Nas Bancas

Decoração: Bom ponto de fuga

Perto da Golegã, ergue-se um chalet pleno de referências, onde a arquitetura clássica se contrapõe com elementos de arte moderna. Numa partitura de contrastes, casam-se materiais, texturas e cores, atribuindo a esta casa familiar uma nova vida.

Susana Gaspar
15 de julho de 2012, 11:00

A combinação de várias paixões, entre as quais o rugby, a gastronomia, o convívio com os amigos e, acima de tudo, a necessidade de evasão da cidade – que não se compadece com horários espartanos –, levou uma família numerosa a adquirir uma segunda habitação, perto da Golegã, Ribatejo. A quinta, inserida num cenário bucólico, está rodeada por um terreno de dimensões consideráveis que não atenua a imponência do chalet de final do século XIX. Num imóvel com aparência austera e propósitos funcionais, o projeto de arquitetura de interiores revalorizou o imóvel, modernizando-o e tornando-o mais fluído e prático para os seus utilizadores.
O ateliê Sá, Aranha & Vasconcelos foi chamado a desenvolver e a executar a decoração global da casa que integra uma estrutura simples, mas surpreendentemente gigante. Ao todo, o edifício contempla hall, escritório, sala de jantar de estar e de jogos, cozinha, sete quartos duplos, uma suíte, uma camarata feminina, 10 casas de banho completas e a capela. Embora Carmo Aranha e Rosário Tello reconheçam que um projeto, por si só, é sempre aliciante, aqui, o que mais as motivou foram "as áreas enormes, o facto de ser uma casa rural com história, o podermos fazer tantos quartos diferentes, até porque alguns deles foram concebidos para amigos com lugar cativo, e o sabermos que o cliente aprecia arte moderna", referem. Com apenas dois meses para concluir o trabalho, as decoradoras tiveram como ponto de partida a estrutura clássica da arquitetura e algum mobiliário já existente. Num tempo record descobriram materiais, peças e tecidos que garantissem a harmonia desejada e se aplicassem na dose certa. "O resultado foi conseguido pela conjugação entre os diferentes tons, idades, pesos, alturas, origens de objetos e soluções que pudemos encontrar em cada ambiente", sublinham as profissionais.
A disposição da casa é simples. O hall de entrada, com vista para a sala e para o piso superior, a que se acede por uma escadaria imponente, transmite-nos de imediato a sensação de que estamos perante um imóvel repleto de áreas generosas e uma luz intensa. Entre muitos e variados objetos, destacamos o banco de jardim do século XX, em ferro e madeira, e o par de archotes em prata portuguesa transformados em candeeiros de pé. Seguindo para a sala de estar, não ficamos indiferentes ao pavimento em tijoleira e aos tectos em madeira trabalhada e pintada, ambos da época. Com diversas áreas de convívio, esta divisão garante a mistura de estilos, através de artigos como as mesas criadas a partir de esculturas indianas em madeira do séc. XIX, nos temas de "cavalos" e "cães", com acabamento em policromia, ou as cadeiras em madeira – na zona de jogo – reproduções de originais portuguesas do séc. XVIII. "A contemporaneidade dos tons escolhidos para tecidos, tapetes, estofos, a par da arte moderna presente no projeto, criaram um contraponto ao peso da estrutura", sublinham Carmo Aranha e Rosário Tello. O mesmo registo foi adotado na sala de jantar, onde sobressai o tecto original em madeira com estrutura de asnas e vigas ou o exemplar de aparadores, transformados a partir de bancos de carpinteiros portugueses do século XIX, em madeira de casquinha. Na cozinha, a modernidade das peças dita as coordenadas de um ambiente sóbrio, enquanto nos quartos o conforto é nota dominante. Ao entrarmos na suíte, o olhar fixa-se no lustre em murano e liga metálica, com abajures em linho preto, e nas peças em ouro fino e metal cromado. Os cortinados em gaze branca marfim, com pendentes pretos, compõem o cenário. Ao lado, na camarata, a diferença impõe-se pela cor, pelos padrões florais e pelas madeiras décapé. A área esconsa do quarto, potenciada pelas escadas de acesso ao sótão, é ocupada por um toucador.
Uma casa de férias ampla e funcional, que em muito surpreendeu os clientes. "Acharam brutal. Quando olhamos para a casa pronta, não temos dúvidas de que gostaríamos dela para nós. Sempre no espírito do projeto: com muita alegria", rematam os rostos do ateliê Sá, Aranha & Vasconcelos.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras