Nas Bancas

Decoração: O espírito do lugar na Malveira da Serra

O arquiteto Pedro Quintela reabilitou uma casa em ruínas, na Malveira da Serra, mantendo-se fiel à identidade da construção original.

Patrícia Rocha
10 de novembro de 2012, 20:00

Na pitoresca Malveira da Serra, em Al­cabideche, Cascais, o arquiteto Pedro Quintela recuperou uma casa agrícola simples, sólida e robusta, outrora em ruínas, com pátio e terraço abertos para a paisagem. Fez o que mais gosta de fazer: sonhar, antes de lançar mãos à obra, conservar paredes de pedra e resgatar o espírito tradicional do lugar. "Gosto imenso de viajar. E conforme vou viajando, vou pingando amores pela arquitetura. Já fiz várias voltas a Portugal e em cada aldeia tenho um amor, uma joia. Entro lá dentro, normalmente são ruínas, não têm pessoas, e começo a fazer grandes 'viagens'. Tive muitos professores teóricos, soberbos, mas os meus professores práticos são as ruínas. Entro nelas, viajo, aprendo tudo o que tenho a aprender, esquisso, sinto, fotografo e continuo, de uma em uma", revela.
A história da habitação, hoje com uma área útil total de cerca de 100m, distribuídos por sala, com mezanino, cozinha, dois quartos e um espaço polivalente, estes apoiados por casa de banho, parece fruto do acaso ou, então, partida do destino: "Tinha a possibilidade de investir numa casa e pensei: por que não esta? Fui conhe­cendo os vizinhos. Vinha aqui várias vezes. Acabei por não resistir a perguntar quem era o dono e disseram-me que morava numa aldeia aqui perto. Nesse próprio dia, ao final de tarde, fui até lá e, quando cheguei, encontrei uma única pessoa que estava a passear na rua. Encostei, perguntei-lhe por quem eu procurava e... era o próprio", diz, rindo. "Tive sorte porque eram só dois herdeiros. Fizeram-me um preço e eu avancei com o projeto".
A recuperação do edifício fez-se com recurso a mão-de-obra local e a bons materiais de construção, a maioria recolhida nas próprias ruínas e aplicada na reconstrução, mas nem sempre devolvidos ao seu local original. "Foi quase um puzzle. Tirar daqui e colocar ali, para aproveitar ao máximo o que havia de bom, e não haver desperdício!" O seu método de trabalho é, garante-nos, in­tuitivo, respeitando o espaço e optando sempre por intervir o mínimo possível, ou seja, privilegiando a recuperação e restauração de técnicas e materiais construtivos existentes (sendo a implementação de novos materiais estruturada de forma a que estes se coadunem com os antigos sem os ofuscar e assumindo claramente que são novos). "Falo muito com as obras, mais facilmente até do que com pessoas. As obras é que são os meus clientes, as obras é que me dizem o que é que querem que eu faça com elas... E, depois, com muito diálogo e momentos íntimos, entre a obra e eu, acontecem as coisas".
A paixão do arquiteto e a sua relação com as ruínas, aliadas à paisagem envolvente e, mais uma vez, ao espírito do lugar, encarregam-se do resto, da reinterpretação construtiva do existente. "A casa está bastante integrada, com alguma ajuda minha, mas principalmente com a ajuda de quem a projetou originalmente. As paredes-mestras são originais. Só deitei abaixo o que estava dentro, assim como o telhado. Comecei a trabalhar a partir da côdea. Mas a pele da casa estava cá!", observa, elogiando o trabalho dos 'antigos': "Estes, sim, sabiam trabalhar a arquitetura, sabiam perfeitamente porque é que a casa está como está, nesta direção, toda virada a sul, protegida da nortada, que aqui é bastante agressiva... Todo este saber está ligado à vida das pessoas que viviam cá antigamente".
O resultado está à vista: um novo espaço de vida, com a alma e todo o simbolismo da casa de campo original, resistente às condições climáticas adversas do local e apta a corresponder às exigências de conforto contemporâneas. "Luto pelo conceito holístico da coisa. É como o corpo humano: se faltar um dedo, já não está completo. Então, temos que ter tanto pormenor no dedo ou na unha como na cabeça. Essa é a minha abordagem! Temos que começar bem do menos zero. E se a entrega for sempre igual, o todo resultará igualmente bem... Não há uma coisa que considere o pormenor da casa, porque toda ela em si é resultante de infinitos pormenores".
Pormenores, esses, que se estendem à composição dos interiores, num misto de tradicional e rústico contemporâneo. "Conciliar a estética arquitetónica com a decoração foi um processo muito natural, que foi acontecendo. Na verdade, muitos dos móveis que estão cá em casa nasceram durante a obra e depois deu-se apenas um toque para ficarem com um ar mais bonitinho. As peças foram aparecendo. Tal como apareceu esta obra acabada a partir de uma ruína...", aponta. "Gosto de valorizar as coisas que socialmen­te se é quase proibido de olhar para elas. Estou a falar de lixos e ferrugens. Gosto de ir buscá-los e transformá-los em algo bonito".
Três anos de obras depois e dois de vivência, o arquiteto está pronto para novos desafios. "Sinto que estou a mimar demasiado a casa. E, tal como em todas as relações, mimar demais é uma chatice, para os dois lados, para quem mima e é mimado. Estou pronto para sair. Sinto que, de certa forma, o meu trabalho está completo. O que tinha que fazer está feito", garante.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras