube, não tenho qualquer tipo de acordo com nada ou ninguém. Já fui dado como certo em dez clubes diferentes, é tudo mentira. Sou completamente livre. Não quero o lugar de nenhum companheiro meu, nem espero nada, mas Espanha e Itália são os países onde gostaria de treinar. E continuo a ter a minha casa em Londres, os meus amigos estão lá, voltarei certamente, mas não agora", adiantou.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras