Nas Bancas

Decoração: À base de conforto

Tonalidades sóbrias e uma agradável mistura de peças num apartamento com cerca de 230m2, um terraço generoso e vista de mar.

Patrícia Rocha
5 de janeiro de 2012, 13:21

Adquirido há seis anos, o apartamento de uma empresária, em tempos proprietária de uma empresa ligada à área da decoração, está inserido num condomínio de luxo, em Oeiras, com excelentes acabamentos, uma área de 230m e um terraço de 70m, além de todas as vantagens do empreendimento (zonas comuns, como jardim, piscina, interior e exterior, ginásio, sauna, entre outras).
"Utilizo todas as facilidades. E adoro estar lá fora, na minha varanda, onde, quando faz sol, almoço todos os dias... Esta casa permite ainda usufruir de uma vista e luz magníficas", conta a proprietária, responsável pela composição dos interiores, que, para decorar o exterior, optou por mobiliário da marca Gandia Blasco. "Gosto de ambientes modernos e a modernidade requer linhas simples", diz.
Surgido na década de 60 nos Estados Unidos da América, o minimalismo (ou, neste caso, a decoração minimalista, em que só há espaço para o que é essencial) continua a despertar a admiração de muitos e a colecionar seguidores. "Queria que os interiores desta casa fossem mi­nimalistas ao máximo. Mas quando comecei a colocar os tarecos, peças que já tinha e outras de família, o resultado foi este, que não é nada despojado", observa.
Antes da mudança, a proprietária, sem fazer alterações estruturais, ou de fundo, optou por substituir o pavimento existente, nas zonas sociais, por cimento afagado com resina, uma escolha de acabamento simples e que se destaca pela sua praticidade. Nas áreas mais íntimas, a escolha recaiu sobre chão em alcatifa, de tom cinza, permitindo um elevado poder de isolamento térmico, além de criar uma sensação de bem-estar e maior conforto.  
O projeto de decoração destaca o cuidado com a otimização dos interiores e evidencia a correta integração dos ambientes sociais: a sala comum, que contempla zona de estar e área de jantar, abre-se para o terraço, favorecendo a sensação de amplitude do espaço. Esta é ainda reforçada por alguns truques, como o uso de espelho, a forrar uma das paredes, a escolha de materiais transparentes (mesa de refeições em acrílico), a escolha e disposição do mobiliário (sofás, banco corrido e poufs, da Trimaple), os tons neutros ("adoro os cinzentos") e a iluminação (de tecto e mesa) conjugada com a luz natural que entra pela ampla extensão de vidro.
Ao colocar espelho e um quadro a valorizar a mesma parede, criou-se um efeito interessante, já que a composição ganhou movimento, refletindo a tela de Manuel Caeiro, de generosas dimensões (cinco metros de comprimento), adquirida numa das edições da Arte Lisboa, na FIL. "Gosto muito dos jovens pintores portugueses e só tenho pena de não conseguir identificar o autor do quadro vermelho", lamenta a proprietária, apreciadora de arte contemporânea.
Ainda na sala, para ajudar a quebrar o do­mínio dos tons cinza, foram inseridos, propo­sitadamente, alguns detalhes coloridos. Tirando a mesa de refeições, os assentos estofados e o mobiliário de exterior, "todas as restantes peças já existiam, trouxe-as para aqui e adaptei-as. No fundo, é uma mistura, mas que garante o essencial: conforto".
Com capacidade para 12 pessoas, a mesa em acrílico transparente adiciona leveza e confere sofisticação ao ambiente, sem, no entanto, chocar com outros elementos, caso do banco comprido e dos vários poufs, que ocupam pouco espaço à mesa. "Desenhei-a e mandei fazê-la à medida. É um modelo inspirado num outro que vi numa viagem que fiz a Paris. Ideal para quem, como eu, recebe imenso, gosta de receber amigos, dar jantares e ter gente em casa". Também a solução da iluminação LED, embutida no pavimento, cujo efeito dá um toque moderno ao ambiente de refeições, é da proprietária.
No hall, de acesso a todas as divisões da casa, o retrato da proprietária, da autoria de Eduardo Malta, dá as boas-vindas aos visitantes, junto à cadeira Doctor Sonderbar, desenhada em 1983 pelo designer Philippe Starck.
Tanto a cozinha, com base branca, sentido prático e organização, como os quartos, a suíte e o escritório, mostrando que dá para misturar e preservar o que existe de bom, têm o mar em linha de fundo. Aqui, tudo foi permitido e revela personalidade: "Está feito, e já não mudo mais nada. Nem a cor das paredes nem objetos ou quadros! Aliás, não tenho pachorra", confessa a proprietária, que encontrou o seu lugar: "Ainda bem que estou aqui, com esta luz, vista, uma família e filhos fantásticos. Morei na Lapa anos a fio e era um inferno para estacionar... Aqui, embora faça tudo de carro, é mais tranquilo... É uma casa para ficar, adoro-a. Não me vejo a sair daqui por nada!", remata.

Palavras-chave

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras